Fundação Cidade das Artes

Memoria

Memória

A Fundação Cidade das Artes é um espaço concebido para abrigar múltiplas atividades artísticas, como exposições, apresentações de dança, teatro e música. Este complexo cultural também é utilizado para palestras, oficinas, congressos, conversas com autores, lançamentos de livros e outras atividades de formação cultural e artística.

Os eventos que ocorrem neste espaço são filmados e fotografados para que todos os interessados possam ter acesso, através deste site, ao histórico de programação da Cidade das Artes e os programas das peças podem ser pesquisados na Sala de Leitura, local onde serão preservados todos os materiais impressos relacionados à programação.

Eventos Passados

Encontro de Coros da ACC 01/09 Música Música popular, folclórica e latino-americana num só lugar! Encontro de Coros da ACC (Associação de Canto Coral) , um excelente programa para quem aprecia vários gêneros musicais! Três dos dez grupos corais da ACC vão participar do Encontro. Cada um tem propostas musicais diferentes: o Coro Intercantus, apresenta repertório de música popular e folclórica brasileira, sob a regência do maestro Rafael Caldas; o Prelúdio, regido pelo maestro Miguel Torres, explora o universo popular eclético; o Tu Voz Mi Voz, com foco na música latino-americana, é regido pelo diretor musical da ACC Jésus Figueiredo. O convidado deste Encontro será o Coro Península, fundado em 2014 por uma iniciativa da Assape (Associação de Amigos da Península), na Barra da Tijuca, através de seus conselheiros. Formado por moradores do condomínio, desenvolve as atividades a partir de convênio com a Associação de Canto Coral e sob a regência do maestro Miguel Torres. O repertório é composto de músicas populares e folclóricas. Canções conhecidas como Samba de uma nota só (Tom Jobim), Maria Maria (Milton Nascimento), Descobridor dos sete mares (Tim Maia), Another brick in the wall (Roger Waters) e latinas como Eres Tu (Juan Carlos Calderón) e Côco Peneruê (Waldemar Henrique) fazem parte do programa. Uma oportunidade única de apreciar e confrontar diferentes gêneros musicais usados na formação coral. Associação de Canto Coral A Associação de Canto Coral (ACC), criada em 1941, tendo como patrono Heitor Villa-Lobos, já realizou mais de 750 concertos, além de promover palestras e cursos para estimular o interesse pela música erudita e coral. A ACC já atuou com grandes orquestras, regidas por maestros internacionais como IgorStrawinsky, Francisco Mignone, Isaac Karabtchevsky entre outros. Intérpretes: Coros Intercantus, Tu Voz Mi Voz, Prelúdio e Península   Andréa Shad (Assessora de Comunicação da ACC) Tels: (21)98187-9871 / (21)3486-8978 [+] saiba mais Suor Angelica | Ópera em um ato de Giacomo Puccini 31/08 Música A ópera “Suor Angelica”, composta por Giacomo Puccini em 1917, é uma das mais belas do compositor italiano. Por conta da sua curta duração e enredo cativante, apresenta uma oportunidade não só do fomento do consumo de ópera, mas também da projeção de jovens artistas no mercado lírico.  “Suor Angelica” será encenada pelo Coro de Câmara Lírico Feminino e o Núcleo de Ópera da ACC. Esse título se destaca em relação aos demais do repertório lírico por possuir um elenco totalmente feminino. Além disso, seu enredo pode ser lido atualmente, à luz do feminismo, por abordar o tema da repressão à sexualidade das mulheres. Angelica, a protagonista, é uma mulher que tem relações sexuais enquanto solteira, o que era um escândalo para a moral vigente no início do século XX — e, ainda, em alguns setores conservadores do XXI. Por este “delito”, ela é encarcerada num convento, um lugar de penitência, o que leva muitos estudiosos da arte lírica a compararem esta ópera ao “Purgatório”, de Dante Alighieri. Para criar esse ambiente claustrofóbico e punitivo, o diretor cênico Antonio Ventura optou por uma cenografia parca e pouco iluminada. O destaque será a forte presença do símbolo da vela, não só uma constante na iconografia e culto católicos, mas também alusiva à purificação das almas luxuriosas através do fogo na obra dantesca. A Associação de Canto Coral desenvolve, desde 1941, um trabalho de apresentações de corais – já ultrapassando a marca de 750 performances em diversos locais do Rio de Janeiro, como o Centro Cultural do Banco do Brasil, o Museu de Belas Artes, a Cidade das Artes, além de promover palestras e cursos sobre ópera. Este espetáculo tem a parceria do diretor cênico Antonio Ventura, formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Alguns de seus trabalhos: “O Estupro de Lucrécia” (2016), “Muito Barulho por Nada” (2017) e, seu mais recente, “Romeu e Julieta” (2018), todos baseados na obra de William Shakespeare.   Ficha técnica Direção de cena: Antonio Ventura Direção musical e pianista: Cláudio Ávila Diretor musical da ACC: Jésus Figueiredo Elenco:   Suor Angelica: Paola Soneghetti La Zia Principessa : Carolina Faria La Badessa: Elizabeth Babo La Suor Zelatrice: Helena Lopes Suor Genovieffa: Karla Araújo   Cenografia e figurino: Comitê de Artes Cênicas da ACC Fotógrafo: Comitê de Audiovisual da ACC Operador de luz: Bernardo Pimentel Design gráfico: Victor Borborema Produção: Celeste Figueiredo   Andréa Shad Assessora de Comunicação Tel: 21-981879871 [+] saiba mais Guilherme Pimenta Quarteto | Show Catopê 24/08 Música Guilherme Pimenta vem se destacando na cena instrumental por fazer parte de uma nova geração de violinistas que estão trazendo o instrumento para o meio da música popular e da improvisação no Brasil. O show "Catopê" traz ao público o repertório do do CD lançado agora em 2019. O espetáculo apresenta composições inéditas que passeiam por diversos estilos como Choro, Frevo Xote, Baião e Rock interpretadas com intensidade e criatividade por este quatro expoentes da atual geração de instrumentistas brasileiros. O Guilherme Pimenta Quarteto lançou em 2018 o EP "Violino na Roda" apresentando um trabalho relevante para a efervescente cena da música instrumental e elogiado por grandes violinistas do Jazz. Em 2019 o quarteto se prepara para lançar o CD "Catopê". Formado por Guilherme Pimenta (violino), Pablo Arruda (contrabaixo) e Daniel Ganc (violão) e Lourenço Vasconcellos (bateria), o grupo faz um show descontraído e dançante com destaque para as composições autorais. Eles já passaram por palcos importantes como Casa do Choro, do Circo Voador, Teatro Municipal de Niterói e participaram de festivais como "Verão Arte Contemporânea" em Belo Horizonte e "Acordes do Amanhã". [+] saiba mais Los Hermanos | Opes toca Ventura Sinfônico 23/08 Música Orquestra Petrobras Sinfônica inaugura Série Playlist interpretando Metallica e Los Hermanos Concertos de “Black Album” e “Ventura” acontecem nos dias 21 e 23 de agosto Nos últimos anos, a Opes realizou concertos dos mais diversos estilos, indo do Pop ao Clássico, passando pelo heavy metal e MPB. Para reviver um pouco desses sucessos, a OPES cria a Série Playlist, levando alguns desses concertos para a Grande Sala da Cidade das Artes. “Black Album” (Metallica) e “Ventura” (Los Hermanos) abrem as apresentações, que terão regência de Felipe Prazeres, nos dias 21 e 23 de agosto, respectivamente. “Black Album”, o disco de maior sucesso na trajetória da banda norte-americana Metallica, lançado em 1991, abrirá a série de apresentações na Cidade das Artes no dia 21/08, quarta-feira, às 20h30. Quinto álbum de estúdio da banda, “Black Album” vendeu mais de 40 milhões de cópias ao redor do mundo, e imortalizou faixas como “The Urforgiven”, “Enter Sandman” e “Nothing Else Matters”. Como nas apresentações anteriores – todas esgotadas, no Rio e em São Paulo - o concerto apresentará o álbum na íntegra, por um conjunto de 50 músicos. O segundo concerto será “Ventura Sinfônico”, que inaugurou a série Álbuns em 2016 e realizou apresentações lotadas no Rio, Porto Alegre e São Paulo. O disco é um dos mais conceituados da banda Los Hermanos e possui hits como “Cara Estranho”, “O Vencedor”, “Último Romance”, entre outros. A apresentação acontecerá no dia 23/08, sexta-feira, também às 20h30, e contará com 40 músicos. As apresentações, que integram um grande conjunto de iniciativas da Opes para popularizar a música clássica e renovar o público do gênero, já reuniram mais de 40 mil pessoas. Modelo de gestão: A Associação Orquestra Pró Música do Rio de Janeiro, entidade que administra a orquestra, possui uma proposta administrativa inovadora, sendo a única orquestra do país gerida por seus próprios músicos. Outros apoios e patrocínios: A Petrobras Sinfônica conta ainda com os apoios culturais de: UCI, ABGC, Consulado da Argentina, Windsor Hotéis, Rádio MEC FM e JLT Brasil. Mantenedora: Petrobras Programação Ventura Felipe Prazeres, regente "Samba a Dois" "O Vencedor" "Tá Bom" "Último Romance" "Do Sétimo Andar" "A Outra" "Cara Estranho" "O Velho e o Moço" "Além do Que Se Vê" "O Pouco Que Sobrou" "Conversa de Botas Batidas" "Deixa o Verão" "Do Lado de Dentro "Um Par" "De Onde Vem a Calma"     Informações para a imprensa MNiemeyer Assessoria de Comunicação http://www.mniemeyer.com.br Tatiana Carvalho - tatiana@mniemeyer.com.br (21) 2178-2104 / (21) 99192-7239 Andrea Pessoa - andrea@mniemeyer.com.br (21) 2178-2112 / (21) 99802-6622  [+] saiba mais Metallica | OPES toca Black Album 21/08 Música Orquestra Petrobras Sinfônica inaugura Série Playlist interpretando Metallica e Los Hermanos Concertos de “Black Album” e “Ventura” acontecem nos dias 21 e 23 de agosto Nos últimos anos, a Opes realizou concertos dos mais diversos estilos, indo do Pop ao Clássico, passando pelo heavy metal e MPB. Para reviver um pouco desses sucessos, a OPES cria a Série Playlist, levando alguns desses concertos para a Grande Sala da Cidade das Artes. “Black Album” (Metallica) e “Ventura” (Los Hermanos) abrem as apresentações, que terão regência de Felipe Prazeres, nos dias 21 e 23 de agosto, respectivamente. “Black Album”, o disco de maior sucesso na trajetória da banda norte-americana Metallica, lançado em 1991, abrirá a série de apresentações na Cidade das Artes no dia 21/08, quarta-feira, às 20h30. Quinto álbum de estúdio da banda, “Black Album” vendeu mais de 40 milhões de cópias ao redor do mundo, e imortalizou faixas como “The Urforgiven”, “Enter Sandman” e “Nothing Else Matters”. Como nas apresentações anteriores – todas esgotadas, no Rio e em São Paulo - o concerto apresentará o álbum na íntegra, por um conjunto de 50 músicos. O segundo concerto será “Ventura Sinfônico”, que inaugurou a série Álbuns em 2016 e realizou apresentações lotadas no Rio, Porto Alegre e São Paulo. O disco é um dos mais conceituados da banda Los Hermanos e possui hits como “Cara Estranho”, “O Vencedor”, “Último Romance”, entre outros. A apresentação acontecerá no dia 23/08, sexta-feira, também às 20h30, e contará com 40 músicos. As apresentações, que integram um grande conjunto de iniciativas da Opes para popularizar a música clássica e renovar o público do gênero, já reuniram mais de 40 mil pessoas. Modelo de gestão: A Associação Orquestra Pró Música do Rio de Janeiro, entidade que administra a orquestra, possui uma proposta administrativa inovadora, sendo a única orquestra do país gerida por seus próprios músicos. Outros apoios e patrocínios: A Petrobras Sinfônica conta ainda com os apoios culturais de: UCI, ABGC, Consulado da Argentina, Windsor Hotéis, Rádio MEC FM e JLT Brasil. Mantenedora: Petrobras Programação Black Album Felipe Prazeres, regente "Enter Sandman"  "Sad but True"  "Holier Than Thou"  "The Unforgiven"  "Wherever I May Roam"  "Don't Tread on Me"  "Through the Never"  "Nothing Else Matters"  "Of Wolf and Man"  "The God That Failed"  "My Friend of Misery"  "The Struggle Within"  Informações para a imprensa MNiemeyer Assessoria de Comunicação http://www.mniemeyer.com.br Tatiana Carvalho - tatiana@mniemeyer.com.br (21) 2178-2104 / (21) 99192-7239 Andrea Pessoa - andrea@mniemeyer.com.br (21) 2178-2112 / (21) 99802-6622  [+] saiba mais Peter Pan o Musical 20/06 a 18/08 Musical    ‘PETER PAN, O MUSICAL’    ESPETÁCULO FOI VISTO POR 160 MIL PESSOAS EM SÃO PAULO     Um dos grandes sucessos do teatro paulista em 2018, ‘Peter Pan, o Musical’ finalmente chega à Cidade das Artes. A temporada seguirá em cartaz até agosto. A fábula do menino que se recusava a crescer, criada por J. M. Berrie, é cada vez mais atual e foi vista por mais de 160 mil pessoas, em São Paulo. Esse clássico tornou-se referência na literatura, no cinema e também no teatro. A versão da Broadway de ‘Peter Pan’ finalmente ganhou uma montagem brasileira, com Mateus Ribeiro no papel título e Tuca Andrada como Capitão Gancho. O espetáculo tem direção de José Possi Neto, em uma produção da Touché Entretenimento, apresentação da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro - ISS e Bradesco Seguros, com patrocínio master do Bradesco e patrocínio Alelo, Multiplus, Drogarias Pacheco-SP, Nestlé, Apsen Farmacêutica, Premier Pet, ONS, Multiplan, BNY Mello e Outback. Para interpretar o personagem, Mateus foi selecionado através de audições, que tiveram mais de 4.000 candidatos. A escolha não poderia ter sido mais acertada: Mateus ganhou os principais prêmios de melhor ator do ano. Tuca Andrada se divide entre o Capitão Gancho e o Sr. Darling. No palco, estão também Karina Mathias (Wendy), Pedro Navarro (Smee), Giselle Lima (Sra. Darling), Carol Botelho (Tiger Lilly) e grande elenco. A direção musical é de Carlos Bauzys. ‘Peter Pan, o Musical’ foi o destaque das premiações no ano passado. Teve 10 indicações ao Prêmio Reverência (venceu melhor ensemble e Mateus Ribeiro foi eleito melhor ator), nove indicações ao Prêmio Bibi Ferreira (venceu melhor cenário, melhor figurino e melhor coreografia). O espetáculo foi eleito um dos três melhores musicais do ano, pela Folha de São Paulo, e teve 14 indicações ao Broadway World Brazil Awards 2018, além de vencer três categorias do Prêmio Destaque Imprensa Digital: Destaque Musical Estrangeiro, Destaque Ator (Mateus Ribeiro) e Destaque Coreografia (Alonso Barros). A montagem de ‘Peter Pan’ é um sonho antigo da produtora Renata Borges, que já trouxe ao país outros clássicos, como ‘Cinderella’ (de Rodgers & Hammerstein´s), ‘Sim, eu aceito’ e ‘Como eliminar seu chefe’. “Fizemos uma montagem com toda a grandiosidade que o espetáculo pede e isso só foi possível graças ao aporte da Bradesco Seguros, que é uma empresa que investe na cultura do seu povo e com a qual temos parceria há mais de dez anos." Renata complementa: “é uma versão original, feita com nosso talento. Trouxemos os técnicos de efeitos especiais e voos da Broadway. Não poderia estar mais feliz, além do imenso sucesso de público, conquistamos os principais prêmios da temporada teatral paulista”. A ficha técnica traz ainda nomes como Alonso Barros (coreografia), Thanara Schonardie (figurinos), Renato Theobaldo (cenógrafo) e Roberto Rolnik (cenógrafo assistente). A versão nacional é de Bianca Tadini e Luciano Andrey. Sobre o Peter Pan ‘Peter Pan’ chegou à Broadway em 1954, e venceu três Tony Awards, incluindo melhor ator (Cyril Ritchard, o Capitão Gancho) e atriz (Mary Martin), que interpretou Peter Pan, seguindo uma tradição de mulheres no papel-título do espetáculo. No Brasil, porém, a montagem escolheu um homem para viver Peter Pan. O musical é uma adaptação da peça de J. M. Barrie, de 1904, (que gerou também o livro ‘Peter e Wendy’). A música do original da Broadway é de Mark Charlap (com música adicional de Jule Styne) e a letra é de Carolyn Leigh (com letra adicional de Betty Comden e Adolph Green). Em 1979, houve uma remontagem na Broadway, indicada aos Tony´s de melhor atriz (Sandy Duncan) e melhor revival. Em 1990, o clássico retornou mais uma vez à Broadway, concorrendo ao Tony de melhor revival e melhor atriz, Cathy Rigby, que reassumiu o papel em uma montagem de 1998, também indicada ao Tony de melhor revival. ‘Peter Pan, o musical’ tem apoio da Verifone, Experimento (CVC), Abbraccio, Arysta, Windham, Dry Wash Lavanderia, Tomi Mobiliário Urbano e Caçula. José Possi Neto Um dos encenadores mais respeitados do país, José Possi Neto já dirigiu espetáculos como ‘3 mulheres altas’, com Beatriz Segall, Nathalia Thimberg e Marisa Orth; ‘Tartufo’, com Paulo Autran; ‘De braços abertos’, com Irene Ravache e Juca de Oliveira;  além de inúmeros musicais, como ‘New York, New York’,  com Alessandra Maestrini e ‘Mamonas’; e shows de cantores como Gal Costa, Simone e Maria Bethânia. Touché Entretenimento Tendo à frente Renata Borges, a Touché Entretenimento (antiga Fábula Entretenimento) vem se consolidando como uma das grandes produtoras de musicais do país: ‘Sim, eu aceito’ – com Diogo Vilela e Sylvia Massari; ‘Como eliminar seu chefe’, além da superprodução ‘Cinderella, o musical’, que foi visto por mais de 100 000 pessoas, entre Rio de Janeiro e São Paulo. Sobre o Bradesco Cultura Com mais de 350 projetos patrocinados anualmente, o Bradesco acredita que a cultura é um agente transformador da sociedade. O Banco apoia iniciativas que contribuem para a sustentabilidade de manifestações culturais que acontecem de norte a sul do país, reforçando o seu compromisso com a democratização da arte. Com apoio a eventos regionais, museus, feiras, exposições, centros culturais, orquestras, musicais e muitos outros, a instituição possui, ainda, uma plataforma de naming rights com o Teatro Bradesco, que conta com unidades em São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Passaram pela Temporada Cultural do Bradesco em 2017 as exposições Anita Malfatti, Antônio Gaudi, Steve Jobs, Van Gogh, Yoko Ono, e os espetáculos ‘Les Miserables’ e ‘O Homem De La Mancha’, entre outros. Circuito Cultural Bradesco Seguros Manter uma política de incentivo à cultura é compromisso permanente do Circuito Cultural Bradesco Seguros. Nos últimos anos, o Grupo Bradesco Seguros orgulha-se de ter patrocinado e apoiado projetos nas áreas de música, dança, artes plásticas, teatro, literatura e exposições, além de outras manifestações artísticas. Dentre as atrações realizadas recentemente, destacam-se os musicais “Bibi - Histórias e Canções”, “Chacrinha, O Musical”, “Elis - A Musical”, “A Família Addams”, “O Rei Leão”,  “Bem Sertanejo”, “Les Misérables”, “60 – Década de Arromba”, “Cinderella” e “Wicked”, além da “Série Dell'Arte Concertos Internacionais”, “Ballet Zorba, O Grego” e a exposição “Cavaletes de Cristal de Lina Bo Bardi no MASP”. Para conhecer o calendário 2018 dos espetáculos patrocinados e apoiados pelo Circuito Cultural Bradesco Seguros, acesse www.bradescoseguros.com.br, clique na opção “Outros Portais” e “Circuito Cultural”.     Assessoria de Imprensa: Xavante Comunicação Alan Diniz alan@xavantecomunicacao.com.br (21) 99473.6974 [+] saiba mais O Boêmio & o Rouxinol | Tributo a Dalva de Oliveira e Nelson Gonçalves 18/08 Música Celebrando o recente centenário de dois grandes ícones da música brasileira, o espetáculo "O Boêmio e o Rouxinol" - Tributo a Nelson Gonçalves e Dalva de Oliveira, tem como missão principal a preservação da memória de um período de grandes transformações na nossa cultura popular. Mais do que uma homenagem a duas das maiores vozes brasileiras do século XX, a seleção cuidadosa de belas canções, aqui interpretadas pelos cantores Loren Vandal e Rafael Siano, busca relembrar ritmos e melodias marcantes que embalaram noites boêmias no passado de nossas grandes cidades e se propagaram para o país a partir da década de 40, a saudosa Era de Ouro do Rádio. Um esforço apaixonado para reviver o clima de uma época singular da MPB, os arranjos são de Guilherme Menezesl, e apresentar composições importantes a um novo público, bem como um pouco da história dos artistas que as eternizaram. [+] saiba mais 25 anos do Festival Rio Cello 17/08 Festival Rio Cello celebra seus 25 anos e volta a ocupar os principais espaços culturais da Cidade O maior festival de violoncelos do país está completando 25 anos em 2019. Neste ano, o Rio International Cello Encounter (Rio Cello) irá homenagear os 60 anos de morte de Heitor Villa Lobos, os 50 anos de carreira da banda Led Zeppelin e os 200 anos de nascimento da pianista e compositora alemã Clara Schumann. Idealizado e capitaneado pelo violoncelista inglês David Chew, desde a sua primeira edição, em 1994, o Rio Cello traz em sua programação, além de concertos, espetáculos de dança, exposições de arte, masterclasses e workshops.  Confira a PROGRAMAÇÃO COMPLETA no site www.riocello.com.br O festival idealizado pelo violoncelista inglês David Chew acontece de 06 a 18 de agosto em vários lugares no Rio e também em Volta Redonda e Florianópolis. No dia  17 de agosto, a Cidade das Artes será um dos palcos desse grande festival recebendo para uma única e gratuita apresentação: Grupo Aggregat - Daniel Sorour _ cello electronic. André Wittmann - Sintetizador, Sequenciador Daniel Sorour - Violoncelo, Eletrônica Matho Thomsen - Bateria, Drumcomputer Soundengineer - Valentin Wirger     [+] saiba mais Quarteto Kalimera 10/08 Música Premiado como "Melhor Intérprete de Música Clássica" no Festival de Música da Rádio MEC 2018 pela gravação de "Reverenciando Radamés" de Ivan Paparguerius, o Quarteto Kalimera nasceu em 2018 da vontade de seus integrantes de pesquisar e executar obras icônicas do repertório tradicional brasileiro e universal para esta formação. Por ser uma pequena formação, o quarteto possui um imenso potencial de atingir novos públicos através de seus concertos. Eles buscam levar ao público uma nova  forma de fazer arte trazendo uma apresentação com programas de linguagem musical variada e com performances energéticas, objetivando o despertar do interesse da audiência para a imensa literatura escrita para quarteto de cordas. QUARTETO Luísa de Castro 1º Violino Tomaz Soares 2º Violino Jessé Máximo Pereira Viola Daniel Silva Violoncelo   [+] saiba mais Música para Salmos - 210 anos de Mendelssohn 04/08 Música Mendelssohn – 210 anos - Concerto com Coros de Câmara e Sinfônico da ACC Música para Salmos. Os Coros de Câmara e Sinfônico da ACC prestam homenagem aos 210 anos de Felix Mendelssohn com mais um concerto da Série da Associação de Canto Coral. No repertório, os Salmos 42 (com o Coro Sinfônico) e o 100 (com os dois coros), regidos pelo diretor musical da ACC, Jésus Figueiredo. Além do Salmo 115, interpretado pelo Coro de Câmara, sob a regência de Rafael Caldas. Os Salmos são obra representativa na produção coral sacra de Mendelssohn, onde o compositor expressa a influência de J.S. Bach. Um programa de vulto que proporciona observar a influência nacionalista de um compositor pelo viés da tradição luterana. Os solistas do concerto são: Helen Heinzle (soprano), Clayber Guimarães e Gabriel Senra (tenores), Wellington Gomes (barítono) e Kiko Albuquerque (baixo). Ao piano, André Torres. Pianista e maestro alemão, Felix Mendelssohn se tornou um dos maiores compositores de todos os tempos, autor de músicas muito conhecidas como a marcha nupcial. Aos 17 anos, compôs a Abertura para Sonho de uma Noite de Verão, baseada na peça de William Shakespeare. Outra obra importante é a Sinfonia da Reforma, em alusão à Reforma Protestante. Sua música pode ser classificada como “Romantismo Semi-Clássico”. Nascido em família judaica, em 1809, foi batizado na Igreja Luterana, onde se manteve sempre fiel. Morreu em 1847, na Alemanha, com 38 anos. Música para noivas Uma das obras mais conhecidas de Mendelssohn é, sem dúvida, a “Marcha Nupcial”, de 1842, incluída em “Sonho de uma Noite de Verão” e executada em casamentos em todo o mundo. Reforma Protestante A Quinta Sinfonia de Mendelssohn ficou conhecida como Sinfonia da Reforma, cujo tema principal é o hino “Mein fest burg”, composto pelo próprio Lutero e foi símbolo do movimento religioso. Viagens Mendelssohn fez muitas viagens que influenciaram duas das suas cinco sinfonias, a N. 3 em Lá Menor, conhecida como “Sinfonia Escocesa”, e a mais popular, a N. 4 em Lá Maior, a “Sinfonia Italiana”. Nazismo Membro de uma rica família de banqueiros e intelectuais judeus, durante o nazismo, teve suas obras banidas do repertório alemão.  O veto nazista e o preconceito de que era um artista que conseguira tudo sem esforço foram responsáveis pelo relativo esquecimento de sua obra. Cristianismo e Bach Felix se converteu ao cristianismo/luteranismo, o que aumentou seu interesse por oratórios e cantatas protestantes, em especial as de J. S. Bach. Em 1829, ressuscitou o então esquecido compositor, regendo em Berlim a Paixão Segundo São Mateus. Resgatou também músicas de Handel, Haydn e Mozart. Principais Obras Sinfonia da Reforma - Nº 5 – (1830) Abertura - Sonho de uma Noite de Verão (1816) Abertura - A Gruta de Fingal (As Hébridas), Opus 26 (1830) Sinfonia Em Lá Maior, nº 4 ( Italiana), Opus 90 (1833) Concerto para Violino nº2, Opus 64 (1844)     ​Assessoria de Comunicação: Andréa Shad Tel: 21-981879871 | 21-3486-8978 [+] saiba mais Paula da Matta | Piano 03/08 Música Pianista e Professora da Escola de Música da UFRJ, Doutora em Música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), com estágio na Université de Paris IV-Sorbonne. Estudou com Menahem Pressler na Indiana University (EUA), tendo obtido nota máxima no curso de Performer Diploma em Piano. Anteriormente, recebeu orientação do pianista Pavel Gililov, no curso de Especialização em piano na Hochschule für Musik Köln, Alemanha. Seus CDs Paula da Matta interpreta Franz Liszt e Chopin-Triumph in Vienna foram muito bem recebidos pela crítica especializada.  Este último, gravado e lançado em Viena, teve a chancela da Sociedade Internacional Chopin e apresentação do pianista Paul Badura-Skoda. A convite da mesma Sociedade, realizou um concerto comemorativo dos 250 anos de morte do compositor polonês na tradicional Festsaal, em Viena, por cujo palco passaram Schubert e Strauss. Em 2019, está lançando seu terceiro CD “Compositores da Escola de Música da UFRJ: Séculos XIX e XX”, dedicado à música brasileira, com apresentação de André Cardoso. Atualmente desenvolve intensa atividade musical, apresentando-se regularmente como solista e camerista, tendo se apresentado na Sala Cecília Meireles (Rio de Janeiro), no Centro Cultural Simon Patiño, a convite do Itamaraty, em Cochabamba, Bolívia e na Residência do Embaixador do Brasil em Viena, por ocasião dos 200 anos de nascimento de Chopin e da comemoração da data da Independência do Brasil. Foi uma das organizadoras do colóquio Le Piano Brésilien, na Sorbonne, com apresentações na Casa do Brasil, em Paris.                                        Programa do recital: L. Miguez                Noturno Op. 20 N. 1, em Sol bemol maior (1850-1902)             Valsa “Faceira” Op. 28, em Fá maior   A. Nepomuceno     Devaneio (1864-1920)             Improviso                                      F. Liszt                    Rêve d’Amour N, 3 em Lá bemol maior (1811-1886)             Rapsódia Húngara N. 13 em Lá menor   F. Chopin                Polonaise “Heroica” Op. 53 (1810-1849)   [+] saiba mais Momentos Rio | O Fio da Meada 26/07 a 28/07 Dança Momentos, é um projeto internacional de performance dança-teatro, ou seja, a performance e a expressão corporal estão em primeiro plano. O projeto de performance Momentos foi idealizado pelo diretor e produtor artístico e coreógrafo Vinicius e estreado no verão de 2011 na cidade de Viena. Com o sucesso do projeto ele foi implantado posteriormente no ano de 2013 na cidade de Innsbruck, também na Áustria, 2015 no Rio de Janeiro e 2017 Curitiba e S. José dos Pinhais, 2018 em Münster (Alemanha) e em julho de 2019 Brasília. Momentos é um projeto de dança-teatro, ou seja, um projeto de dança em que a performance e a expressão corporal, assim como todo o seu processo de acontecimentos estão em foco. O segundo foco é a forma laboratório para o conhecimento da emoção como meio de gerar movimentos individuais e a transformação dos mesmos em dança. Este projeto tem como característica uma série de peças de dança e cada uma delas lida com um certo momento da nossa sociedade no passado, no presente ou no futuro. Em cada série é dançado um tópico, coreografado e transformado num produto final deste laboratório para uma performance de palco. Por último ele é apresentado a uma plateia como uma peça de dança teatro, num teatro profissional na cidade de Viena, Innsbruck ou Rio de Janeiro, Curitiba ou S. José dos Pinhais. Momentos mantem o caráter de um "work in progress", apesar do alto nível de profissionalismo, pois as verdades da vida são momentos em eternas mudanças! Outro aspecto significativo do projeto Momentos é a cooperação com outras formas de arte: a interdisciplinaridade como uma sinergia artística. O encontro com (estudantes) músicos que enriquecem a peça de dança com suas próprias composições e participação dos mesmos nas apresentações ao vivo, assim como os estudantes de cinema, vídeo, moda e fotografia permitem uma intensa troca artística nos diferente níveis sobre o tema abordado na dança, apesar do curto espaço de tempo de produção: no Rio de Janeiro em duas semanas! O tema abordado neste ano é  „O FIO DA MEADA“. O espetáculo „O FIO DA MEADA“ nos transportará a uma viagem iniciada com a origem histórica e o significado da expressão "perder o fio da meada". Logo em seguida o fio em si e empregado como algo construtor/transformador é capaz de ser transformado em inúmeras e diferentes coisas e altamente potente/forte. De uma forma metafórica, ele pode ser como cada um de nós que quando unido pela forca, inteligência e capacidade coletiva, nos transforma em interagentes de uma malha social física, intelectual e abstrata, e ao mesmo tempo visível/palpável e transformadora.  E por último o fio da meada: enquanto conexão ou "desconexão" da malha digital, o quanto estamos cada vez mais digitalizados:  sem fios físicos porém super interligados através de fios digitais (no trabalho, lazer, na comunicação social médica etc.) Informação atualizada: www.facebook.com/momentos.riodejaneiro  Equipe Momentos Rio:  Direção artística e coreográfica Momentos (Wien, Innsbruck, Rio, Curitiba-SJP/Münster/Brasília): Vinicius Coordenação artística e coreográfica: Eduardo Ramos Coordenação geral: Samuel Barreto Coordenação Produção: Camila Christie Coordenação Figurino: Jéssica Garcez Assistência de figurino: Lectícia Barros e Bruna Pereira Cenografia: Danda Bayer & Weslley Souza Trilha sonora: Escola de Música Villa-Lobos  Design de Luz: Careca - Operação de luz: Carolina Dworschak Arte gráfica: Glauco Fonseca Informações sobre os projetos Momentos:   Áustria:  www.facebook.com/momentos.wien   www.facebook.com/momentos.innsbruck      Brasil:  www.facebook.com/momentos.curitiba   www.facebook.com/momentos.brasilia   Alemanha: www.afcebook.com/momentos.muenster www.vinicius.de  [+] saiba mais CHAMBER ORCHESTRA BRAZIL 27/07 Música Projeto musical inédito reúne renomados músicos nacionais e internacionais, atuantes nas principais orquestras brasileiras, em única apresentação na Cidade das Artes. Idealizado pelo violinista Wagner Rodrigues em parceria com a Cidade das Artes, o projeto reúne 20 músicos atuantes nas principais orquestras brasileiras onde ocupam importantes posições. Profissionais com  passagens em grandes orquestras e universidades internacionais, como: Orquestra Sinfônica de Barcelona, Staatsorchester Rheinische Philharmonie (Alemanha), Orquestra Sinfônica da Rádio Frankfurt (Alemanha), Pittsburgh Oper Ballet Theatre (Pensilvânia), Berliner Symphoniker (Alemanha), Universidade de Artes de Zurique (Suíça), Universidade North Park (Chicago), Ferenc Lizt em Budapest (Hungria), Manhattan School of Music (Nova York), Conservatoire à Rayonnement Départemental du Val de Biévre (Paris), Western Michigan University (EUA), entre outras. Essa união promove uma imersão musical onde todos compartilham suas experiências e têm participação ativa na construção das obras, alcançando um nível de criação artística extremamente detalhado e sólido, em uma atmosfera democrática. “Nós tocamos em pé e sem maestro. Isso estimula o impulso solístico dentro de cada músico, refletindo em uma execução extremamente sofisticada, vigorosa e cativante. A construção e organização do programa é baseado na estrutura de ensaios de grandes orquestras, conciliando estilo, virtuosismo, organização e performance em um projeto musical único”, conta Wagner.   PROGRAMA   Souvenir de Florence (P.Tchaikovsky) I-Allegro con spirito II-Adagio cantabile e con moto III-Allegretto moderato IV-Allegro vivace   INTERVALO   Serenade for Strings (P.Tchaikovsky) I-Pezzo in forma di sonatina: Andante non troppo — Allegro moderato II-Valse: Moderato — Tempo di valse III-Élégie: Larghetto elegiaco IV-Finale (Tema russo): Andante — Allegro con spirito   MÚSICOS - VIOLINOS ·         WAGNER RODRIGUES (Brasil) Violinista efetivo na Nordharzer Städtebund Theater (Alemanha) ·         ARA HARUTYUNYAN (Armênia) Spalla assistente na Orquestra Filarmônica de Minas Gerais ·         MATTHEW THORPE (Estados Unidos) Concertino da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP) ·         CÉSAR MIRANDA (Brasil) Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP) ·         DEBORAH SANTOS (Brasil) Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP)   - VIOLINOS II ·         ANGELO MARTINS (Brasil) Spalla na Orquestra Sinfônica do Paraná ·         SUN EUN CHO (Coreia do Sul) Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP) ·         NIKOLAI SAPOUDJIEV (Bulgária) Violinista da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) ·         ANAHIT ASATRYAN (Armênia) Convidada Regular da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais ·         NIKOLAY ILIEV ILIEV (Bulgária) Jazz Sinfônica Brasil   - VIOLAS ·         ROBERTO PAPI (Itália) Concertino da Filarmônica de Minas Gerais ·         EDERSON FERNANDES (Brasil) Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP) ·         SAMUEL PASSOS (Brasil) Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) ·         VICTOR BOTENE (Brasil) Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB)   - CELLOS ·         RAFAEL CESÁRIO (Brasil) Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo ·         MARIANA AMARAL (Brasil) Concertino do Teatro Municipal de São Paulo ·         EMÍLIA VALOVA (Bulgária) Concertino da Orquestra Sinfônica Brasileira ·         LISIANE DE LOS SANTOS (Brasil) Concertino da Orquestra Sinfônica Brasileira   - CONTRABAIXOS ·         NILSON BELOTO (Brasil) Chefe de Naipe da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais ·         WALDIR BETIPAGLIA (Brasil) Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) HISTÓRIA TCHAIKOVSKY   Piotr Ilitch Tchaikovsky- Nascido em 7 de maio de 1840 em São Petersburgo, foi um compositor romântico russo. Algumas de suas obras encontram-se entre as mais populares do repertório erudito. Este foi o primeiro compositor russo a conquistar fama internacional, tendo sido maestro convidado no final da sua carreira pelos Estados Unidos e Europa. Como exemplo pode considerar-se o concerto inaugural do Carnegie Hall de Nova Iorque, em 1891. Tchaikovsky foi honrado em 1884 com uma pensão vitalícia pelo Imperador Alexandre III. A sua vida foi preenchida por crises pessoais e depressões. Estas crises advêm do facto de a sua mãe ter falecido prematuramente e do colapso da sua relação com a viúva Nadezhda von Meck. A sua possível homossexualidade foi mantida em sigilo por anos e sua morte prematura aos 53 anos de idade é atribuída à cólera, mas especula-se um possível suicídio. Souvenir de Florence- O Sexteto de Cordas foi composto no verão de 1890. O 2º movimento (adagio) foi escrito enquanto Tchaikovsky residia em Florença - daí o título da obra. Já em São Petersburgo no mesmo ano, Tchaikovsky escreveu ao seu primo. “Vou começar imediatamente um grande trabalho novo, mas de um tipo completamente diferente; um sexteto de cordas. O trabalho foi esboçado em menos de duas semanas e totalmente marcado em mais onze dias. A composição não foi fácil para Tchaikovsky. "Estou compondo com um esforço inacreditável", escreveu para seu irmão. "Sou prejudicado não pela falta de ideias, mas pela novidade. Deve haver seis partes independentes e ao mesmo tempo homogêneas. Sinto-me constantemente como se estivesse de fato escrevendo para uma orquestra de câmera. Talvez Tchaikovsky nunca tenha realmente resolvido este problema. Os intérpretes da obra hoje ainda enfrentam as demandas conflitantes de uma abordagem orquestral ou solista, e encoraja a um estilo virtuoso que ajudou a colocar a Souvenir de Florence entre as obras mais populares no repertório de música de câmara de cordas. Melodias folclóricas dominam o terceiro e o quarto movimentos, e é a seção do fugato central do final que levou Tchaikovsky a admitir: "É terrível como estou emocionado com meu próprio trabalho ..." Serenade for Strings- Em setembro de 1880 Tchaikovsky disse: “Assim que comecei a passar alguns dias relaxando, comecei a me sentir inquieto e muito doente ... Hoje eu não aguentei mais e me ocupei um pouco com projetos para uma futura sinfonia ou quarteto de cordas”. Em seguida escreve em uma carta a Nadezhda von Meck no início de outubro de 1880, "A Serenata ... eu compus de um impulso inato; isso é algo que surge de ter liberdade para pensar, e não é desprovido de verdadeiro valor. ” Final de outubro do mesmo ano a Serenata estava pronta. Despachando a partitura para ser publicada, Tchaikovsky escreveu: "Eu escrevi uma Serenata para orquestra de cordas em quatro movimentos... amem terrivelmente esta Serenata, e fervorosamente espero que ela possa logo ver a luz do dia”. A primeira apresentação pública da Serenata para Orquestra de Cordas foi em São Petersburgo, em outubro de 1881, conduzido por Eduard Nápravník. Em Moscou, foi realizado pela primeira vez em janeiro de 1882, no sétimo concerto da Sociedade Musical Russa. [+] saiba mais Concertos de Inverno edição #camarapop | Daniel Boaventura 24/07 Música Orquestra Petrobras Sinfônica recebe Daniel Boaventura no encerramento da série ‘Concertos de Inverno’   Em parceria com a JBFM, o projeto acontece na Cidade das Artes   Buscando sempre inovar e atrair diferentes públicos para as salas de concerto, a Orquestra Petrobras Sinfônica, em parceria com a JB FM, encerra a primeira edição da série ‘Concertos de Inverno’ no próximo dia 24 de julho, com o cantor e ator Daniel Boaventura. A apresentação acontece às 20:30h, na Sala de Câmara da Cidade das Artes.   Com três álbuns de estúdio e dois CDs/DVDs ao vivo, Daniel Boaventura é conhecido por dar uma nova roupagem a clássicos da música nacional e internacional. Na apresentação com o grupo de câmara da OPES, o cantor interpretará canções como “Love me tender” (Elvis Presley), “The lady is a tramp” (Frank Sinatra), “Your song” (Elton John), e outros hits românticos eternizados nas vozes de Roberto Carlos, como “Como vai você”, “Olha” e “Como é grande o meu amor por você”.   Sobre a Orquestra Petrobras Sinfônica Aos 47 anos, a Orquestra Petrobras Sinfônica se consolida como uma das mais conceituadas do país e ocupa lugar de prestígio entre os maiores conjuntos musicais da América Latina. Criada pelo maestro Armando Prazeres, a orquestra é formada por mais de 80 instrumentistas e tem como diretor artístico e regente titular o maestro Isaac Karabtchevsky, nome mais respeitado no Brasil e consagrado internacionalmente.   Modelo de gestão: A Associação Orquestra Pró Música do Rio de Janeiro, entidade que administra o conjunto, apresenta uma proposta administrativa inovadora, sendo a única orquestra do país gerida por seus próprios músicos.      Sobre a PETROBRAS: A Petrobras completa 33 anos de patrocínio da Orquestra Petrobras Sinfônica em 2018. Através do Petrobras Cultural, a companhia busca contribuir para o fortalecimento das oportunidades de criação, produção, difusão e fruição da cultura brasileira, para a ampliação do acesso dos cidadãos aos bens culturais e formação de novas plateias. A parceria é essencial para manter a Orquestra Petrobras Sinfônica entre os principais conjuntos da América Latina, sempre desenvolvendo um importante trabalho de democratização da música clássica e de renovação do público do gênero.     Informações para a imprensa MNiemeyer Assessoria de Comunicação http://www.mniemeyer.com.br Marina Avellar – marina@mniemyer.com.br (21) 2178-2599 / (21) 98229-8542 Andrea Pessôa - andrea@mniemeyer.com.br (21) 2178-2112/ 99155-1222     [+] saiba mais Fado Rio-Lisboa 21/07 Música Rio-Lisboa, Fado Formado por amigos que possuem gosto musical em comum, o Rio-Lisboa, é um grupo de fado com instrumentação diferenciada, Bandolim, Piano e Violoncelo, que acompanham a cantora de belo timbre e extensão de soprano, Fabiana Cruz. O grupo existe há dois anos e realiza eventos em todo estado do Rio de Janeiro, deixando a marca da saudade e da esperança, temática central do fado que até hoje tem em sua origem um mistério.   Sinopse do show Neste concerto, o grupo Rio-Lisboa traz ao palco do Teatro de Câmara da Cidade das Artes os mais famosos e tradicionais fados portugueses como Ai, Mouraria, Fado Português, Vielas de Alfama, Canção do Mar, na voz cristalina de Fabiana Cruz acompanhada pelos excelentes músicos, Tiago do Bandolim, Diogo Moura e Evandro Rodriguese.  Venha se emocionar nesta verdadeira viagem além-mar.   Fabiana Cruz, Cantora Teve suas primeiras experiências com a música popular e erudita ainda na infância. Iniciou seus estudos de canto lírico com o contra tenor Fernando Portugal na Escola de Música Vila Lobos. Foi integrante do Coro Sinfônico do Rio de Janeiro, tendo participado de projetos e concertos junto à OSB. Participou das óperas realizadas pela OSB – ópera e repertório. A paixão pelo fado português surgiu ainda na infância devido ao contato com a comunidade portuguesa da cidade de Cabo Frio – RJ, onde ocorre a festa portuguesa anualmente, tendo se tornado admiradora dos fadistas da antiga e da nova geração. Por esta razão, mantém o fado junto à prática do canto lírico. É integrante da Cia. Ópera Imperial e cursa Licenciatura em música no Conservatório Brasileiro de Música.   Tiago do Bandolim, Bandolim Filho do Ronaldo do Bandolim, um ícone do bandolim brasileiro, Tiago faz parte de uma safra de músicos formada na Lapa dos anos 2000, misturando, em sua formação, o choro tradicional e outras influências, como baião, samba, tango e jazz, criando, assim, um estilo próprio de interpretação e improvisação.  Formado pelo CBM do Rio de Janeiro, já se apresentou no Teatro Clara Nunes, Teatro Municipal de Niterói, TMRJ e casas de renome como Carioca da Gema, Rio Scenarium e Centro Cultural Carioca, ao lado de ícones da música instrumental brasileira como Silvério Pontes, Zé da Velha, Dirceu Leite, Yamandu Costa, Marcel Powell, Nilze Carvalho, entre outros. Integrou o grupo de samba e choro Unha de Gato e o conjunto de Choro Regional Carioca, sob a direção musical de Maurício Carrilho. Lançou, no ano de 2005, o CD "Cadência", do seu grupo Regional Carioca, com direção musical de Maurício Carrilho, e, em 2008, o CD "Festa pro Povo", com o grupo de samba Unha de Gato, participando de uma turnê internacional pela Europa, estando na Polônia e Dinamarca.  Em 2017, após 15 anos de carreira, o músico gravou "De Soslaio", seu primeiro álbum solo interpretando choros modernos de autores contemporâneos. O CD conta com participações especiais de renomados instrumentistas com quem Tiago tem grande amizade, como o violonista Yamandú Costa, o violinista francês Nikolas Krassick, Ronaldo do Bandolim, o acordeonista gaúcho Bebê Krammer, além de talentos da nova geração, como Dudu Oliveira e Aquiles Moraes.   Diogo Moura, Violoncelo Bacharel em violoncelo pela UFRJ, obteve tutoria dos mestres, Iura Ranevsky e Marcos Ribeiro. Iniciou seus estudos aos 15 anos de idade com Gretel Pagannini, recebeu depois orientações de David Chew, Ronildo Candido Alves, este último, por 5 anos. Atuou como chefe de naipe na Orquestra Sinfônica Aprendiz, paralelamente participando de festivais como o de Juiz de Fora, Oficina de Música Cinves, e Oficina de Música de Curitiba, tendo a oportunidade de estudar com mestres como Claudio Urgel, Paulo Rabello, Ashely Sandor Sidon, Alceu Reis, Tomasz Zieba, Anne Francis Bayless. É violoncelista convidado para integrar o naipe de seu instrumento em orquestras como OSB Jovem, ORSEM, OSN – UFF, Atlantis Opera Orchestra, Imperial Filarmônica do Brasil, Sapucaia Ensemble, entre outras. No exterior teve a oportunidade de estudar no Valdres Summer Music Festival, Noruega, participando de MasterClass da Oslo Camerata, com os violinistas Stephan Barret-Due, Camilla Kjoll e os violoncelistas Ole Eirik Ree, Tiril Dorun Bengtsson, Jonhanes Martens entre outros. Durante sua trajetória acadêmica e musical teve o privilégio de ser regido por renomados maestros nacionais e internacionais como: André Cardos, Ernani Aguar, Helter Trefzeger, Paolo Ponziano Ciarde, Evandro Rodriguese, Roberto Minczuk, Marcos Arakaki, Antônio Henrique Seixas, Guilhermo Scarabino, Claudio Cruz, Roberto Duarte, Daniel Guedes.   Evandro Rodriguese, Piano Formado em Regência Orquestral pela Faculdade Santa Marcelina, SP e ACO Conducting Academy, Portugal, além dos cursos superiores, estudou com grandes nomes do pódio como Colin Metters, Isaac Karabtchevsky, Luis M. Clemente, Roberto Tibiriçá, Ricardo Rocha, Emiliano Patarra, entre outros. É maestro da Orquestra Sinfônica Aprendiz, e de seus projetos pessoais como a Atlantis Opera Orchestra, Sapucaia Ensemble e Imperial Filarmônica do Brasil, tendo a oportunidade de dirigir em importantes teatros e salas de espetáculos como, Cidade das Artes, TMRJ, Teatro Santa Isabel, Teatro Guaíra, entre outros. Como maestro convidado, esteve à frente de grupos como a Orquestra Nacional de Sopros (PT), Orquestra da Costa Atlântica (PT), Orquestra Sinfônica de Barra Mansa, Orquestra Sinfônica Heliópolis, Orquestra Bachiana Jovem, Orquestra de Câmara L’estro Armonico, entre outras. Atuante no meio carioca, já trabalhou ao lado de artistas da música popular como Don Betto, Fernanda Abreu e Silvério Pontes. Durante seus estudos em Portugal, paralelamente ao curso de regência orquestral, pesquisou sobre o Fado, o que lhe despertou grande paixão pelo popular estilo musical das terras de Camões. Como empresário, é sócio proprietário da Kether Arts, produtora cultural. [+] saiba mais Quinteto Lorenzo Fernandez 20/07 Música Quinteto Lorenzo Fernandez Fruto do encontro entre talentosos músicos, atuantes no cenário da música de concerto da cidade do Rio de Janeiro, o grupo que nasceu como resultado do trabalho desenvolvido no Quinteto Experimental de Sopros da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), sob orientação do Prof. Aloysio Fagerlande, nos anos de 2009 e 2010 é o retrato da nova geração da música de concerto brasileira.   Sempre com humor e virtuosismo, o grupo formado em 2011 tem como principal missão apresentar música contemporânea para quinteto de sopros, de jovens compositores e dos grandes mestres nacionais e internacionais, celebrando assim, carioquices de todos os tempos, dos mais jovens, como Azael Neto e Rodrigo Marconi, que compuseram peças especialmente para o grupo, à tradição de Lorenzo Fernandez, patrono do quinteto. Com Rômulo Barbosa (flauta); Juliana Bravim (oboé); Cesar Bonan (clarineta); Alessandro Jeremias (trompa) e Jeferson Souza (fagote), o quinteto de sopros já acumula prêmios importantes, como o Festival de Música Rádios MEC e Nacional (2016), como "Melhor Intérprete Música Instrumental", com a música Maxixando na Pracinha, de Isaías Ferreira; Grupo Revelação Rádio MEC FM Sala de Concerto de Gala (2013), em homenagem aos 30 anos da Rádio MEC-FM e também em comemoração aos 90 anos do Rádio no Brasil; segundo lugar no II Concurso de Música de Câmara do V Furnas Geração Musical e 50° Festival Villa-Lobos, ambos em 2012, além de ser, entre 2014 e 2015, Grupo Residente da Academia Brasileira de Música. Há, ainda, no currículo do grupo, um CD lançado em 2015 intitulado “Música Carioca de Concerto – Quintetos de Sopros”, que reúne obras de compositores do circuito erudito da cidade, como Ricardo Tacuchian, Thiago Sias, Rudi Garrido, Azael Neto, Rodrigo Marconi e Sergio Roberto de Oliveira, que também assinou a produção do disco, além da participação nos mais importantes e diversos eventos do cenário da música erudita, como: II e III Festivais Brasil-Alemanha da UFRJ, UNIRIO e Escola Superior de Música de Karlsruhe (Alemanha), Série Talentos UFRJ, Homenagem ao compositor Raphael Batista, 48º Festival Villa-Lobos, Seminário “A atualidade da obra de Auguste- Maria Glaziou”, I e II Festival Internacional de Instrumentos de Sopro da série “Música no Museu”, Congressos do Instituto Nacional de Tecnologia. Desde 2011, o quinteto realizou concertos em importantes salas e espaços culturais, como a Sala de Música de Câmara da Cidade das Artes, Sala Guiomar Novaes, Teatro Municipal de Niterói, Sala Baden Powell, Salão Leopoldo Miguez, Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, Museu Villa-Lobos, Sala Villa-Lobos da UNIRIO. O leque de apresentações do QLF também inclui locais pouco comuns, como a Estação das Barcas em Niterói e os jardins do Museu da República, no bairro do Catete, Zona Sul do Rio, atingindo assim os mais diversos públicos.   PROGRAMA Jocosa - Maria di Cavalcanti Quinteto - Ricardo Tacuchian (homenagem pelos 80 anos) Variações - Acácio Piedade Variações sobre "Coração Santo" - Roberto Macedo Suíte para Quinteto de Sopros - Oscar Lorenzo Fernandez   [+] saiba mais PianOrquestra | Timeline 12/07 e 13/07 Música O PianOrquestra se destaca pela originalidade e qualidade com um trabalho que envolve quatro pianistas, uma percussionista e um piano preparado. Com luvas, baquetas, palhetas de violão, fios de náilon, sandálias de borracha, peças de metal, madeira, tecido e plástico, o PianOrquestra explora as infinitas possibilidades de timbres e sonoridades produzidos pelo piano, transformando o instrumento em sua própria orquestra. Considerado um dos “10 melhores concertos do ano” pelo Jornal O Globo; em 2016, recebeu a maior pontuação das 3 Américas para participar do showcase Classical Next, na Holanda. Vem realizando temporadas com casa esgotada nas principais capitais do Brasil e do mundo. Com o novo espetáculo intitulado “Timeline”, o PianOrquestra traz para o palco um espetáculo que transcende o tempo. Tira-nos do aqui e agora e leva-nos à uma incrível viagem pelo tempo através da música. O grupo aborda o “Tempo” de maneira lúdica, explorando um conceito do tempo fluido ao redor da força gravitacional do piano, utilizando tecnologia e multilinguagens, integradas à performance de alta virtuosidade. Ondas e linhas são representadas através de projeções, de elásticos e fios trançados que fazem a conexão entre o piano e os músicos, transportando o público em uma viagem temporal cheia de surpresas artísticas e musicais entre as obras de compositores brasileiros como Pixinguinha, Claudio Santoro, Milton Nascimento, Toninho Horta, Villa-Lobos, passando por Arvo Pärt, chegando a cena pop contemporânea mundial com Beatles e Michael Jackson. Realização: Gaia Produções Artística e Culturais. Patrocínio Cultural: Furnas S/A. [+] saiba mais Festa Julina do Retiro dos Artistas 05/07 a 07/07 Festival FESTA JULINA DO RETIRO DOS ARTISTAS 2019   A Cidade das Artes se prepara para receber, pela primeira vez, a tradicional Festa Julina do Retiro Dos Artistas. Serão três dias especiais, com a participação de grandes nomes da nossa música popular brasileira. A festa é a maior fonte de renda da instituição, e o lucro obtido ajuda nos custos de manutenção por pelo menos quatro meses, uma vez que o Retiro vive apenas de doações.   O evento acontece nos dias 05, 06 e 07 de julho, das 16h à 2h. Valor do Ingresso: R$ 40 (inteira) R$ 20 (meia)   OBS: Compre seu ingresso no valor de meia-entrada levando um litro de leite ou apresentando o seu RIOCARD no dia do evento. Crianças com até 06 anos não pagam. Os ingressos já estão à venda no site www.pdvdigital.com.br e na bilheteria do Retiro dos Artistas (Rua Retiro dos Artistas, 571 / Tel.: 3327-4591 / 2516-8383)     História do Retiro dos Artistas   Oficialmente fundado em 13 de agosto de 1918, no teatro Trianon, por 68 profissionais, o grupo se reuniu pela primeira vez, para eleger a sua diretoria, em 19 de agosto de 1918, com a presença de 133 artistas, no velho Cine Teatro Pathé.   Como homenagem ao ator João Caetano, a data oficial da fundação passou a ser dia 24 de agosto de 1918. E, a partir daí, sua data de aniversário de morte passou a ser comemorada como DIA DO ARTISTA.   Com o passar do tempo e devido a alguns acontecimentos, a Casa dos Artistas se resumiu ao trabalho assistencial do Retiro. Vivendo de doações e campanhas, a "nova instituição" tratou de investir na qualidade de atendimento, visto que, o número de profissionais da área artística aumentava cada vez mais.   Nesses 100 anos de existência a CASA DOS ARTISTAS escreveu uma rica história artística, social e assistencial, tendo permanecido até os dias de hoje como uma instituição de caráter único em nosso país.   Hoje, abrigamos 52 artistas idosos de todas as áreas: cinema, teatro, TV, músicos, jornalistas e técnicos em geral. A todos são oferecidos: assistência médica, medicamentos, cinco refeições por dia, fisioterapia, psicólogo, massoterapia, projetos sociais com desenvolvimentos de trabalhos manuais e cognitivos, horta terapia, yoga, programação em teatro e cinema, e o principal: DIGNIDADE E AMOR.   [+] saiba mais Junta Local 29/06 a 30/06 Feira JUNTA LOCAL   A Junta Local está de volta à Barra da Tijuca para promover o seu primeiro Festival de Inverno, trazendo uma curadoria especial voltada para a estação, com muito queijo, vinho, chocolate, café, e também música. Como todas as feiras da Junta Local, há uma enorme variedade de produtos, tanto para se fazer a feira, como para se beber e beber na hora, sempre com muita troca e relação direta com os pequenos produtores que fazem parte do coletivo.   O lado musical do festival trará artistas com uma proposta musical intimista, mas calorosa, e terá curadoria do coletivo de DJs residentes: o Juntos com Certeza e o Leão Etíope do Méier.   A feira acontecerá nos dias 29 e 30 de junho, das 12h às 20h, com mais de 50 barracas ocupando a praça da Cidade das Artes.   Convidamos a todos a trazerem suas toalhas e cestas de piquenique (e quem sabe cobertores) para se esparramar pelo evento e pelo extenso gramado.   As feiras da Junta Local são uma oportunidade única para comer bem e conhecer os produtores que fazem parte da plataforma de aproximação e mudança do sistema alimentar proposta pelo projeto, originado em agosto de 2014 em Botafogo.   PROGRAMAÇÃO MUSICAL: A música é ingrediente essencial na Junta Local. Nossas ocupações urbanas se dão com comida, mas também com harmonia e ritmo. A receita para aproximar as pessoas da música boa é parecida com a da comida: união, colaboração, energia boa e diversidade. Além do Juntos com Certeza, nossas feiras já foram palco para muitos outros DJs e artistas da cidade. No I Festival de Inverno da Junta Local, na Cidade das Artes, nossa proposta ganha corpo, nosso som se amplifica e compartilha as atenções com a comida. Com apoio de Pedro Rajão do Leão Etíope do Méier, preparamos um baita line-up musical para ajudar a aquecer ainda mais a nossa feira. Tem música clássica, jazz, forró, carimbó, samba, soul e muito mais, para apreciar e balançar. Para manter nossa proposta de independência, os artistas convidados pela Junta Local contarão com a contribuição do público via uma vaquinha online: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/608115   LINE-UP: Sábado 13h - No Batuque dos Ajuntados: roda de músicos comandada pelo percussionista João Hermeto e convidados Gabriel Improta (violão) e Almir Cortez (bandolim). 15h30 - TranseAmazonico 17h30 - Cordel Negro Domingo 13h - Camerata Laranjeiras 15h30 - Jonathan Ferr Project Participação Lóssio 17h30 - Folakemi Duo   PROGRAMAÇÃO GASTRONÔMICA A Junta Local promoverá no sábado um bate-papo sobre a produção artesanal de chocolates, e no domingo sobre vinho nacional, com a presença de produtores e especialistas. Os encontros acontecerão no palco principal, às 14h.   ENTRADA LIVRE E GRATUITA. ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO SÃO BEM-VINDOS. [+] saiba mais Concertos de Inverno edição #camarapop | Paulinho Moska 26/06 Música Orquestra Petrobras Sinfônica convida Paulinho Moska para a série ‘Concertos de Inverno’   Em parceria com a JBFM, apresentação acontece na Cidade das Artes   Buscando sempre inovar e atrair diferentes públicos para as salas de concerto, a Orquestra Petrobras Sinfônica, em parceria com a JB FM, recebe em junho, pela série ‘Concertos de Inverno’, o cantor e compositor carioca Paulinho Moska. A apresentação acontece no dia 26/06, às 20:30h, no Teatro de Câmara da Cidade das Artes.   No encontro inédito, o artista e o grupo de câmara da OPES, formado por 10 músicos, interpretarão sucessos como “O último dia”, “A seta e o alvo”, “Pensando em você” e “Tudo novo de novo”, todos temas em novelas e séries de TV. Também integram o programa músicas que fazem parte da trajetória do cantor, como “Um móbile no furacão”, “Admito que perdi” e “A idade do céu”. Moska possui 17 álbuns, sendo dez de estúdio, três ao vivo, uma coletânea e três do programa Zoombibo (apresentado por ele no Canal Brasil).   A série ‘Concertos de Inverno’ encerra no dia 24/07, com uma apresentação com a participação de Daniel Boaventura.   Sobre a Orquestra Petrobras Sinfônica Aos 47 anos, a Orquestra Petrobras Sinfônica se consolida como uma das mais conceituadas do país e ocupa lugar de prestígio entre os maiores conjuntos musicais da América Latina. Criada pelo maestro Armando Prazeres, a orquestra é formada por mais de 80 instrumentistas e tem como diretor artístico e regente titular o maestro Isaac Karabtchevsky, nome mais respeitado no Brasil e consagrado internacionalmente.   Modelo de gestão: A Associação Orquestra Pró Música do Rio de Janeiro, entidade que administra o conjunto, apresenta uma proposta administrativa inovadora, sendo a única orquestra do país gerida por seus próprios músicos.      Sobre a PETROBRAS: A Petrobras completa 33 anos de patrocínio da Orquestra Petrobras Sinfônica em 2018. Através do Petrobras Cultural, a companhia busca contribuir para o fortalecimento das oportunidades de criação, produção, difusão e fruição da cultura brasileira, para a ampliação do acesso dos cidadãos aos bens culturais e formação de novas plateias. A parceria é essencial para manter a Orquestra Petrobras Sinfônica entre os principais conjuntos da América Latina, sempre desenvolvendo um importante trabalho de democratização da música clássica e de renovação do público do gênero.     Informações para a imprensa MNiemeyer Assessoria de Comunicação http://www.mniemeyer.com.br Marina Avellar – marina@mniemyer.com.br (21) 2178-2599 / (21) 98229-8542 Andrea Pessôa - andrea@mniemeyer.com.br (21) 2178-2112/ 99155-1222 [+] saiba mais