Fundação Cidade das Artes

Memória

Memória

A Fundação Cidade das Artes é um espaço concebido para abrigar múltiplas atividades artísticas, como exposições, apresentações de dança, teatro e música. Este complexo cultural também é utilizado para palestras, oficinas, congressos, conversas com autores, lançamentos de livros e outras atividades de formação cultural e artística.

Eventos Passados

Orquestra Sinfônica Brasileira - Série Sinfônica Brasileira 02/07 a 03/07 Música Ministério do Turismo e Instituto Cultural Vale apresentam: Entusiasmo, vigor e pluralidade caracterizam o eclético repertório que a OSB levará ao palco do Teatro de Câmara, na Cidade das Artes, dias 2 e 3 de julho. Sob regência do maestro e violinista Daniel Guedes (que também se apresentará como solista), o grupo interpretará obras César Guerra-Peixe, Radamés Gnattali e Ludwig van Beethoven. Kleber Vogel (bandolim), Rogério Caetano (violão) e Ana Rabello (cavaquinho) completam o time de solistas do programa. No domingo, a apresentação será no formato Concertos para a Juventude – récitas matinais de caráter didático, com ingressos a preços populares. Partindo de uma peça inspirada pela música tradicional nordestina, passando pelo choro carioca e chegando ao universo da música alemã, o espetáculo explora diversas possibilidades sinfônicas, em um repertório que vai do popular ao clássico. A obra que inicia o programa é o Concertino para Violino e Orquestra de Câmara, de César Guerra-Peixe. Escrita entre os anos de 1970 e 1972, a peça foi uma encomenda do Movimento Armorial e revela toda a maestria com que o compositor combinava o riquíssimo folclore nordestino com técnicas e elementos da música de concerto. Suas pesquisas de campo pelo Nordeste do Brasil estão claramente refletidas na peça: nela o violino por vezes soa como uma rabeca, apoiado pela pequena orquestra. São três os movimentos dessa pequena obra-prima: um incisivo "Allegro comodo"; um fantástico "Andantino" com uma longa introdução a cappella; e um finale empolgante, "Allegro un poco vivo". Nesta execução, Daniel Guedes, se dividirá entre a regência e violino, atuando como solista. A Suíte Retratos – segunda obra do programa – figura entre as mais emblemáticas composições de Radamés Gnattali. Nos quatro movimentos, ele utiliza uma rica paleta sonora para pintar musicalmente a imagem de mestres da música brasileira, incorporando elementos estilísticos e mesmo trechos de obras dos artistas homenageados. Para o movimento "Pixinguinha", o compositor retomou os choros "Carinhoso" e "Ingênuo"; em "Ernesto Nazareth" ele utilizou a valsa "Expansiva"; no movimento dedicado a Anacleto de Medeiros, Gnatalli escolheu o tema do choro “Três Estrelinhas”; já no último, dedicado a Chiquinha Gonzaga, o compositor optou pelo icônico "Corta-Jaca". Todo esse rico material é trabalhado de forma inspirada, resultando em uma composição marcante, na qual música popular e música de concerto se amalgamam em uma verdadeira apoteose do choro. O violinista da OSB, Kleber Vogel, que nesta peça assume o bandolim, o violonista Rogério Caetano e a cavaquinista Ana Rabello são os solistas. A última obra do programa também surgiu como uma homenagem, mas o compositor, após um episódio de total desencantamento, decidiu remover a dedicatória. Ludwig van Beethoven tinha ninguém menos do que Napoleão Bonaparte em mente quando compôs a sua colossal 3ª Sinfonia. No entanto, ao saber que suposto herói da liberdade havia se proclamado imperador, o mestre alemão rasgou furiosamente a página da partitura que trazia o nome do governante. A Sinfonia grande Intitolata Bonaparte ganhou então o nome de Sinfonia Eroica, que conhecemos hoje. A obra é um marco da segunda fase de Beethoven, sobretudo pela sua proporção e pela sua complexidade. O movimento inicial é um "Allegro con brio" exclamativo, permeado de clímaxes. No lugar do tradicional movimento lento, o compositor insere uma "Marcha Fúnebre" de grande força dramática. Um "Scherzo" cheio de dinamismo funciona como terceiro movimento, e a sinfonia acaba com um finale triunfante constituído por uma série de variações. Criados em 1943, os Concertos para Juventude têm como fundamento promover uma aproximação entre o público e a música de concerto. Para isso, a série é composta por apresentações didáticas que contam sempre com um mestre de cerimônias para guiar o público. A performance musical é intercalada com informações sobre as obras apresentadas e seus compositores, além de curiosidades sobre o funcionamento de uma orquestra sinfônica e seus instrumentos. A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA: Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 81 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura. Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, tem o Instituto Cultural Vale como mantenedor e a NTS - Nova Transportadora do Sudeste, como patrocinadora master e a Brookfield como patrocinadora, além de um conjunto de copatrocinadores e apoiadores culturais e institucionais. [+] saiba mais Cine Arte | Pedro Almodóvar 30/03 a 29/06 Arte e Conhecimento Almodóvar, um dos maiores, se não o maior cineasta espanhol, será o objeto de discussão desse ciclo de encontros do Cine Artes. Com uma filmografia única e marcada por sua estética própria com cores fortes e personagens que beiram o surreal, o cineasta que já passou por indicações e prêmios internacionais, investe na presença feminina, explora as fronteiras da sexualidade e cria um universo autoral repleto de paixões. Vamos começar com seu mais novo lançamento, Mães Paralelas e seguiremos apresentando o autor por mais quatro obras, Carne Trêmula, Volver, Fale com ela e A pele que habito. Para quem já é amante de Almodóvar é uma ótima oportunidade para debater sobre sua obra, para quem está conhecendo será um momento para mergulhar um pouco mais em seu universo dramático. [+] saiba mais Afonso Padilha | Stand up Comedy 25/06 a 26/06 Teatro O SHOW Afonso Padilha, comediante, humorista, roteirista, escritor e pagodeiro. Já participou de vários festivais de humor e é integrante do grupo 4 AMIGOS. Volta a rodas o Brasil, agora em seu sexto Solo, nele fala sobre as diferenças, conflitos e comparações entre as idades e gerações, sempre voltado a suas experiências pessoais. SOBRE O AFONSO O curitibano Afonso Padilha começou no stand up comedy no fim do ano de 2009 fazendo open mics (espaço aberto para novos comediantes). Em 2011 entrou como convidado fixo o grupo Santa Comédia (primeiro grupo de stand up do sul do Brasil formado por Léo Lins, Fabio Lins e Marco Zenni) e começou a viajar pelo Brasil participando dos melhores shows do circuito. Participou dos maiores festivais de comédia do país: risológico, risorama, risadaria e virada cultural paulista – palco stand up. Foi considerado um dos humoristas revelações em 2012, sendo citado por Danilo Gentili. Passou também pelo programa Tudo é Possível, da Ana Hickman, como quinto elemento e posteriormente como jurado no concurso de comédia. Participou ainda do programa Agora é Tarde, do Danilo Gentili. Afonso também já foi roteirista do Porta dos Fundos e Comedy Central. Como autor, tem 3 peças escritas, duas encenadas: “Eu te odeio, meu amor” e “Até que o casamento nos separe”, ambas feitas no festival de teatro de 2012. A peça “Até que o casamento nos separe” continua em cartaz e está rodando o brasil com atuações de Marco Zenni e Lilian Marchiori. Atualmente está rodando com seu novo solo, seguindo todos o protocolos de saúde e decretos para os cuidados da covid, onde fala das diferenças, conflitos e comparações das diferenças de idades e com o grupo 4 Amigos do qual é integrante junto com Thiago Ventura, Dihh Lopes e Marcio Donato. Além de comediante e humorista, também está tentando a carreira como escritor, com três livros escritos, sendo um infantil, PAPAI, CADÊ O VOVÔ? (sobre o abandono paterno); o e-book NÃO TA COMPENSANDO FICAR ISOLADO (crônicas /cenas com pano de fundo a pandemia ) e O EVANGELHO SEGUNDO UM HUMORISTA (crônicas /cenas baseadas no velho e novo testamento). Acesso de crianças e adolescentes: desacompanhados dos pais ou responsáveis legais somente maiores de 18 anos. Alvará de Disciplinamento da 1ª Vara da Infância e da Juventude com outra indicação será divulgado na data do recebimento [+] saiba mais Projeto Interlocuções I Psicanálise e literatura 24/06 Arte e Conhecimento Tema do dia 10/06 e 24/06 Conversas sobre o gesto Convidada: Márcia Milhazes Um valioso encontro de Conversas sobre o universo vocabular da linguagem artística da coreógrafa Marcia Milhazes com sua Companhia de Dança e a Arte. Conversas que abordam os processos de criação realizados durante a pandemia no doloroso confinamento vivido. A mostra de dos vídeos dança PÁSSAROS e SONHO de PRIMAVERA ,que vem sendo premiados nos mais importantes Festivais de cinema  internacionais  e nacionais POOL - INTERNATIONALES TanzFilm Festival Berlin, Germany - Júri oficial  (2020)- London International ScreenDance Festival - 2021 UK dentre outros vem tratar das vivências com a cultura virtual.  A obra coreográfica PAZ e AMOR, premiada no APCA - Associação Paulista dos Críticos de Arte SP(2020), Qualicult  2021 dentre outros, e a preparação de uma nova produção que celebra a Semana de Arte Moderna de 1922 , no final do ano, no  Theatro Municipal do Rio de Janeiro trazem importantes registros do fazer coreográfico que envolvem vários meios artísticos e suas problemáticas de ideias. Conversas como laços humanos, onde a Arte que trata do real, cria interfaces e se torna um local importante e transformador de desejos, interesses, práticas, escolhas e sensibilidade. 1) PÁSSAROS Sinopse: O mundo se confronta com um confinamento doloroso, onde nos escondemos do invisível. Desejo celebrar um outro invisível, que flutua no mundo veloz e agressivo. O amor. Escrevo cartas de amor em forma de gestos, onde o invisível habita, exprime sentimentos, tornando o universo virtual um potente parceiro para acessar a sensível. Cenas de um homem, uma mulher, que carregam em seus corpos a solidão, vestígios de sonhos na busca pela possibilidade do reencontro. Reúno imagens afetivas que refletem detalhes de obras de minha irmã, a artista visual Beatriz Milhazes, da mata atlântica de minha cidade do Rio de Janeiro, de núcleos fotográficos de gestos e vídeos registrados pelos celulares dos próprios intérpretes em confinamento. Juntos, tecem uma narrativa sutil que cruza objetos desconhecidos, reflexos da minha voz. Uma experiência estética que transforma o espaço virtual em território universal onde a transcendência poética permite contemplar uma zona não verbal. O visível e o invisível invadem, preenchem, visitam a alma como um cometa de esperança no outro. A vida retorna. Vídeo: https://drive.google.com/drive/folders/1dMmkWRZFDln_MOwmcfuVlVOmreHNh syw?usp=sharing Ficha Técnica do vídeo: Direção Artística / Coreografia / Concepção - Marcia MILHAZES Intérpretes - Ana Amélia VIANNA e Domenico SALVATORE Edição de Vídeo - Domenico SALVATORE Imagens - Detalhes de Obras da Artista Visual Beatriz MILHAZES: HAVANA e A MOSCA Fotos - Ana Clara MIRANDA 1a Cena / take das mãos - John C.M. Colagem da Trilha Sonora - Marcia MILHAZES Música - Montana CELLIST 2) SONHO DE PRIMAVERA O mundo contemporâneo confronta o invisível que fragiliza a alma pela possibilidade da perda.  SONHO DE PRIMAVERA deseja tocar em outro invisível que celebre a vida, o SONHO. Fantasia interior, formas invisíveis, vivas, onde a distância imprecisa procura ouvir os afetos, tocá-los, torná-los valiosos, visíveis no outro e nas coisas. Sonhos como ventos, como estações, que sopram liberdade e nos motivam a desenharmos pontes de desejos, movimentos de esperança dentro e fora de nós. Sermos sonhos. A concepção, construção, gravação e edição deste vídeo foram realizadas seguindo o isolamento social. As imagens coreográficas foram registradas pelos celulares dos intérpretes, nos seus ambientes, minuciosamente dirigidas e concebidas à distância. As imagens da natureza e a mídia utilizada foram retiradas de bancos sem direitos autorais. A renomada e internacional artista plástica BEATRIZ MILHAZES, gentilmente cedeu as imagens de suas obras.  Vídeo: https://drive.google.com/drive/folders/1jlMNmxopj_4su-F-xu5IFuNmeZmYq0z- ?usp=sharing FICHA TÉCNICA do vídeo Direção Artística, concepção e coreografia - Marcia MILHAZES Intérpretes - Ana Amélia VIANNA, Domenico SALVATORE Edição do vídeo - Marcia MILHAZES, Domenico SALVATORE Beatriz MILHAZES´ works details Avenida Paulista, 2020 - Masp´s Collection, Artist´s Donation -Havana, 2003-4 -Mosca - 2010-12 -Casa de Baile -2009 - sketch / installation -Bailinho, 2007-8 - sketch / installation Cinematografia - gestos detalhes - Rodrigo MONTEIRO (03'23" to 04'06") and Avenida Paulista Footage Fotografia - Ana Clara MIRANDA Trilha sonora (colagem) - Marcia MILHAZES Edição Trilha sonora - Domenico SALVATORE Musica: Dissociation, piano by Naoya SAKAMATA Waiting, cello by Gabriele CAZZOLA   [+] saiba mais BORA RIR | Show de Standy up Comedy 24/06 Teatro O Bora Rir é um projeto de stand-up comedy itinerante. A ideia é ocupar todo o Rio de Janeiro com os melhores humoristas do cenário nacional, valorizar a cena carioca e servir de palco para revelação de novos talentos. O sexto elenco da temporada 2022 do “Bora Rir” Stand-Up Comedy trás os fenômenos da comedia nacional; Felipe Ferreira , Cris Pereira e Cláudio Torres Gonzaga. Cada espetáculo é diferente do outro. SOBRE CRIS PEREIRA Com mais de 25 anos de carreira o ator, roteirista, radialista e comediante Cris Pereira, coleciona números bastante positivos. São mais de um milhão de expectadores em suas apresentações de teatro, redes sociais que tem como carro chefe o Instagram e YouTube, juntos atingem mais de 2 milhões de seguidores ultrapassando a marca de 125 milhões de views em seus vídeos do canal. SOBRE FELIPE FERREIRA Comediante stand up e roteirista .Morador da Pavuna , entrou pra comedia no ano de 2020 e traz em seus textos a realidade de moradores da zona norte carioca e suas dificuldades e também aborda assuntos como abordagens policiais e conta em suas histórias o qual é difícil ser um comediante negro e morador da zona norte carioca. Além disso, Felipe foi Campeão do festival Ria Rio ,Vice campeão do se vira nos 5 (campeonato produzido pelo Rio Retrô Comedy Club) , Campeão do campeonato renascer pela arte (Campeonato produzido pela Prefeitura de Queimados) ,gravou vídeos com o parafernália e já faz abertura de shows de humoristas consagrados como ; Rodrigo Marques e Thiago Ventura SOBRE CLAUDIO TORRES GONZAGA Claudio Torres Gonzaga é um dos precursores da comedia stand-up no Brasil. A frente do Comedia em Pé, o primeiro grupo de standup brasileiro desde 2005, Claudio foi responsável pela revelação e consolidação da carreira de muitos comediantes. Fizeram parte do grupo nomes como Fabio Porchat, Murilo Couto, Fernando Caruso e Leo Lins. Além desses comediantes, outros nomes importantes do humor dividiram o palco do Comédia em Pé: Danilo Gentili, Diogo Portugal, Mauricio Meireles, Rafinha Bastos,  Dani Calabresa, Fabio Rabin e Thiago Ventura, só pra citar alguns. Claudio Torres Gonzaga também esteve no comando das principais atraçoes de humor da Rede Globo durantes 20 anos em programas como Grande Família, Zorra Total, Sob Nova Direção, Divertics, Caras de Pau entre outros. No cinema escreveu comédias com Leandro Hassum, Tom Cavalcanti, Whindersson Nunes, Tirulipa e Rafael Portugal em filmes como Os Parças 1 e 2, Vestido pra Casar e Juntos e Misturados. [+] saiba mais Circuito Meio Ambiente – A Batalha da Natureza | Teatro educação ambiental 05/06 a 19/06 Arte e Conhecimento A Fundação Cidade das Artes e o Instituto Mar Adentro farão o “Circuito Meio Ambiente – A Batalha da Natureza” em junho, mês marcado pelo Dia Mundial do Meio Ambiente (05) e o Dia Mundial dos Oceanos (08). “A Batalha da Natureza” é um projeto lúdico de educação ambiental que aborda o comportamento da sociedade em relação ao descarte dos resíduos sólidos, que por muitas vezes se transformam em lixo e vão parar nos oceanos. O conteúdo da “A Batalha da Natureza” é resultado de pesquisas realizadas nas Ilhas Cagarras (5 km de Ipanema) pela equipe técnica do Instituto Mar Adentro através do Projeto Ilhas do Rio. O arquipélago é um lindo cartão postal carioca que se tornou um Monumento Natural em 2010 e em 2021 entrou para a seleta lista do Ponto de Esperança (Mission Blue). O grande diferencial do espetáculo é a participação da plateia através de um jogo de perguntas e respostas, e assim é formado um quiz entre o time da Flora e o time da Fauna. Ao final da sessão serão distribuídas revistinhas em quadrinhos da “A Batalha da Natureza’ (ver sinopse abaixo). E para completar o passeio o público tem a incrível chance de ver a ossada de uma baleia jubarte, que faz parte do acervo do Museu Nacional. O “Circuito Meio Ambiente – A Batalha da Natureza” tem o patrocínio do Ministério do Turismo e da XP Inc Sinopse - O Atobá voa por todos os cantos e sabe das questões dos seres que vivem na natureza, seja da flora ou da fauna. Após uma forte tempestade, ele vai ao encontro dos amigos da natureza para ver se estão todos bem, o que não era uma surpresa ver a quantidade de lixo que invadiu a ilha em que mora. Virou uma rotina após as chuvas o lixo ser levado pela correnteza do mar para o local em que vive. Os amigos estão bem chateados e juntos eles pensam numa maneira de ensinar para os humanos o local certo do lixo, afinal, todos se prejudicam com esta questão. Então eles lançam o desafio da Batalha da Natureza, e assim é formado junto com a plateia o time da Flora e o time da Fauna, cada time tem seu capitão (personagens) e o Atobá vira o grande apresentador desta divertida competição. Quem será o grande campeão desta batalha?   [+] saiba mais Orquestra Sinfônica Brasileira | Série Músicos da OSB 18/06 a 19/06 Música Ministério do Turismo e Instituto Cultural Vale apresentam:   O programa da noite de sábado será repetido no domingo de manhã, em mais um Concertos para a Juventude O naipe de percussão estará em foco no segundo programa da Série Músicos da OSB, que tem como objetivo evidenciar os instrumentistas da Orquestra Sinfônica Brasileira, colocando-os na posição de solistas em grupos de câmara. Os concertos acontecerão no palco do Teatro de Câmara, na Cidade das Artes, dias 18 e 19 de junho, sendo a segunda apresentação no formato Concertos para a Juventude – récitas matinais de caráter didático, com ingressos a preços populares. Dois percussionistas da OSB – Fernanda Kremer e Rodrigo Foti – estarão à frente da orquestra, como solistas, na companhia dos convidados Rubén Zúñiga e Ronni Kot. A regência fica a cargo do maestro português Pedro Carneiro. Ao longo da história, nas mais diferentes culturas, a água adquiriu uma ampla gama simbólica de significação: ela representa a vida, o inconsciente, a flexibilidade, a força, a renovação… Na dimensão prática da existência humana, por sua vez, ela não é menos importante: a água purifica, aniquila a sede, assegura a sobrevivência, gera sustento. Em 2022, a Orquestra Sinfônica Brasileira abraçou as águas como fio/rio condutor de sua temporada artística, acolhendo o elemento em suas esferas pragmática e metafórica de significado. O tema é explorado em diversos concertos da temporada, incluindo o deste fim de semana, que traz obras de Haendel, Honegger, Smetana, Cuong e C. Chagas. O espetáculo tem início com excertos de Música Aquática, conjunto de suítes de George Friedrich Haendel, em arranjos para madeiras e metais por Mitchell Kriegler. Grande parte dos movimentos dessa composição foi escrita para ser apresentada ao ar livre e teve sua estreia no Rio Tâmisa, em um cruzeiro real do Rei George I da Grã-Bretanha. De caráter espirituoso e com melodias cheias de frescor, a obra merecidamente figura entre as mais conhecidas de seu compositor. Embora a água não seja o tema da peça que será ouvida em seguida, Pastoral d’été, de Arthur Honegger, é possível evocar o elemento nas suas ondulações serenas e na fluidez das suas sonoridades. O poema sinfônico de Honneger foi escrito em 1920 e a partitura traz na epígrafe um imaginativo verso de Rimbaud: "Eu beijei a aurora do verão. Pastoral d’été é dividida em três seções: depois de uma abertura langorosa, ela avança para um bloco intermediário cheio de cores e de vida. O tema principal retorna, então, para concluir a composição em atmosfera idílica. Em seguida, a OSB executa um arranjo para sopros de "Moldau", poema sinfônico de Bedřich Smetana que integra o ciclo Minha Pátria. Espécie curiosa de "música topográfica", a obra leva o nome de um importante rio tcheco e, como ele, parece deslizar pelos instrumentos através de uma poderosa melodia evocativa que presentifica em som a imagem das águas. O programa segue com a instigante Re(new)al, do compositor vietnamita-americano Viet Cuong. A peça é construída a partir de três movimentos contínuos, cada um inspirado no poder das energias hídrica, eólica e solar. O primeiro movimento transforma copos de cristal afinados em sinos de mão, enquanto o conjunto de sopros lentamente submerge o som dos solistas. No movimento central, solistas são transformados em pás de uma turbina eólica vertiginosa, tocando desafiadores padrões rítmicos. O movimento final simula um nascer do sol e evoca o brilho da luz do sol com instrumentos de percussão. Uma estreia mundial encerra o programa com chave de ouro: a OSB realiza a primeira audição de uma obra do brasileiro Paulo C. Chagas. Escrita para um grupo de cinco percussionistas e orquestra de câmara de instrumentos solistas, Olhe essas águas... é uma composição audiovisual que tenta criar uma interface perceptiva do domínio invisível das águas: o secreto, o escuro, o misterioso. A música desenvolve estruturas que brotam, fluem e se dissolvem, abordando a natureza e o significado da água dentro de uma perspectiva espiritual e ecológica. Criados em 1943, os Concertos para Juventude têm como fundamento promover uma aproximação entre o público e a música de concerto. Para isso, a série é composta por apresentações didáticas que, em 2022, contam com a atriz Suzana Nascimento como mestre de cerimônia. A performance musical é intercalada com informações sobre as obras apresentadas e seus compositores, além de curiosidades sobre o funcionamento de uma orquestra sinfônica e seus instrumentos. A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 81 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura. Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, tem o Instituto Cultural Vale como mantenedor e a NTS - Nova Transportadora do Sudeste, como patrocinadora master e a Brookfield como patrocinadora, além de um conjunto de copatrocinadores e apoiadores culturais e institucionais. [+] saiba mais Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro 18/06 Música Cidade das Artes Bibi Ferreira recebe a Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro para uma noite com abertura de óperas famosas A Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro se apresenta sábado, dia 18 de junho, às 19h30 na Grande Sala da Cidade das Artes Bibi Ferreira, sob a regência de Laércio Sinhorelli Diniz, com um programa dedicado às aberturas de óperas famosas, como “La Gazza Ladra” (Rossini), “Romeu e Julieta” (Tchaikovsky) e “O Morcego” (Johann Strauss II) entre outras.   [+] saiba mais Orquestra Sinfônica Brasileira | Concerto Especial Bicentenário da Independência do Brasil 10/06 a 12/06 Música Ministério do Turismo e Instituto Cultural Vale apresentam: Orquestra Sinfônica Brasileira realiza concertos em homenagem ao bicentenário da Independência do Brasil Maestro Claudio Cruz e pianista Giulio Draghi são os convidados das apresentações. No programa, obras de Neukomm, Guerra-Peixe e estreia mundial de peça do brasileiro Rodrigo Cicchelli. Em 2022, completa-se 200 anos desde que, à margem do Rio Ipiranga, Dom Pedro I vociferou o famoso "Independência ou morte" grito de bravura que simbolizou a transformação do Brasil em uma nação independente de Portugal. A efeméride é festivamente celebrada no concerto que a Orquestra Sinfônica Brasileira leva ao palco da Cidade das Artes nos dias 10 e 12 de junho. Com regência do maestro Claudio Cruz e participação do solista Giulio Draghi, o programa integra a Série Pianistas Guiomar Novaes e contará com obras de Sigismund von Neukomm, César Guerra-Peixe e a estreia mundial do Concerto para Piano, do carioca Rodrigo Cicchelli. A récita domingo será no formato “Concertos para a Juventude” – apresentações de caráter didático a preços populares (R$10). Embora não fosse brasileiro, o primeiro compositor do programa – Sigismund von Neukomm – marcou a vida e a história musical do país quando, em 1816, desembarcou no Rio de Janeiro na comitiva do Duque de Luxemburgo. Aluno favorito de Joseph Haydn, Neukomm seria responsável por estrear aqui obras de seu mestre, mas também por inaugurar em suas composições uma prática que se tornaria marca registrada da produção musical nacional: aquela de mesclar elementos da música popular à música de concerto. Nos cinco anos em que morou no Brasil, Neukomm escreveu uma série de composições, atuou como instrumentista e teve uma marcante atividade como professor. Entre os seus alunos, estão Francisco Manuel da Silva (autor da melodia do hino nacional brasileiro) e D. Pedro I, que proclamaria a Independência do Brasil. A Abertura para Grande Orquestra, que será apresentada pela OSB neste concerto, é uma peça curta, mas de caráter grandioso, exultante, em que o estilo vienense é potencializado por uma orquestração mais robusta. Foi às margens de um rio que D. Pedro I proferiu o famoso grito da independência; e é para uma peça de inspiração aquática de um talentoso compositor brasileiro que este concerto aflui após a Abertura de Neukomm. O público ouvirá a estreia mundial do Concerto para Piano de Rodrigo Cicchelli. Apelidado de "Netuno" deus romano dos oceanos, a peça apresenta quatro movimentos, alguns com alusão direta a motivos marinhos. O concerto começa com uma "Abertura" de ímpeto movente, mas com episódios de divagações suspensivas e mágicas. Em “Fosforescências do Mar / Aivazovsky” – movimento seguinte – o elemento áqueo se anuncia não só através do título, mas também através das sonoridades. Depois de um "Scherzo" jocoso, a peça avança para seu finale, “Dança de Netuno”, que começa com uma longa e vigorosa cadenza para o solista, seguida de uma dança igualmente potente. Fechando o programa, a OSB apresenta a obra Museu da Inconfidência, de César Guerra-Peixe. Na peça, o compositor retrata uma visita ao museu de Ouro Preto, em Minas Gerais, onde, no final do século XVIII, se desenhou um dos primeiros movimentos a favor da Independência do Brasil. De alto teor trágico, a composição se estrutura em quatro movimentos: uma "Abertura" cheia de tensões harmônicas; "Cadeira de Arruar" em que convivem energia e ironia; "Panteão dos Inconfidentes", em que é possível ouvir a aflição agoniante dos insurgentes mineiros embalada numa atmosfera fúnebre; e, finalmente, "Restos de um Reinado Negro", cheia de contraste e com um poderoso solo para fagote. Concluída em 1972, Museu da Inconfidência foi premiada no Concurso do Sesquicentenário da Independência do Brasil, em 1972. Concertos para a Juventude Em 1943, a Orquestra Sinfônica Brasileira subiu ao palco do Cine Teatro Rex para dar início a um dos projetos que fariam parte de seu DNA: Os Concertos para a Juventude. As apresentações de caráter didático com entrada a preços populares são sucesso de público desde então, cumprindo seu papel de ampliação de plateia e democratização do acesso à música de concerto. Em 2022, as apresentações terão lugar de destaque na programação, levando músicos da OSB, regentes e solistas convidados aos palcos da Sala Cecília Meireles, Cidade das Artes e Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Serão, no total, treze apresentações, com ingressos a R$10. As récitas contam com apresentação da atriz Suzana Nascimento. A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA: Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 81 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura. Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, tem o Instituto Cultural Vale como mantenedor e a NTS - Nova Transportadora do Sudeste, como patrocinadora master e a Brookfield como patrocinadora, além de um conjunto de copatrocinadores e apoiadores culturais e institucionais. SOBRE CLAUDIO CRUZ: Iniciou-se na música com seu pai, o luthier João Cruz, e, posteriormente, recebeu orientações de Erich Lenninger, Maria Vischnia (violino) e Olivier Toni (Teoria e Regência). É formado em Filosofia-Licenciatura. Foi premiado pela Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA), Prêmio Carlos Gomes, Prêmio Bravo, Prêmio Concerto, Grammy Awards entre outros. Tem atuado como Regente Convidado em diversas orquestras no Brasil, América do Sul, EUA, Europa e Ásia. Foi Diretor Musical da Orquestra de Câmara Villa-Lobos, Regente Titular das Sinfônicas de Ribeirão Preto, de Campinas e da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. De 1990 a 2012 ocupou o cargo de Spalla da Osesp. Atuou como diretor musical e regente em diversas montagens de ópera, destacando-se as óperas Lo Schiavo, Don Giovanni, Rigoletto, La Boheme, Sonho de uma noite de verão de Britten, Il Signos Bruschino, entre outras. Com a Orquestra Jovem do Estado de São Paulo participou do Festival MDR Musiksommer na Alemanha em 2012, Festival Young Euro Classic em Berlim em 2013, Festival Berlioz na França e no Grachtenfestival em Amsterdam em 2014, em março de 2015 realizou concertos no Lincoln Center em Nova York e no Kennedy Center em Washington. Tem se dedicado a pesquisas, edições e gravações de diversos compositores brasileiros. Em sua extensa discografia gravou mais de 55 Álbuns. Atualmente é Regente e Diretor Musical da Orquestra Jovem do Estado de SP e primeiro violino do Quarteto de Cordas Carlos Gomes. SOBRE GIULIO DRAGHI: Giulio Draghi é pianista e professor na Escola de Música da UFRJ. Recebeu seu título de Doctor in Musical Arts (D.M.A) da Universidade de Miami, em 2007, graduando- se com honras, o que lhe valeu a nomeação para a mais antiga sociedade musical americana: The Society of Pi Kappa Lambda. Sua tese discorreu sobre a versão inédita da transcrição da Sinfonia Fausto, de Liszt, para piano solo, feita por Carl Tausig. Sua decisão de se dedicar inteiramente à música nasceu de seu encontro com o saudoso pianista brasileiro Jacques Klein. Estudou no Brasil com Lia Gualda de Sá, Jaqcues Klein, Glória Maria da Fonseca Costa, Myriam Dauelsberg e, nos Estados Unidos, com Ivan Davis e Frank Cooper. Giulio obteve diversos primeiros lugares em concursos nacionais, destacando- se o Concurso Nacional Centenário Essenfelder. Como solista já se apresentou com orquestras como a Orquestra Sinfônica Brasileira, Petrobras Sinfônica, Sinfônicas de Brasília, Salvador, Porto Alegre, Paraná, Belo Horizonte e Espírito Santo. Tem se apresentado regularmente como recitalista nos Estados Unidos e Canadá. Lançou recentemente um CD com obras de José Maurício Nunes Garcia, Carl Tausig e Mussorgsky pelo selo da Escola de Música da UFRJ. Seu repertório vai de Bach a Sorabji com uma predileção especial pelos compositores da Escola de Weimar. Em 2011, ano do bicentenário de Franz Liszt, apresentou em estreia mundial a versão inédita da Sinfonia Fausto de Liszt para piano solo feita por Carl Tausig. Em 2015, esteve em seis diferentes cidades do Brasil e EUA, executando a íntegra dos 24 Estudos de Chopin, recital este que foi gravado e exibido no programa Partituras da TV Brasil. Em 2016 lançou um DVD com os 24 Estudos de Chopin gravados ao vivo na temporada oficial da Sala Guiomar Novaes no Rio de Janeiro.   [+] saiba mais Orquestra Rio Villarmônica - Villa & Mozart 11/06 Música Rio de Janeiro ganha uma orquestra para chamar de sua! A Orquestra Rio Villarmônica faz seu concerto de estreia na Cidade Das Artes Concebida no dia do nascimento de Mozart e idealizada pelos regentes Tobias Volkmann e Mário Barcelos e pela produtora Isabel Zagury, novo grupo expressa a admiração por seu patrono Villa-Lobos e pela cidade do Rio A cidade do Rio de Janeiro passará a ter uma “orquestra própria” a partir de junho. Do encontro entre três amigos em uma mesa de bar em Copacabana, Zona Sul da cidade, admirando uma linda tarde do verão carioca, mais precisamente no dia 27 de janeiro, nasceu a Orquestra Rio Villarmônica. A ocasião fortuita reuniu os regentes Tobias Volkmann, Mário Barcelos, e a produtora Isabel Zagury, que juntos combinam, além de elementos circunstanciais, a paixão pela cidade do Rio, principal identidade da orquestra. Além de homenagear poeticamente o compositor Villa-Lobos, a orquestra nasceu em uma data bem especial, nascimento de Mozart, outra forte inspiração do grupo, que fará sua estreia festejando ambos os compositores no dia 11 de junho, sábado às 19h, na Cidade das Artes. Com uma carreira que já o levou a reger mais de 30 orquestras na Europa, Estados Unidos e América do Sul, Tobias Volkmann, diretor artístico da Rio Villarmônica, não esconde o entusiasmo e satisfação, considerando este surgimento como “produto de uma certa casualidade e de um feliz encontro: duas amizades recentes que fiz se revelaram uma parceria perfeita para a realização de um sonho pessoal, que venho alimentando há algum tempo”. Buscando criar algo novo para o Rio – o maestro gaúcho que adotou a cidade como morada há 23 anos – Volkmann ressalta a atual necessidade de “um sopro de vida e renovação na cena cultural após o processo doloroso dos últimos anos” e destaca a importância de uma orquestra em “despertar o senso de pertencimento nos cariocas, um sentimento de ter uma orquestra para chamar de sua!”. O maestro Mário Barcelos, diretor geral da Rio Villarmônica, reforça as inspirações em Mozart e Villa-Lobos, que além de apaixonados e irreverentes, “eram operários da Arte”. “Quando pensamos e criamos a Villarmônica queríamos trabalhar, criar, fazer. Nossos concertos serão sempre o fruto do nosso trabalho e da nossa paixão.”, complementa. Nome tarimbado na produção de eventos, principalmente de música, a diretora de produção Isabel Zagury já há algum tempo buscava se aproximar do mundo sinfônico. Para Zagury, o nascimento da Orquestra Rio Villarmônica possui elevado valor pessoal: “sempre fui produtora, nunca idealizadora, sempre fui apenas ferramenta, poucas vezes tive a oportunidade de dar a minha opinião sobre a parte artística”, afirma. “Tive a oportunidade de conhecer o Mário e me aproximar do Tobias numa época de pouquíssima produção cultural por causa da pandemia... descobrimos uma amizade com toques musicais e então, resolvemos tirar nossos sonhos dos guardanapos de boteco”, brinca. Assim, o concerto de estreia da Orquestra Rio Villarmônica, além de carregar em si tais desejos e idealismos tão intrínsecos, será dedicado à Mozart e Villa-Lobos, os grandes mestres que compõem a identidade do novo grupo, apresentando algumas de suas obras mais representativas e de conhecimento do grande público. Da série “Bachianas Brasileiras” a Rio Villarmônica apresentará a nº 9, “instigante e desafiadora ao ouvinte e aos músicos, mas com o inconfundível arrebatamento final tão característico do grande Villa”, ressalta Volkmann. De Mozart, apresentarão o “Concerto para clarineta” - uma de suas últimas obras e que tem algumas das mais belas melodias já escritas - e a “Sinfonia nº 40” que, para o maestro, é “certamente uma das sinfonias mais conhecidas de todo o repertório e amada por iniciados e iniciantes no mundo da música sinfônica”.   [+] saiba mais BORA RIR | Espetáculo de Comédia Stand-up 10/06 Teatro O Bora Rir é um projeto de stand-up comedy itinerante. A ideia é ocupar todo o Rio de Janeiro com os melhores humoristas do cenário nacional, valorizar a cena carioca e servir de palco para revelação de novos talentos. O quinto elenco da temporada 2022 do “Bora Rir” apresenta o show de stand-up comedy LGBTQIA+. DESVIADES É o humor "do vale" invadindo a cidade com seus "humoristas" gays, bissex e lésbicas. Parece que nem todo mundo sabe, mas os temas são os mesmos de todo ser humano: Família, trabalho e relacionamento, porém a partir do ponto de vista mais apimentado e irônico. A comédia Desviades vem celebrar e ressignificar com muito deboche o termo "desviado", como eram chamados todos os que saiam do padrão de sexualidade. A gargalhada está garantida! Vem celebrar com a gente! Desviades e com muito orgulho! Sempre um show diferente: Além de dirigir Paulinho Serra também se apresenta nas edições do Bora Rir, junto com humoristas consagrados da comédia nacional, que se revezam pelos shows, fazendo com que cada espetáculo seja sempre diferente. Bora Lá! Bora Rir! Obs.: O elenco está sujeito a mudanças sem aviso prévio. Fique atento aos canais de comunicação oficiais para possíveis alterações. Grato pela compreensão. [+] saiba mais A Fabulosa Trupe da Galinha Pintadinha 28/05 a 29/05 Teatro A Galinha Pintadinha vive uma nova aventura em busca do Pintinho Amarelinho que se perdeu. No caminho, eles irão encontrar muitos amigos já conhecidos por toda a família brasileira: A Borboletinha, a Baratinha, o Sapo Cururu e muitos outros. Tudo isso em um espetáculo mágico, com muita luz, música e incríveis animações. [+] saiba mais Por um mundo melhor | Lançamento de livro infanto-juvenil 28/05 Arte e Conhecimento Lançamento do Livro Infanto-Juvenil: “ Por um mundo Melhor”, de Ana Paula Monteiro, da Editora Panóplia com contação de histórias do Coletivo Educontos. “Através das crianças podemos ter um mundo melhor...” Aprender desde pequeno a cuidar dos recursos naturais, a respeitar o outro, os seus saberes e principalmente tecer a esperança é que podemos ter uma sociedade menos consumista, mais solidária, mais humanizada. Por um mundo melhor apresenta o olhar infantil sobre a necessidade do cuidar, do respeito ao outro e a natureza. O livro conta a história de Zaila e Aruana que percebem as mudanças do ambiente e o sofrimento de todos que estão a conviver na Floresta e aos seus arredores. Zaila e Aruana unem suas forças junto a outras crianças para salvar a natureza. E assim, conseguem ter aos poucos o ambiente vivo, alegre em que todos sentem vontade de cantar e brincar. QUEM ESCREVEU Ana Paula Monteiro é carioca, moradora de Vila Valqueire/RJ. Desde os dezessete anos atua como professora. Hoje, professora universitária e Orientadora Pedagógica, responsável pelo Incentivo à Leitura na Baixada Fluminense, é doutoranda em educação na área de Políticas Públicas e formação de professores. Iniciou seus escritos infantis à partir de 2019 com o Livro: O menino que empinava pipas. Na sequência também tivemos os livros: Ayana, o livro: Brincadeiras e o lançamento : Por um mundo Melhor. QUEM ILUSTROU Ed Soares, morador do Rio de Janeiro sempre gostou de desenhar. Quando criança, fazia suas próprias histórias em quadrinhos. ENTRE LETRAS E LIVROS Sua paixão por livros a levou a escrita do seu primeiro Livro em 2019: O menino que empinava pipas. Em 2020, os títulos Ayana e Brincadeiras. E em 2022 o Livro : "Por um mundo Melhor". Em seus livros as crianças são protagonistas de sua própria história. Ana, traz em seu último título, Por um mundo melhor, duas meninas que tentam mudar a sua realidade depois de uma invasão as terras indígenas. Trazendo assim, a possibilidade de pensarmos juntos com as crianças as questões ambientais, a diversidade cultural e o respeito. FLOR & SER Ana Paula é colunista do blog da Editora Panóplia com crônicas sobre as questões cotidianas.   [+] saiba mais BORA RIR | Espetáculo de Comédia Stand-up 27/05 Teatro O Bora Rir é um projeto de stand-up comedy itinerante. A ideia é ocupar todo o Rio de Janeiro com os melhores humoristas do cenário nacional, valorizar a cena carioca e servir de palco para revelação de novos talentos. Sempre um show diferente: Além de dirigir, Paulinho Serra também se apresenta nas edições do Bora Rir, junto com humoristas consagrados da comédia nacional, que se revezam pelos shows, fazendo com que cada espetáculo seja sempre diferente. O quarto elenco da temporada 2022 de stand-up “Bora Rir” apresenta: Paulinho Serra, Smigol e Duca Pantaleão. Bora Lá! Bora Rir!   [+] saiba mais Conversa Literária | Bagagem Literária 26/05 Arte e Conhecimento A Conversa Literária é um projeto de promoção de leitura literária que apresenta diversas frentes, com o objetivo de promover a leitura, a formação de público leitor e de profissionais relacionados à literatura e outras linguagens, como: agentes de sala de leitura, escritores, contadores de histórias, bibliotecários, atores, psicólogos infantis, psicopedagogos, divulgadores de livros, produtores culturais e pessoas interessadas em ampliar os conhecimentos concernentes à Literatura. Nesta edição da Conversa Literária (26/05), será lançado o livro de textos "LINEBEIJU (A literatura negro-brasileira do encantamento infantil e juvenil)" organizado por Kiusam de Oliveira. A LINEBEIJU faz parte da Pedagogia Ecoancestral: epistemologia negra criada pela escritora e doutora em Educação Kiusam de Oliveira como posicionamento político de oposição à colonialidade. LINEBEIJU faz parte da série "BAGAGEM LITERÁRIA" idealizada pela escritora e doutora em Literatura Brasileira Cintia Barreto para a editora Nandyala que tem como editora-chefe a doutora em Estudos Literários/Literatura Comparada, Íris Amâncio. As escritoras participantes do livro falarão sobre seus processos criativos, serão feitas leituras de alguns textos, terá sorteio e venda dos livros da série e sessão de autógrafos. Idealização e curadoria: Cintia Barreto Doutora em Literatura Brasileira pela UFRJ. Coordenadora de pós-graduações (lato sensu) de Literatura. Idealizadora e curadora do projeto de incentivo à leitura “Conversa Literária” e do “Seminário Educação Literária”.  Professora de Língua Portuguesa do Colégio Estadual André Maurois há 20 anos.  Escritora com livros publicados para o público infantil, juvenil e adulto. Em 2021, publicou o livro "Gosto de poesia" (Editora Paulinas). Em 2020, "Lia lia" (Semente Editorial).  Consultora e crítica literária, produtora de manuais literários para diversas editoras.  Site: www.cintiabarreto.com.br [+] saiba mais Orquestra Sinfônica Brasileira | Série Músicos da OSB 21/05 a 22/05 Música Ministério do Turismo e Instituto Cultural Vale apresentam: Récita de domingo integra os Concertos para a Juventude – apresentações de caráter didático com ingressos a preços populares Jogar luz sobre as individualidades artísticas dos músicos da orquestra, colocando-os na posição de solistas em grupos de câmara. Esta é a proposta da Série Músicos da OSB, cujo primeiro programa de 2022 a Orquestra Sinfônica Brasileira levará ao palco do Teatro de Câmara, na Cidade das Artes, dias 21 e 22 de maio. Ubiratã Rodrigues, violinista da OSB, atuará como regente nas apresentações. O concerto do sábado (21) é noturno (19h), enquanto o do dia 22 (domingo) integra os Concertos para a Juventude – récita matutina, de caráter didático, com ingressos a R$10. A obra de Shostakovich que abre este espetáculo é, na verdade, uma transcrição orquestral feita por Rudolf Barshai – amigo e discípulo de compositor – para o Quarteto de Cordas No. 4, escrito em 1949. Shostakovich idealizou o quarteto como um ato de protesto contra o antissemitismo na União Soviética, e a peça apresenta uma forte inflexão judaica, sobretudo no movimento final. Neste ambicioso arranjo realizado por Barshai, a tensão dramática do Quarteto em Ré maior ganha novas proporções, principalmente por conta das brilhantes escolhas instrumentais. Mesmo que Mozart seja primariamente lembrado como um grande virtuose das teclas, é importante lembrar que ele também foi um exímio prodígio de outro instrumento: o violino. A informação não apenas dá à genialidade mozartiana uma nova camada, mas também explica a desenvoltura idiomática das suas obras para o instrumento de cordas. De todos os ensaios de Mozart no gênero, o Concerto para Violino e Orquestra No.3, em Sol Maior, K.216 – segunda obra deste programa – é certamente um dos mais conhecidos. Nele, a leveza orquestral e a graciosidade no manejo da escrita se complementam em um todo de puro frescor. Embora reminiscente dos concerti-grossi barrocos, a última peça do programa, o Divertimento para Orquestra de Cordas de Béla Bartók, é uma obra original, de texturas neoclássicas. Escrita no ano de 1939, em 15 dias de extrema concentração e produtividade, a composição foi encomendada pelo maestro suíço Paul Sacher, famoso patrono musical responsável por comissionar as Metamorphosen de Strauss e o Concerto em Ré, de Stravinsky. Criados em 1943, os Concertos para Juventude têm como fundamento promover uma aproximação entre o público e a música de concerto. Para isso, a série é composta por apresentações didáticas que, em 2022, contam com a atriz Suzana Nascimento como mestre de cerimônia. A performance musical é intercalada com informações sobre as obras apresentadas e seus compositores, além de curiosidades sobre o funcionamento de uma orquestra sinfônica e seus instrumentos. E para deixar o concerto mais dinâmico, o programa é mais curto em relação ao apresentado na noite anterior. Na manhã de domingo (22/5), o segundo movimento da obra de Shostakovich e os dois movimentos finais da peça de Mozart serão suprimidos. A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA: Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 81 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura.  Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, tem o Instituto Cultural Vale como mantenedor e a NTS - Nova Transportadora do Sudeste, como patrocinadora master e a Brookfield como patrocinadora, além de um conjunto de copatrocinadores e apoiadores culturais e institucionais. [+] saiba mais Rebento | Lançamento de Livro 21/05 Arte e Conhecimento A autora Fernanda Oliveira lança o seu quinto livro, Rebento, uma seleção de poesias que retrata o amor pelas palavras e a crença em seu potencial transformador. No lançamento teremos uma roda de conversa com a autora e recital de poesia com música incidental ao vivo, além da tradicional sessão de autógrafos, fotos e sorrisos que acompanham os eventos da Hanoi Editora. SOBRE O LIVRO "Cuidado! Não leia! Cuidado! Seu coração será transformado, seu pensamento, modificado e seu caminho não estará mais traçado. Por isso, não leia! Cuidado! Você corre o risco de ser raptado pelo desejo do progresso, para o qual está fadado." Fernanda Oliveira [+] saiba mais Workshop e Palestra | Música 17/05 Arte e Conhecimento Workshop Horário: 16h Tema: Regência e liderança feminina na música”.   Simone Leitão, pianista e diretora artística da Academia Jovem Concertante, convida Zoe Zeniodi, premiada maestra grega, para um workshop e bate-papo sobre a liderança e regência feminina na música de concerto. Palestra  Horário: 17h Tema: Empreendedorismo e gestão de carreira para músicos Em um bate-papo sobre empreendedorismo e gestão de carreira para músicos, Simone Leitão, empresária, pianista e diretora artística da Academia Jovem Concertante conta um pouco da sua experiência nesse meio em que está há tantos anos.  [+] saiba mais Orquestra Sinfônica Brasileira | Concerto Especial 14/05 a 15/05 Música Ministério do Turismo e Instituto Cultural Vale apresentam: Orquestra Sinfônica Brasileira celebra a chegada de novos integrantes, incluindo nova spalla, em concertos na Cidade das Artes No primeiro trimestre de 2022 a Orquestra Sinfônica Brasileira realizou um concorrido processo seletivo para admissão de novos membros. O certame, como esperado, foi altamente competitivo e aprovou músicos de elevado nível artístico. E para celebrar a renovação do seu corpo orquestral, a OSB leva ao palco da Cidade das Artes, nos dias 14 e 15 de maio, um programa especial com obras de Carlos Gomes, Villa Lobos e Tchaikovsky, sob regência do maestro Roberto Tibiriçá. A apresentação de domingo faz parte da série Concertos para a Juventude – apresentações matutinas de caráter didático com ingressos a preços populares. Abrindo a apresentação, a orquestra executará a icônica "Abertura" da ópera O Guarani, de Carlos Gomes. A estreia da ópera no Scala de Milão causou uma verdadeira sensação pela Europa, consagrando o compositor como o maior nome do Romantismo brasileiro. A "Abertura", ou "Protofonia", como também costuma ser chamada, ganhou status de segundo hino nacional brasileiro e apresenta alguns dos temas mais importantes da ópera, em uma espécie de pot-pourri. No ciclo de Bachianas Brasileiras, de Heitor-Villa-Lobos, como o título sugere, convivem o entusiasmo nacionalista do compositor e a sua devoção pela música de Johann Sebastian Bach. A suíte de nº 4, que será ouvida no concerto de sábado, foi escrita para piano entre 1931 e 1941, mas posteriormente orquestrada em 1942. São quatro os movimentos: "Prelúdio – Introdução", "Coral – Canto do Sertão", "Ária (Cantiga)" e "Dança". Tchaikovsky estava passando por uma profunda crise criativa quando escreveu a obra que fecha o programa, a Sinfonia No. 5, em Mi menor, Op. 64. Pouco antes de iniciar o trabalho, ele apontou em seu caderno de anotações um possível contexto imaginativo para o primeiro movimento: “… uma resignação completa diante do destino, que é o mesmo que a inescrutável predestinação do destino…”. É por conta dessa nota que o soturno tema inicial do primeiro movimento, apresentado pelo clarinete, é apelidado de "tema do destino". Após uma introdução lamentosa, o primeiro movimento alcança um "Allegro con anima" em ritmo de marcha que galopa decidido através da neblina da angústia.  O segundo movimento, um idílico "Andante Cantabile con Alcuna Licenza", traz um lamentoso solo de trompa, que logo se desdobra em um dueto de tom maior com o oboé, tudo isso amparado pela orquestra, cujo humor oscila entre o trágico e o auspicioso. Uma calorosa valsa serve de terceiro movimento para a sinfonia, que encerra com um finale imponente. Cinco músicos brasileiros e um venezuelano passam a integrar a OSB Reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial da Cidade e do Estado do Rio de Janeiro, a OSB se orgulha de levar o Brasil no nome e de ser pioneira na realização de ações que aproximam o grande público da música de concerto, como o projeto Aquarius e os emblemáticos Concertos para a Juventude. Ao longo de seus 81 anos de história, é referência para músicos de todo o mundo e suas posições são disputadas por grandes instrumentistas. Ciente se seu papel social, a orquestra criou, há cinco anos, o Conexões Musicais, projeto que extrapola as salas de concerto e leva a instituição para diversas localidades brasileiras, oferecendo aprimoramento para jovens estudantes de música, profissionalização para projetos sociais que promovem inclusão por meio da educação musical e o que a orquestra faz de melhor: encantar o público com seus concertos. O resultado de ações como esta ficou palpável no último processo seletivo realizado pela OSB: dois jovens músicos oriundos de projetos sociais foram aprovados para ocupar vagas na orquestra e vão dividir estantes com alguns dos músicos mais destacados em atuação no país. Natural de Ouro Branco, o mineiro Giovanni Martins, de 21 anos, iniciou seus estudos de oboé aos 11 e já passou por vários projetos e orquestras jovens. Apontado como uma grande aposta no instrumento, é um dos mais de 2500 jovens já beneficiados pelas ações do Conexões Musicais. Referência quando o assunto é educação musical, o projeto El Sistema também emplacou um dos seus talentos no concurso: o flautista venezuelano Alexis Angulo foi aprovado e troca a Orquestra Sinfônica Simón Bolívar por uma vaga na OSB. Outro grande destaque da seleção foi a escolha para a posição de spalla. Ficou com a vaga a carioca Priscila Rato, que encantou a banca julgadora com sua primorosa técnica e presença de palco. A aprovação de Priscila é motivo de emoção extra para a “Família OSB”, uma vez que a violinista já fez parte do grupo e agora retorna para ocupar o cargo mais importante na hierarquia orquestral. E ela não foi a única representante feminina a ingressar na OSB: A violinista paraibana Gabriela Queiroz, que também já foi membro da Orquestra Sinfônica Brasileira, está de volta. Completam o time de violinistas aprovados os jovens paulistas Lucas Álvares e Michael Machado. Concertos para a Juventude Em 1943, a Orquestra Sinfônica Brasileira subiu ao palco do Cine Teatro Rex para dar início a um dos projetos que fariam parte de seu DNA: Os Concertos para a Juventude. As apresentações de caráter didático com entrada a preços populares são sucesso de público desde então, cumprindo seu papel de ampliação de plateia e democratização do acesso à música de concerto. Em 2022, as apresentações terão lugar de destaque na programação, levando músicos da OSB, regentes e solistas convidados aos palcos da Sala Cecília Meireles, Cidade das Artes e Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Serão, no total, treze apresentações, com ingressos a R$10. As récitas contam com apresentação da atriz Suzana Nascimento. A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA: Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 81 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura. Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, tem o Instituto Cultural Vale como mantenedor e a NTS - Nova Transportadora do Sudeste, como patrocinadora master e a Brookfield como patrocinadora, além de um conjunto de copatrocinadores e apoiadores culturais e institucionais. [+] saiba mais Sarau Laboratório de Ideias 14/05 Arte e Conhecimento O Sarau Laboratório de Ideias é uma parceria do Laboratório de Ideias com a Fundação Cidade das Artes, é um evento aberto ao público com apresentações musicais, cenas teatrais, histórias, poesias e palco aberto. A temática será voltada para questões atuais e relevantes para toda a nossa sociedade. Estarão presentes temas como: o meio ambiente e a valorização da natureza, a cultura indígena, a cultura negra, a luta antirracista, o empoderamento feminino, a luta anticapacitista e o respeito à diversidade e o olhar para a história do Brasil. Teremos a apresentação com crianças e jovens de 05 a 15 anos, além do palco aberto para o público interagir e fazer sua contribuição, um espaço voltado para a troca e experimentação. Uma tarde deliciosa que unirá arte e educação. Traga sua poesia, música, performance, número e faça parte dessa programação ! [+] saiba mais