Fundação Cidade das Artes

Memoria

Memória

A Fundação Cidade das Artes é um espaço concebido para abrigar múltiplas atividades artísticas, como exposições, apresentações de dança, teatro e música. Este complexo cultural também é utilizado para palestras, oficinas, congressos, conversas com autores, lançamentos de livros e outras atividades de formação cultural e artística.

Os eventos que ocorrem neste espaço são filmados e fotografados para que todos os interessados possam ter acesso, através deste site, ao histórico de programação da Cidade das Artes e os programas das peças podem ser pesquisados na Sala de Leitura, local onde serão preservados todos os materiais impressos relacionados à programação.

Eventos Passados

Marc Kraus | Genesis – Trabalho em Progresso 15/12 a 04/02 Artes Visuais Marc Criada pelo artista brasileiro Marc Kraus, a exposição Genesis​ faz parte da Digital Provocateur/The Wrong | Bienal Internacional de Arte Digital, aberta de Sex a Dom das 14h às 22h. Genesis é uma instalação multimídia, onde o artista buscou criar um ambiente artificial, criando um "Paraíso Perdido” a partir das percepções e ideias gerados durante o processo, onde o público foi convidado a participar efetivo na construção e elaboração do trabalho.    ​"​A partir do Genesis histórico-religioso-cientifico, busco recriar os passos do ”Criador” usando da metáfora dos 7 dias da criação do universo, e construíndo a partir do nada uma instalação de arte em 7 sábados.​" Marc Kraus​    Marc Kraus já expôs em diversas mostras, veja algumas: “Rio Acido” e “Rio Vermelho” 2013, video instalação - expo coletiva Em Obras, curadoria Franz Manata “Artrópodes”  2014, acrílica sobre carpete e luz negra -  expo coletiva Curto Circuito “Noturnos” 2014, site expecific, luz negra, tinta acrílica sobre tela – expo individual Galeria Café “Dia de folga” 2014, “Naner” 2014 video instalação - Mostras Meios Multiplos EAV Parque Lage ”Souvenir” 2015 e “Souvenir Ciranda” 2015, video instalação - Mostra de videoarte Castelinho do Flamengo - curadoria Analu Cunha “Narciso” 2015, instalação (laser e globo de espelhos) - Expo Emergências Solas dos Abacaxis, curadoria Bernardo Mosquera “Gira Laser” - 2016/17, instalação (laser, espelhos e cristais) - artista residente no Solar dos Abacaxis, curadoria Bernardo Mosquera e Ulisses Carrilho “Gira Laser” - 2017, instalação (laser, espelhos e cristais) - Clube Jacarandá - Cidade das Artes, RJ  Através da aplicação de uma linguagem poética e muitas vezes metafórica, apresento situações e ficções em vídeos, fotografias, pinturas, performance, instalações ou qualquer outro suporte, onde são percebidas categoriassutilmente invertidas e modificadas, onde diferentes funções e/ou contextos precisam ser criados ou transformados. Ao explorar o conceito de cor, luz e forma de maneira nostálgica, investiga    a dinâmica proposta e sua influencia na emoção do expectador, incluindo o resultante da manipulação de seus efeitos e os limites do espetáculo com base em nossas suposições sobre o que significa para nós natural ou cotidiano. Ao invés de apresentar uma realidade factual, uma ilusão é fabricada para evocar os reinos de nossa imaginação criando situações lisérgicas, magicas e muitas vezes hipnotizantes e meditativas. Uso um vocabulário visual que incorpora luz, cor, bem como sua ação no espaço - num universo ficcional e experiencial que emerge pouco a pouco aos olhos do espectador. Algumas vezes aparecem como imagens oníricas em que ficção e realidade se encontram e se fundem, significados mudam, algo se transforma, mostrando como a vida se estende para além de seus próprios limites subjetivos. CRian O artista busca uma ligação entre a realidade e o imaginado, concentrando em questões concretas ou não, que determinam a experiência perante a obra. Criando situações em que imagens são alteradas ou separadas de sua função natural, com a intenção direta de transbordamento, transformação e encantamento. Ao demonstrar o persistente e onipresente uso da luz, cor e forma em meu trabalho, busco amplificar o espanto do espectador, criando composições ou configurações que geram imagens poéticas, e que deixam vestígios e contrapesos na beira do reconhecimento da situação proposta, seja ela natural ou não.​ Marc Kraus já expôs em diversas mostras, veja algumas: “Rio Acido” e “Rio Vermelho” 2013, video instalação - expo coletiva Em Obras, curadoria Franz Manata “Artrópodes”  2014, acrílica sobre carpete e luz negra -  expo coletiva Curto Circuito “Noturnos” 2014, site expecific, luz negra, tinta acrílica sobre tela – expo individual Galeria Café “Dia de folga” 2014, “Naner” 2014 video instalação - Mostras Meios Multiplos EAV Parque Lage ”Souvenir” 2015 e “Souvenir Ciranda” 2015, video instalação - Mostra de videoarte Castelinho do Flamengo - curadoria Analu Cunha “Narciso” 2015, instalação (laser e globo de espelhos) - Expo Emergências Solas dos Abacaxis, curadoria Bernardo Mosquera “Gira Laser” - 2016/17, instalação (laser, espelhos e cristais) - artista residente no Solar dos Abacaxis, curadoria Bernardo Mosquera e Ulisses Carrilho “Gira Laser” - 2017, instalação (laser, espelhos e cristais) - Clube Jacarandá - Cidade das Artes, RJ  Através da aplicação de uma linguagem poética e muitas vezes metafórica, apresento situações e ficções em vídeos, fotografias, pinturas, performance, instalações ou qualquer outro suporte, onde são percebidas categoriassutilmente invertidas e modificadas, onde diferentes funções e/ou contextos precisam ser criados ou transformados. Ao explorar o conceito de cor, luz e forma de maneira nostálgica, investiga    a dinâmica proposta e sua influencia na emoção do expectador, incluindo o resultante da manipulação de seus efeitos e os limites do espetáculo com base em nossas suposições sobre o que significa para nós natural ou cotidiano. Ao invés de apresentar uma realidade factual, uma ilusão é fabricada para evocar os reinos de nossa imaginação criando situações lisérgicas, magicas e muitas vezes hipnotizantes e meditativas. Uso um vocabulário visual que incorpora luz, cor, bem como sua ação no espaço - num universo ficcional e experiencial que emerge pouco a pouco aos olhos do espectador. Algumas vezes aparecem como imagens oníricas em que ficção e realidade se encontram e se fundem, significados mudam, algo se transforma, mostrando como a vida se estende para além de seus próprios limites subjetivos. CRian O artista busca uma ligação entre a realidade e o imaginado, concentrando em questões concretas ou não, que determinam a experiência perante a obra. Criando situações em que imagens são alteradas ou separadas de sua função natural, com a intenção direta de transbordamento, transformação e encantamento.  Ao demonstrar o persistente e onipresente uso da luz, cor e forma em meu trabalho, busco amplificar o espanto do espectador, criando composições ou configurações que geram imagens poéticas, e que deixam vestígios e contrapesos na beira do reconhecimento da situação proposta, seja ela natural ou não.   [+] saiba mais Falando Frangamente 13/01 a 04/02 Teatro FALANDO FRANGAMENTE De Aloisio de Abreu   FALANDO FRANGAMENTE é um espetáculo solo de Aloisio de Abreu, onde o ator/autor serve “de bandeja” várias pequenas cenas e faz uma espécie de ato variado com sabores diversos. Uma espécie de buffet de humor quilo. O formato é dinâmico: o ator, como uma espécie de “garçom cênico”, sugere os “pratos” – na verdade, os assuntos que serão desenvolvidos na cena – e o público vai escolhendo: tem Sexo, Língua Portuguesa, Televisão, Cirurgia Plástica, Dança, entre outros acepipes cênicos e piadas gourmet. Em FALANDO FRANGAMENTE tudo é muito informal, irreverente e em clima de bate-papo em casa com amigos. O cenário é um quadro negro como um menu de restaurante e o figurino é básico. No elenco, Aloisio de Abreu, que também assina o “menu” de textos. Em cena, junto com o ator, está o DJ LC Ambient, que, com seu som dançante e contemporâneo, dá um sabor a mais à cena com vinhetas divertidas e música non stop. Abreu e LC interagem quase que o tempo todo. FALANDO FRANGAMENTE é teatro, é performance, é festa, show, drama e celebração.    Ficha Técnica: Concepção, textos e músicas - Aloisio de Abreu Participação Especial - LC Ambient Cenário - Beli Araújo Figurino - Allinges Tibau Direção Musical - André Poyart Dinâmica Corporal - Nadia Nardini e Tony Nardini Design Gráfico - Fernando Gonçalves e Bruno Lamas Produção - Joana Motta Direção - Ricardo Kosovski     [+] saiba mais Digital Provocateur/The Wrong | Bienal Internacional de Arte Digital 06/01 a 04/02 Artes Visuais Digital Provocateurs/The Wrong | Bienal Internacional de Arte Digital  A Bienal Internacional de Arte Digital do Rio de Janeiro / THE WRONG | NEW DIGITAL ART BIENNIALE tem a missão de criar, promover e impulsionar arte contemporânea que se utiliza de meios digitais para um público mais amplo, reunindo artistas consagrados com novos talentos da cena artística internacional. A exposição DIGITAL PROVOCATEURS, traz obras de: Paulo Arraiano, Stine Deja, Marc Kraus, Oliver Pauk, Rebenok, Maurizio Vicerè, Arno Beck, Julio Lucio, Oskar Metsavath, Projeto Cavalo, Fernando Velazquez, Adriano Motta, Luiz Zanotello, Ewa Doroszenko and Jacke Doroszenko,da Alemanha, Brasil, Canadá, Dinamarca, Itália, Polônia, Portugal e Rússia.  As instalações digitais estarão espalhadas pelas áreas de circulação da Cidade das Artes.   http://digitalprovocateur.org/ https://www.instagram.com/digitalprovocateurs/ http://thewrong.org/filter/embassy/Digital-Provocateur http://thewrong.org/   A exposição é organizada pela Cidade das Artes, o Arte Clube Jacaranda LAB, com curadoria de Gabriela Maciel da TAL Art Projects e parceria da OM.Art.   PROGRAMAÇÃO GRATUITA. [+] saiba mais Grandes Músicos Para Pequenos | O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças 03/02 e 04/02 Teatro ‘O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças’ - Musical infantil abre o Carnaval na Barra da Tijuca Peça baseada na vida e obra de Braguinha encanta crianças de todas as idades e abre os festejos de Momo na Cidade das Artes. Espetáculo faz parte do premiado projeto ‘Grandes Músicos para Pequenos’, da Entre Entretenimento.   O musical infantil O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças volta ao cartaz no próximo dia 03 de fevereiro para duas apresentações na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, abrindo a programação de Carnaval do bairro. O espetáculo faz parte do projeto ‘Grandes Músicos para Pequenos’, criado pela produtora Entre Entretenimento com o objetivo de levar para os palcos nomes importantes da cultura brasileira em montagens que mesclam biografia e canções do artista escolhido. Grandes sucessos como “Balancê”, “Cantores do Rádio”, “Pirulito que bate bate”, “Carinhoso”, “Chiquita Bacana”, “Pirata da Perna de Pau”, “Tem Gato na Tuba”, “Yes, nós temos bananas” transportam o público aos divertidos carnavais de rua da década de 20. O resultado é um programa que agrada a toda a família. “Durante a temporada anterior, era comum vermos avós e netos numa sessão e aquela mesma avó em outra sessão sem os netos, mas com as amigas”, conta o diretor do espetáculo Diego Morais. “Nossa ideia é criar espetáculos com conteúdos atraentes para as famílias, para aproximar as gerações”, destaca Pedro Henrique Lopes, autor do texto e ator do musical. A peça conta a história de Carlinhos, um garoto que ouvia música em todo lugar por onde passava. A avó dele, pianista clássica, sempre estimulava a musicalidade do menino, mas o pai era contra. Carlinhos se junta a alguns amigos de escola e começa a criar belas canções de Carnaval. Ao ouvir as músicas compostas pelo filho, Seu Jerônimo se enche de orgulho do menino que se tornou um grande músico. De forma engraçada e emocionante, O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças trata de temas como o valor da família, da amizade e das relações humanas, a perseverança na busca por um sonho, a criatividade e a cooperação artística entre as crianças. O espetáculo estreou em outubro de 2016 e já foi assistido por mais de 20 mil pessoas. O espetáculo foi aclamado com indicações ao Prêmio CBTIJ de Teatro para Crianças 2016: melhor espetáculo, melhor texto original (Pedro Henrique Lopes), melhor direção (Diego Morais), melhor ator (Pedro Henrique Lopes), 2 indicações para atores em papel coadjuvante (Augusto Volcato e Rodrigo Morura), atriz em papel coadjuvante (Martina Blink), música adaptada, trilha sonora ou direção musical (Claudia Elizeu), coreografia (Victor Maia), direção de produção (Entre Entretenimento – venceu!) e ainda a menção especial a Diego Morais e Pedro Henrique Lopes, pelo projeto Grandes Músicos para Pequenos (venceram!). No Prêmio Zilka Salaberry 2016, o espetáculo foi indicado como Melhor Roteiro Original. Além disso, no Prêmio Botequim Cultural 2016 foi indicado como Melhor Espetáculo Infantojuvenil, Melhor Ator (Pedro Henrique Lopes) e Melhor Direção (Diego Morais).   Grandes Músicos para Pequenos   O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças é o segundo espetáculo do projeto “Grandes Músicos para Pequenos”, criado com o intuito de apresentar a vida e a obra de importantes compositores para as novas gerações. A ideia é promover o resgate da cultura brasileira através de espetáculos que envolvam toda a família em experiências inesquecíveis. “A ideia é trazer o legado de uma cultura quase esquecida para as novas gerações, com um conteúdo atraente para as famílias”, descreve Pedro Henrique Lopes, ator e autor do musical, um dos sócios da Entre Entretenimento, produtora cultural responsável por projetos de sucesso como O Meu Sangue Ferve por Você e os infantis O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças e Bituca – Milton Nascimento para Crianças. “Queremos criar experiências de entretenimento inesquecíveis e marcantes, onde o espectador participe de forma ativa”, explica o diretor do espetáculo, Diego Morais, sócio de Pedro na Entre Entretenimento. Mais sobre o espetáculo e o projeto em: www.grandesmusicosparapequenos.com.br   Entre Entretenimento A Entre é uma empresa de produção cultural e inovação em entretenimento fundada pelo diretor Diego Morais e pelo ator e dramaturgo Pedro Henrique Lopes. O objetivo da dupla é valorizar a cultura do nosso país através da criação e da viabilização de projetos inéditos e de alta qualidade artística que dialoguem com a história e as manifestações culturais do Brasil. Emoção, cultura, educação, história e momentos de extrema diversão estão na pauta dos projetos da empresa, assim como a criação de soluções culturais memoráveis para marcas, companhias e consumidores através de: comprometimento artístico-cultural; inovações em marketing; soluções transmidiáticas e envolvimento social. Saiba mais em www.entreentretenimento.com.br.     O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças. Musical Infantil. De Pedro Henrique Lopes. Dir. Diego Morais. Dir. Musical Cláudia Elizeu. Com Pedro Henrique Lopes, Martina Blink, Augusto Volcato, Rodrigo Morura e Beto Vandesteen. Baseado em trechos reais da infância e juventude do compositor Braguinha (também conhecido como João de Barro), o espetáculo utiliza os grandes sucessos do compositor para, em forma de fábula, transportar os espectadores para a vida do músico e os divertidíssimos carnavais de rua do Rio de Janeiro de 1920. (53 min) Cidade das Artes. Sáb e Dom, às 17h. R$ 40 (inteira), R$ 20 (meia) Livre. 03 e 04/02.     Ficha técnica:   Direção: Diego Morais Direção Musical: Claudia Elizeu Roteiro original: Pedro Henrique Lopes Coreografias: Victor Maia Elenco: Pedro Henrique Lopes (Carlinhos), Martina Blink (Dona Isaura), Rodrigo Morura (Henrique), Augusto Volcato (Alvinho) e Beto Vandesteen (Sr. Jerônimo Braga) Cenário e figurinos: Clívia Cohen Iluminação: Pedro Mendonça Produção e realização: Entre Entretenimento [+] saiba mais 2ª TRIO Bienal – Bienal Tridimensional Internacional do Rio de Janeiro 17/12 a 04/02 Artes Visuais A TRIO Bienal - Bienal Tridimensional Internacional do Rio de Janeiro, nasceu como uma proposta para o Rio e em sua primeira edição em 2015, reuniu 154 artistas de 45 países, e recebeu durante os 2 meses que esteve aberta em 9 museus e instituições da cidade, um público de 215 mil pessoas, sendo 30 mil destes visitantes, crianças das redes públicas de ensino, nos projetos educativos das mostras. Em sua segunda edição, a bienal que apresenta obras em variados suportes, porém sempre tridimensionais, sendo a única em seu perfil entre as bienais do mundo, reúne cerca de 50 artistas brasileiros e internacionais, para falar de um momento de crise sistêmica, hoje principalmente​ de bases humanistas e democráticas no âmbito das liberdades de expressão e direitos individuais. Sob o tema "Vestir o Mundo!", o curador Alexandre Murucci ​conclama os artistas a mostrarem que o sentimento de vestir o mundo, significa vestir compromissos, vestir anseios, vestir os elementos essenciais de nossa existência, de nossa relação com o mundo, com um planeta em conflito, em perigo, em urgências que nos exigem um posicionamento perante responsabilidades diárias. A mostra é dividida em 3 módulos relacionados a elementos da natureza – vistos por seus coeficientes simbólicos:  "Ar" - representando a cultura, o saber, a história e nosso zelo pelo Passado. A herança do humano; "Água" - que representa as forças atávicas da natureza, nosso compromisso com o Futuro; e "Terra" - que representa o espírito, a força telúrica que rege o Presente, em todas as formas anímicas da vida.   ​ Locais / Venues:   Cidade das Artes – Foyer da Grande Sala / City of Arts – Grand Foyer Ter a Dom de 14h às 19h (Em dias de espetáculo até às 22h) / Tuesday to Sunday, from 2 pm to 7 pm (On show days until 10 pm) Av. das Américas, 5300 - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro Phone.: 21-3325-0102 Grátis / free Outras informações no site / Infos: http://cidadedasartes.rio.rj.gov.br   Módulo “ Ar “ – Cidade das Artes / “Air” core – City of Arts – Barra Alexandre Dacosta Ana Biolchini Braga Tepi Christian Fuchs – Peru Christina Oiticica Edmilson Nunes Ivan Enquin – Argentina Ivan Grilo João Magalhaes Lígia Teixeira Margo Margot Mestre Didi Mestre Sala e Porta-Bandeira Nelson Leirner Pooza Kataria - India Shurooq Amin - Kuwait Tunga   Módulo “Água” – Cidade das Artes / “Water” core – City of Arts – Barra Alexandre Vogler Amy Cannestra – USA Anna Paola Protásio Antonio Bokel João Castilho Kakati de Paiva Rekha Sameer – UK Silvana Pestana - Peru Wilson Piran Zena Assi – Líbano   Módulo “Terra” – Jardim Botânico / “Earth” core – Rio’s Botanic Garden Adriana Tabalipa Adrianna Eu Ana Margarida Castro – Portugal Ana Muglia Anna Paola Protásio Antonio Bokel Bebe Schmitt Carlos Calsavara Clarisse Tarran Gustavo Prado Ivani Pedrosa Kacá Versiani Katya Romero - Equador Leonardo Etero Lia do Rio Marcelo Lago Marcio Faria Maria Lynch Pietrina Checcacci Ricardo Siri Sofia Donovan – Argentina Suely Farhi Tadeusz Zielowski – Polônia        TRIO Bienal 2017 prod.triobienal@gmail.com   Contato Curadoria: alexandre.murucci@gmail.com 55-21-986692329     Textos curatoriais em versão resumida:   Vestir o Mundo Vestir o mundo, vestir anseios, vestir compromissos, vestir os elementos essenciais de nossa existência, de nossa relação com o mundo, com um planeta em conflito, em perigo, em urgências que nos exige um posicionamento perante responsabilidades diárias.  Ao escolher “Vestir o Mundo” como tema da 2ª TRIO Bienal, nossa proposta foi enfocar nossa relação com o planeta, de forma holística porém como ato político de afirmação de liberdades individuais e coletivas. Para abordar tema tão vasto, tomamos como estrutura, 3 tópicos relacionados à forças da natureza, tanto no que se refere aos seus elementos quanto ao seus valores simbólicos : "Ar" - Representando a cultura, o saber, a história e nosso zelo pelo passado. A herança do humano; "Água" – Que representa as forças atávicas da natureza, nosso compromisso com o futuro, e; "Terra" - que representa o espírito, a força telúrica que rege o presente, em todas as formas anímicas elementares da natureza.   De posse destes conceitos, nossas escolhas juntos aos artistas foi de buscar em suas obras uma narrativa que pudesse dar luz as essas emergências que o planeta nos conclama.                         “AR” –            Por conta de um momento histórico grave e delicado que o mundo atravessa, onde liberdades individuais, de crença, gênero, identidades e valores essenciais são atacados tanto institucionalmente como nos novos âmbitos de expressão privada, hoje autônoma, volátil, insurgível, e muitas vezes incontrolável com a consolidação da civilização digital, tomamos o Brasil, suas utopias e distopias como figura de abordagem destes valores, certos de que nossos conflitos reverberam um estado de coisas similar em outras culturas.            Ao fazê-lo, também, voltamos à nossa pretensão de termos talvez uma resposta às questões que ora conflitam o mundo, diante de nossa história diferenciada, miscigenada e antropofágica, que tornou dores e dificuldades, em opções criativas e formas de convívio que mesmo às vezes, ásperas, ainda são uma possibilidade de visão acolhedora de sociedade e a partir daí, evidenciam experiências de diversas culturas que conosco dialogam.                         E como dinâmica, escolhemos montar vários altares de expressão, cada um com um foco em direitos universais.                            Estes altares estão divididos em duas vertentes:  O Sagrado e o Corpo – onde dimensões do ser e de pertencimentos pontuam o discurso da mostra.                                  Assim sendo, no que intitulamos “o sagrado”, um percurso filosófico-étnico-emocional foi instaurado a partir da grande instalação fotográfica de Margo Margot (BR) que apresenta deuses da matriz africana que são parte da formação do Brasil como nação. Esta instalação é finalizada por um altar, onde peças de espaços religiosos de religiões afro-brasileiras, ultrajadas em acontecimentos recentes, foram resgatadas e restauradas utilizando simbologias orientais no que tange objetos sagrados, onde as partes coladas são pintadas em ouro, em respeito a imantação de vivências que estes objetos carregam, num libelo contra a onda de intolerância religiosa, grave no Brasil e no mundo.                               A seu lado outra bela instalação da artista Ana Biolchini (BR), mostra o senso de reinvindicação, de luta, de protagonismo do povo quando se propõe a opção pelo coletivo.                                               Centralizando a questão, um grande quadro do artista Edmilson Nunes (BR), nos traz um Jesus carnavalizante, aberto, inclusivo e alegre, que transmite um ato libertário de igualdade nas várias formas do sagrado !                            Pontuando ao seu lado, uma linda roupa de Porta-Bandeira da Império Serrano, nos apresenta o encontro entre a cultura popular e a alta-cultura, no esplendor de um objeto maestro da festa máxima que a miscigenação brindou a cultura brasileira.                                E protegidos pelo coração-gaiola da Christina Oiticica (BR), que paira sobre o grande foyer, temos o trabalho onipresente de Nelson Leirner (BR) que resume o que séculos de sincretismo e verdades tropicais nos deram como concepção de nação.                              Porém, ao falar de liberdades individuais, não podemos abrir mão de nossas mazelas seculares, e a mesma riqueza do ouro barroco, apresentada na elegia de João Magalhães (BR), se posiciona lado a lado com a crítica histórica de Ivan Grilo (BR), ao mostrar a intercessão do antigo Caminho Real da exploração aurífera, com o mapa da tragédia ambiental do Rio Doce, num cruzamento histórico sobre a expropriação de nossas riquezas.                              Este sentimento de opressão se apresenta na obra de Alexandre Dacosta (BR), e a redenção sobre o manuseio de nossas heranças, em certo termo,  pode ser vista no cálice sagrado de Tunga (BR), que nos brinda numa liturgia onírica.                               A partir daí,  o espaço do sagrado dá lugar ao altar do corpo, tendo a obra de André Sheik, um bússola freudiana, como um primeiro trabalho que sintetiza o tema, e a escultura cyber-retro de Braga Tepi, como um parâmetro da sexualidade normativa.                         Seguindo, a obra da artista indiana Pooza Kataria (IN), traz um totem revestido de pulseiras matrimoniais usadas para desejar sorte para as mulheres, encerrando como uma jaula,  sua roupa de escola, de quando, criança, a artista foi molestada, incidente recorrente em tantas culturas que atravessa os tempos impondo às mulheres dramas existenciais e perenes.   Uma realidade atávica.                           Ao seu lado, o trabalho de Shurroq Amin, mostra a distorção social dos casamentos com crianças, aceitável em algumas culturas e logo em seguida o “muxarabi” gráfico do artista Ivan Enquin (AR), que fala da opressão das mulheres em tantas culturas, aqui, como um manifesto libertário,  que se completa nas mulheres empoderadas, da instalação feita de colchões de motel usados, pintados pela artista Lígia Teixeira (BR), com seu “boudoir” pole dance, e seguimos até a questão de gênero, no trabalho do artista peruano – Christian Fuchs (AL), que reencarna seus antepassados, em fluidez total de gênero, numa performance mimética impressionante, finalizando essa trajetória dos direitos do corpo, enquanto espaço sagrado.                       “ÁGUA” – O módulo “Agua” representa nosso compromisso com o futuro, pois se continuarmos a agir de maneira inconsequente, serão neste campo, as batalhas pelo destino da humanidade. Assim, a vídeo-instalação de Amy Cannestra (USA) nos traz uma entidade feminina que nasce dos mares, como um portal para  estas sensibilidades e percepções.  A “santa” de Alexandre Vogler (BR), chora por nosso descaso com o planeta, olhando as pequenas tartarugas, da escultura de João Castilho (BR), que agonizam, num libelo sobre nossas responsabilidades de um planeta em exaustão.             Mas além de seus aspectos simbólicos, o elemento “Água”, nos coloca a questão de nosso lugar no mundo, e tanto quanto o trabalho de Silvana Pestana (Peru), que mostra um território dominado pelas águas, porém em perigo, ao trazer a flora amazônica ressecada e transformada em matéria metálica, outro espaço parametrado pelas águas – o Rio de Janeiro -  é apresentado em versões distintas  De um lado, sob as volutas de Wilson Piran (BR) que simulacram ondas e sol, temos a instalação de Rekha Sameer  (UK): uma mandala/assemblage de “footprints” - digitais dos pés dos ambulantes das praias do Rio – mostrando um círculo karma-virtuoso-vicioso, que nos fala da realidade das relações sociais e de trabalho de um Rio inclusivo/exclusivo enquanto forma de convivência de nosso projeto de utopia social, de um território que se reconhece democrático, mas que revalida seus contrastes sociais, sempre minimizados por nossa alegre forma de viver, como mostra em contraponto, o trabalho poético de Anna Paola Protasio – “Ginger & Fred”, um delicioso comentário sobre uma visão idílica, exótica e simplista de uma cidade cujo imaginário foi construído sob a égide de um paraíso à beira-mar. E logo, esta epifania é quebrada pelo abismo e pela cultura individualista que a escultura de Antonio Bokel (BR) nos sinaliza, como também faz, o trabalho de Zena Assi (Líbano) sobre os dramas dos refugiados, refletido em frente ao horizonte geométrico noturno das telas de Kakati de Paiva (BR), como a paisagem de uma cidade intensa, complexa e cintilante, vista do mar, como mensagens em garrafas boiando nas águas da esperança. [+] saiba mais Grandes Músicos para Pequenos | Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças 27/01 a 28/01 Teatro ‘Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças’ chega na Barra da Tijuca! Fábula baseada na vida do Rei do Baião já foi vista por mais de 100 mil pessoas e recebeu indicações para os prêmios CBTIJ e Zilka Salaberry. Peça faz parte do projeto ‘Grandes Músicos para Pequenos’, da Entre Entretenimento Visto por mais de 100 mil pessoas, que se encantaram com a emocionante adaptação da vida do Rei do Baião para os palcos, o musical infantil Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças volta aos palcos cariocas, no dia 27 de janeiro, somente para duas apresentações, na Cidade das Artes (Barra da Tijuca – RJ). O espetáculo faz parte do projeto ‘Grandes Músicos para Pequenos’, criado pela produtora Entre Entretenimento com o objetivo de levar para os palcos nomes importantes da cultura brasileira em montagens que mesclam biografia e canções do artista escolhido. Com direção de Diego Morais, Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças conta passagens da infância de Luiz Gonzaga no interior do Nordeste, com destaque para a descoberta do amor, quando o jovem Luizinho (Pedro Henrique Lopes) se apaixona por Nazarena (Aline Carrocino), filha de um coronel que não permite o namoro deles. O resultado é uma fábula de amor inocente, voltada para toda a família, embalada por grandes sucessos do músico, como “Asa Branca”, “Que Nem Jiló”, “Baião”, “O Xote das Meninas”, “Olha Pro Céu”, entre outros. “As crianças se divertem e os adultos sempre se emocionam. E o que buscamos é exatamente isso: um espetáculo que, ao mesmo tempo, aproxime as gerações, valorize a cultura brasileira, e que desperte a curiosidade. Muitas crianças pedem aos pais para escutarem as canções de Luiz Gonzaga depois de assistirem ao musical”, conta o diretor Diego Morais.     Grandes Músicos para Pequenos Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças marcou a estreia do projeto “Grandes Músicos para Pequenos”, criado com o intuito de apresentar a vida e a obra de importantes compositores para as novas gerações. A ideia é promover o resgate da cultura brasileira através de espetáculos que envolvam toda a família em experiências inesquecíveis. “A ideia é trazer o legado de uma cultura quase esquecida para as novas gerações, com um conteúdo atraente para as famílias”, descreve Pedro Henrique Lopes, ator e autor do musical, um dos sócios da Entre Entretenimento, produtora cultural responsável por projetos de sucesso como O Meu Sangue Ferve por Você e os infantis O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças e Bituca – Milton Nascimento para Crianças. “Queremos criar experiências de entretenimento inesquecíveis e marcantes, onde o espectador participe de forma ativa”, explica o diretor do espetáculo, Diego Morais, sócio de Pedro na Entre Entretenimento. Mais sobre o espetáculo e o projeto em: www.grandesmusicosparapequenos.com.br   Entre Entretenimento A Entre é uma empresa de produção cultural e inovação em entretenimento fundada pelo diretor Diego Morais e pelo ator e dramaturgo Pedro Henrique Lopes. O objetivo da dupla é valorizar a cultura do nosso país através da criação e da viabilização de projetos inéditos e de alta qualidade artística que dialoguem com a história e as manifestações culturais do Brasil. Emoção, cultura, educação, história e momentos de extrema diversão estão na pauta dos projetos da empresa, assim como a criação de soluções culturais memoráveis para marcas, companhias e consumidores através de: comprometimento artístico-cultural; inovações em marketing; soluções transmidiáticas e envolvimento social. Saiba mais em www.entreentretenimento.com.br.     Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças. Musical Infantil. De Pedro Henrique Lopes. Dir. Diego Morais. Dir. Musical Guilherme Borges. Com Pedro Henrique Lopes, Aline Carrocino, Martina Blink e Sergio Somene. Conta a infância de Luiz Gonzaga no interior nordestino e a descoberta do amor, quando o jovem Luizinho se apaixona por Nazarena, filha de um coronel que não permite o namoro entre eles. (55 min) Cidade das Artes. Sáb e Dom, às 17h. R$ 40 (inteira), R$ 20 (meia) Livre. 27 e 28/01.       Ficha técnica:   Direção: Diego Morais Direção Musical: Guilherme Borges Texto: Pedro Henrique Lopes Elenco: Pedro Henrique Lopes (Luizinho), Aline Carrocino (Nazinha), Martina Blink (Santana / Elvira) e Sergio Somene (Januário / Raimundo) Cenário: José Claudio Ferreira Figurino e adereços: Wanderley Nascimento Iluminação: Pedro Mendonça Produção e realização: Entre Entretenimento [+] saiba mais FutParódias In Rio 28/01 Música FutParódias in Rio acontece no dia 28 de janeiro na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca; ingressos já à venda   Um dos maiores sucessos da internet em 2017, o FutParódias inicia o novo ano com uma grande novidade para seus fãs. A famosa dupla de youtubers faz seu primeiro show no evento FutParódias in Rio, que acontece no dia 28 de janeiro na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Os ingressos já estão à venda através do site Bilheteria Digital.  O FutParódias é um canal do Youtube idealizado em janeiro de 2017 que rapidamente caiu no gosto do público brasileiro, tornando-se sensação entre crianças e adolescentes. Criado pelos jovens Dezão e Leon, seus vídeos exaltam, em paródias musicais, os principais acontecimentos do cenário futebolístico mundial, somando mais de 480 milhões de visualizações através do site, além de quase 2,5 milhões de inscritos no canal.  Além do inédito show, o FutParódias in Rio conta com diversas outras atrações. O Espaço Copa é totalmente dedicado à Copa do Mundo, e oferece jogos eletrônicos de futebol, disputas em futmesa, pebolim, golzinho e bola ao alvo. No Espaço Adventure, futebol de sabão, tirolesa e cama elástica garantem a diversão dos presentes, além de um festival de pipas.  Food trucks com diversas opções de alimentação e cerveja artesanal compõem o Espaço Gourmet do evento, que também oferece o Espaço Baby, garantindo diversão e conforto para toda a família. Uma feira de adoção de animais também terá espaço no FutParódias in Rio. O estacionamento da Cidade das Artes fica à disposição do público, com pagamento à parte.  Não perca também o Meets and Greets*, você pode ter a oportunidade de conversar com os cantores no camarim, durante algumas horas. Imperdível garanta já seu ingresso para esta experiência.   *O Meets and Greets será cobrado à parte dos ingressos do show, verificar no link de vendas. [+] saiba mais Folia das Artes 27/01 Festival UMA GRANDE FOLIA DE CARNAVAL NA CIDADE DAS ARTES A Cidade das Artes promoverá, no dia 27 de janeiro (sábado), das 10 às 19h, uma grande celebração a maior festa da cidade, com atividades que incluem homenagem às escolas de samba, bloco de carnaval do próprio evento, além de espaço dedicado à Copa de 2018. O Folia das Artes contará ainda com palco para apresentações musicais e espaço para adoção de animais. A entrada é franca, lembrando que algumas atividades serão pagas. Estão previstos brinquedos para todas as faixas etárias, desde o Espaço Baby para crianças muito pequenas, até o Espaço Radical dedicado aos mais independentes e aventureiros. Também serão disponibilizados “aulões” de samba, mix dance, entre outras. Na área verde, haverá o Festival de Pipas, escolinha de futebol gratuita e área para piquenique. O Espaço Gourmet do evento terá área de foodtrucks e cerveja artesanal.   10h – Animações e Brincadeiras 11h30 – Passinho Carioca 12h – Samba Teresa 13h – Aulão e Apresentação de Frevo 13h30 – Aulão de Lambaeróbica 14h – Aulão com Passistas 14h30 – Escola de Samba Mirim - Filhos da Águia- Portela 15h30 -  Bloco Folia das Artes     PROGRAMAÇÃO GRATUITA* ENDEREÇO: AV. DAS AMÉRICAS, 5.300 – BARRA DA TIJUCA TELEFONE: (21) 3325-0102   *Brinquedos cobrados à parte.  [+] saiba mais Grandes Músicos para Pequenos | Bituca – Milton Nascimento para Crianças 20/01 e 21/01 Teatro Sucesso de crítica e de público, ‘Bituca – Milton Nascimento para Crianças’ chega à Barra da Tijuca para duas apresentações!     Musical infantil se inspira na trajetória do músico para expor temas importantes e delicados como respeito às diferenças raciais e sociais, adoção  e o papel da família e da amizade na formação dos indivíduos. O espetáculo integra o premiado projeto ‘Grandes Músicos para Pequenos’, que já levou à cena as peças ‘Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para crianças’ e ‘O Menino das Marchinhas – Braguinha para crianças’   Depois de três bem-sucedidas temporadas na cidade, com sessões lotadas e elogios de público e crítica, o musical infantil Bituca – Milton Nascimento para Crianças chega à Barra da Tijuca, para apresentações na Cidade das Artes, nos dias 20 e 21 de janeiro. A peça integra o premiado projeto ‘Grandes Músicos para Pequenos’, idealizado pela Entre Entretenimento com o objetivo de homenagear e preservar a memória de grandes nomes da música popular brasileira. Com texto de Pedro Henrique Lopes, direção de Diego Morais e direção musical de Guilherme Borges, o musical infantil é inspirado na vida e na obra de Milton Nascimento e expõe em cena a ternura e os desafios inerentes ao processo de adoção e as dificuldades de inserção de uma criança negra em um ambiente majoritariamente branco. Esta é a terceira montagem do projeto, que já levou à cena os elogiados espetáculos ‘Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças’ e ‘O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças, vencedores de quatro prêmios CBTIJ. Em cena, Udylê Procópio (Milton), Martina Blink (Mãe), Aline Carrocino (Maricota), Anna Paula Black (Mãe Maria), Marina Mota (Professora) e Pedro Henrique Lopes (Salomão) contam a história do pequeno Milton que, ao ficar órfão aos 2 anos de idade, é adotado pelos patrões de sua avó. Chegando a Minas Gerais, o menino precisa lidar com o preconceito da sociedade por seu negro e ter pais brancos. “O musical é um tributo ao Milton Nascimento, então nos inspiramos em passagens da vida dele, mas também criamos momentos ficcionais para debater temas como adoção, bullying e preconceito racial de maneira lúdica”, explica o diretor Diego Morais. “Também fazemos uma grande homenagem à maternidade e à ampliação dos modelos de família”. Na direção musical de Guilherme Borges, grandes sucessos de Milton Nascimento como “Coração de estudante”, “Travessia”, “Canção da América”, “Canção do sal”, “Um índio”, “Quem sabe isso quer dizer amor” e “Maria Maria” transportam o espectador para esse universo todo especial do músico, que passa pelas belezas de Minas Gerais, rezadeiras, relicários e movimento barroco. “A obra do Milton sempre me encantou desde muito pequeno. Conhecer mais profundamente a história de vida deste gênio me fez querer levar o amor que transborda de suas melodias e letras para crianças de todas as idades”, acrescenta o dramaturgo e ator Pedro Henrique Lopes. “Nossa ideia é criar espetáculos com conteúdos atraentes para as famílias, para aproximar as gerações”. Também fazem parte da equipe criativa Clívia Cohen (cenários e figurinos), Carlos Lafert (iluminação) e Vitor Martinez (visagismo). Grandes Músicos para Pequenos   Bituca – Milton Nascimento para Crianças é o terceiro espetáculo do projeto “Grandes Músicos para Pequenos”, que nasceu em 2013 com o musical Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças e seguiu com O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças, que estreou em 2016 e foi premiado em três categorias pelo CBTIJ: Melhor Atriz em Papel Coadjuvante (Martina Blink), Direção de Produção (Entre Entretenimento) e Prêmio Especial pela qualidade do projeto (Diego Morais e Pedro Henrique Lopes). As duas peças juntas já foram vistas por mais de 100 mil espectadores. O objetivo do Grandes Músicos para Pequenos é apresentar a vida e a obra de importantes compositores para as novas gerações e promover o resgate da cultura brasileira através de espetáculos que envolvam toda a família em experiências inesquecíveis. “A ideia é trazer o legado de uma cultura quase esquecida para as novas gerações, com um conteúdo atraente para as famílias”, descreve Pedro Henrique Lopes, ator e roteirista do musical, e um dos sócios da Entre Entretenimento, produtora cultural responsável por projetos de sucesso como O Meu Sangue Ferve por Você. “Queremos criar experiências de entretenimento inesquecíveis e marcantes, onde o espectador participe de forma ativa”, explica o diretor do espetáculo, Diego Morais, sócio de Pedro na Entre Entretenimento. Mais sobre o espetáculo e o projeto em: www.grandesmusicosparapequenos.com.br .   Entre Entretenimento A Entre é uma empresa de produção cultural e inovação em entretenimento fundada pelo diretor Diego Morais e pelo ator e dramaturgo Pedro Henrique Lopes. O objetivo da dupla é valorizar a cultura do nosso país através da criação e da viabilização de projetos inéditos e de alta qualidade artística que dialoguem com a história e as manifestações culturais do Brasil. Emoção, cultura, educação, história e momentos de extrema diversão estão na pauta dos projetos da empresa, assim como a criação de soluções culturais memoráveis para marcas, companhias e consumidores através de: comprometimento artístico-cultural; inovações em marketing; soluções transmidiáticas e envolvimento social. Saiba mais em www.entreentretenimento.com.br.   Bituca – Milton Nascimento para Crianças. Musical Infantil. De Pedro Henrique Lopes. Direção: Diego Morais. Direção Musical: Guilherme Borges. Com Udylê Procópio, Martina Blink, Aline Carrocino, Anna Paula Black, Marina Mota e Pedro Henrique Lopes. Chegando a Minas, o pequeno Bituca enfrenta, com bom-humor e determinação, o bullying dos colegas de escola por ser negro e ter pais brancos. (55 min). Cidade das Artes. Sáb e Dom, às 17h. R$ 40 (inteira), R$ 20 (meia) Livre. 20 e 21/01.     Ficha técnica:   Direção: Diego Morais Direção Musical: Guilherme Borges Texto: Pedro Henrique Lopes Elenco: Udylê Procópio, Martina Blink, Aline Carrocino, Anna Paula Black, Marina Mota e Pedro Henrique Lopes Cenário e figurinos: Clívia Cohen Iluminação: Carlos Lafert Visagismo: Vitor Martinez Produção e realização: Entre Entretenimento [+] saiba mais Junta Local | Feira de Pequenos Produtores 13/01 a 14/01 Outros Após uma memorável e inédita feira em julho, a Junta Local chega de vez na Barra da Tijuca, trazendo seu coletivo de pequenos produtores novamente para a  Cidade das Artes, um dos principais equipamentos culturais da Zona Oeste.  As feiras da Junta Local são uma oportunidade única para comer bem e conhecer os produtores que fazem parte da plataforma de aproximação e mudança do sistema alimentar proposta pelo projeto (http://www.juntalocal.com), originado em agosto de 2014 em Botafogo.  Nos dias 13 e 14 de janeiro, mais de 50 pequenos produtores ocuparão a praça da Cidade das Artes, com enorme variedade de produtos.   Como parte da programação, convidamos a todos a trazerem suas toalhas e cestas para realizarmos pique-niques e curtir o por do sol no jardim da Cidade das Artes.   ENTRADA GRATUITA.   [+] saiba mais “Bem Sertanejo” – O Musical 05/01 a 14/01 Teatro   SUPERPRODUÇÃO, ASSINADA PELA AVENTURA ENTRETENIMENTO E MUSICKERIA, VOLTA DEPOIS DE TEMPORADA COM INGRESSOS ESGOTADOS O espetáculo “Bem Sertanejo – O Musical” apresentado pelo Circuito Cultural Bradesco Seguros, e patrocinado pelo laboratório Cristalia, Riachuelo e agora também pela Vivo foi sucesso de público por onde passou durantes os meses de abril, maio e junho deste ano. Foram mais de 32 apresentações em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Brasília, Belo Horizonte e Ribeirão Preto sempre com casa cheia e sessões extras. E agora, depois de lançar também o show Bem Sertanejo, inspirado no DVD de mesmo nome, Michel Teló volta com o musical faz sua reestreia e nada mais justo do que recomeçar na “terra do sertanejo”, Goiânia! “As pessoas nos perguntavam sempre quando seria Goiânia, que esse espetáculo tinha que ir pra lá e agora quando fomos falar de segunda temporada, pedi pra que tivesse Goiânia e estou muito feliz que vai começar por lá.”, diz Michel Teló. Em Goiânia as apresentações serão dias 16, 17 e 18 de dezembro, no Teatro PUC Goiás. E depois vai passar por Rio de Janeiro dias 05, 06, 07, 12, 13 e 14 de janeiro, na Cidade das Artes, em Vitoria nos dias 19 e 20 de janeiro no Espaço de Eventos Shopping Vila Velha, em Campinas nos dias 30 e 31 de março e 01 de Abril no Teatro Castro Mendes e em São Paulo nos dias 16, 17, 18, 23, 24 e 25 de março, no Teatro Bradesco. A montagem conta a história da música sertaneja, desde a sua origem caipira, no século 17, até os dias mais recentes e traz no repertório cerca de 56 sucessos de nomes consagrados, como Tonico e Tinoco, Sérgio Reis, Almir Sater, Renato Teixeira, Chitãozinho e Xororó, Leandro e Leonardo, Zezé Di Camargo e Luciano, Gustavo Lima, Henrique e Juliano, Jorge e Mateus, entre outros. “Bem Sertanejo - O Musical” traz na assinatura do texto e da direção o nome de Gustavo Gasparani e de profissionais consagrados no ramo, como Gringo Cardia (cenografia), Maneco Quinderé (iluminação), Marcelo Olinto (figurinos), Renato Vieira (coreografias), Marcelo Neves (direção musical), Mauricio Detoni (arranjos e preparação vocal) e André Piunti (pesquisador musical). A turnê percorrerá as seguintes cidades brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia e Campinas. Esse projeto é apresentado pelo Ministério da Cultura, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, e pelo Circuito Cultural Bradesco Seguros e patrocinado pelo Laboratório Cristalia, Riachuelo e também pela Vivo, forte incentivadora da cultura brasileira or meio do teatro e da música. Do “Fantástico” para os Palcos com o mesmo nome do quadro, que foi um sucesso no programa “Fantástico”, exibido pela Rede Globo de Televisão, o protagonista do musical no teatro será o mesmo apresentador da série que foi um sucesso e teve mais uma temporada exibida agora em 2017. Michel Teló fez a sua estreia como ator e se preparou para isso com várias horas de ensaio ao longo dos dias. “Esse é outro mundo para mim. É muito novo ter texto para decorar, ter que interpretar um personagem, aprender as marcações diferentes, estar em cima do palco para um musical é diferente. Mas tem sido um desafio muito bacana”, afirma Michel. O elenco trará ainda nomes de destaque no cenário do teatro musical brasileiro, como Lilian Menezes, que recentemente chamou a atenção ao protagonizar o sucesso “Elis, A Musical”, Sergio Dalcin, cantor sertanejo e ator, com experiência em musicais, e o premiadíssimo elenco de “Samba Futebol Clube” e “Aquele Abraço” que trabalha com o autor e diretor Gustavo Gasparani há cinco anos. São eles: Alan Rocha, Cristiano Gualda, Daniel Carneiro, Gabriel Manita, Jonas Hammar, Luiz Nicolau, Pedro Lima e Rodrigo Lima. “Ao escrever Bem Sertanejo – O Musical, voltei à minha infância na fazenda quando queria ser veterinário. A peça conta a trajetória e a formação da música caipira e da cultura interiorana do nosso país de forma poética e não cronológica. Proponho uma viagem pelos nossos interiores – memórias, infância, descobertas – resgatando, assim, o sertão que há em cada um de nós, e ao mesmo tempo, um contato direto com as nossas raízes culturais. Um sertão mítico, onde o erudito se encontra com a alma popular para criar a identidade de um povo. Um encontro livre de preconceitos e longe da palavra progresso. Onde Tarsila, Mário de Andrade e Villa Lobos se encontram com Tonico e Tinoco, Mazzaropi, Jararaca e Ratinho e tantos outros”, explica Gustavo Gasparani. Resumo do roteiro: “Bem Sertanejo – O Musical” conta a trajetória e a formação da música caipira e da cultura interiorana do nosso país de forma poética e não cronológica. A peça propõe uma viagem pelos nossos interiores –memórias, infância, descobertas – resgatando, assim, o sertão que há em cada um de nós, e ao mesmo tempo, um contato direto com as nossas raízes culturais. Ficha Técnica: ELENCO : - Michel Teló - Lilian Meneses - Alan Rocha - Cris Gualda - Daniel Carneiro - Gabriel Manita - Jonas Hammar - Luiz Nicolau - Pedro Lima - Rodrigo Lima - Sergio Dalcin Equipe criativa: Texto – Gustavo Gasparani Direção – Gustavo Gasparani Direção Musical – Marcelo Alonso Neves Arranjos e Preparação vocal – Mauricio Detoni Coreografia – Renato Vieira Cenografia – Gringo Cardia Figurino – Marcelo Olinto Visagismo – Marcio Mello Assistente de Direção e Direção Residente – Juliana Medella 2º Assistente de Direção – Fabricio Polido Assistente de Coreografia – Marluce Medeiros Assistente de Cenário – Jackson Tinoco Figurinista Assistente – Almir França Pesquisador Musical – André Piunti Redes Sociais Facebook: https://www.facebook.com/Bem-Sertanejo-O-Musical Instagram: @bemsertanejoomusical Twitter: https://twitter.com/BemSertanejoMus Site: www.bemsertanejoomusical.com.br Sobre o CIRCUITO CULTURAL BRADESCO SEGUROS - www.bradescoseguros.com.br/circuito_cultural Manter uma política de incentivo à cultura é compromisso permanente do Circuito Cultural Bradesco Seguros. Nos últimos anos, o Grupo Bradesco Seguros orgulha-se de ter patrocinado e apoiado projetos nas áreas de música, dança, artes plásticas, teatro, literatura e exposições, além de outras manifestações artísticas. Dentre as atrações realizadas recentemente, destacam-se os musicais “Ghost, O Musical”, “Chacrinha, O Musical”, “Elis - A Musical”, “A Família Addams”, “O Rei Leão”, “Garota de Ipanema, O Musical da Bossa Nova”, “Les Misérables”, “60 – Década de Arromba”, “Cinderella” e “Wicked”, além da “Série Dell’Arte Concertos Internacionais”, “Ballet Zorba, O Grego” e a exposição“Cavaletes de Cristal de Lina Bo Bardi no MASP”. Sobre o Cristália Fundado há 45 anos, o Laboratório Cristália é um Complexo Industrial Farmacêutico, Farmoquímico, Biotecnológico, de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação 100% brasileiro. É pioneiro na realização da cadeia completa de um medicamento, desde a concepção da molécula até o produto final. Possui 94 patentes, sendo recordista nacional, e em anestesia, é líder de mercado na América Latina. Na vanguarda quando o assunto é inovação, produz 53% das matérias-primas dos seus medicamentos na planta Farmoquímica. Está presente em mais de 95% dos hospitais brasileiros, e é referência no âmbito internacional com exportação de princípios ativos e produtos acabados para mais de 30 países. Investe há 15 anos em biotecnologia, possuindo as primeiras plantas privadas de Biotecnologia do Brasil. O Grupo Cristália conta com cerca de 5.200 colaboradores, considerando as empresas coligadas, como os laboratórios Sanobiol, IMA e Latinofarma. | www.cristalia.com.br. Sobre a Vivo e a cultura Líder em telecomunicações no Brasil, a Vivo incentiva e promove a democratização do acesso à cultura ao levar espetáculos de qualidade para diferentes regiões. Nos últimos 13 anos, foram mais de 3 mil sessões de teatro e mais de 1 milhão de espectadores em todo o País. A empresa mantém ainda o Teatro Vivo, em São Paulo, que a partir de 2018 torna-se um ambiente multicultural, capaz de receber também shows e exposições. SERVIÇO:  (preços variados e ingressos populares, consulte www.ingressorapido.com.br) Rio de Janeiro Local: Cidade das Artes, Av. das Américas, 5300 - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro - RJ, 22793-080 Datas: 05, 06, 07, 12, 13 e 14 de Janeiro Horários: - sexta duas sessões: 17h e 21h30 - sábado duas sessões: 17h e 21h30 - domingo duas sessões: 16h e as 20h30   [+] saiba mais Workshop Afro Zuumba Solidária 13/01 Cursos Workshop Afro Zuumba Solidária – Aniversário do prof. Yemi A dança é uma forma de expressar sentimentos e gerar boa energia. O objetivo deste workshop é reunir dança e solidariedade, com coreografias específicas do ritmo da Afro Zuumba. Em contrapartida, os participantes estarão colaborando com projetos sociais atuantes na cidade do Rio de Janeiro. O evento terá cobertura audiovisual e o material será amplamente divulgado principalmente nas redes sociais. A Afro Zuumba Solidária é uma iniciativa para fortalecer ações sociais através da dança. No mês de janeiro, em comemoração pelo aniversário do professor Yemi, o workshop irá ser gratuito!   O Prof Yemi, da African Pride Company, é nigeriano e tem trabalhado com Afrozumba há 3 anos na cidade do Rio. Com vasta experiência em exercícios aeróbicos, ritmos afro, hip hop, ritmos afro latinos como salsa e merengue. O mestre também é diretor dança profissional, diretor de arte e produtor de eventos.    Organização: African Pride Company Professor: Yemi   *Entrada: Gratuita *Contribuição: 1kg de alimento não perecível     Inscrição:     orgulhodaafrica@gmail.com   Informações por e-mail: orgulhodaafrica@gmail.com Facebook Page: @streetdancenarua [+] saiba mais Pura Vida Training - By Nike Rio | Esporte 19/06 a 22/12 Esporte Em 19 de junho, o Pura Vida Training  deu início aos seus treinos fixos na Cidade das Artes.  No plano mensal o aluno pode treinar quatro vezes por semana e ainda desfrutar do clube de vantagens do Pura Vida.    As aulas misturam Bodyweight, técnicas de Crossfit, de corrida e um trabalho de conscientização mental. Assim surgiu o Pura Vida Training, que vai desenvolver o ser humano de forma lúdica, interativa e com ação eficaz!   De Segunda a Quinta  Manhã 7h às 8h Noite 19h30 às 20h30 GARANTA JÁ A SUA VAGA, CLIQUE AQUI.   [+] saiba mais Pedro e o Lobo 09/12 a 17/12 Dança Pedro e o Lobo  Baseado em um antigo conto russo, ambientado numa pequena aldeia de judeus, sob o peso do Czar Russo e do perigo iminente de serem expulsos de seu vilarejo, havia um menino valente chamado Kefa (Pedro) que tenta salvar seus amigos bichos das garras de um lobo na floresta. O compositor designou uma personalidade sonora para cada personagem ao criar a obra, em 1936. A obra foi escrita originalmente para uma orquestra sinfônica e, neste espetáculo, será executada numa versão reduzida para cinco músicos e sete atores bailarinos, ela apresenta às crianças os instrumentos musicais da orquestra. Cada personagem é representado por um instrumento e um ator bailarino diferente. Venha viajar nesta aventura retratada no ballet Pedro e o Lobo, de Prokofiev, com coreografia de Caio Armstrong, execução musical da Banda Filarmônica do Rio de Janeiro, sob regência de Antônio Seixas, adaptação e direção de Ariel Cohen.   [+] saiba mais Exposição da One by One 02/12 a 16/12 Artes Visuais  A ONG One by One é um grupo que tem como meta proporcionar mobilidade para as crianças de baixa renda com necessidades especiais. O objetivo é a doação de cadeiras de rodas, promovendo com isso uma melhor inclusão das crianças em nossa sociedade. Os grupos de estimulação através das arte proporciona de uma forma lúdica o desenvolvimento neurológico, tentando desenvolver 100% da capacidade de cada criança; oferecendo também apoio às famílias com doação de fraldas, cadeiras de banho, sondas urinárias, leite , cestas básicas e compartilhando um pouco do conhecimento e tratamento com crianças portadoras de necessidades. Projeto Estimulação & Arte Com o objetivo de mostrar com os trabalhos expostos a sociailização e estimulação dos sentidos motores e sensoriais das crianças especiais assistidas pela ONG. Com aulas de arte, assim como brincadeiras, estimulamos a motricidade fina, intelectual e cognitiva de forma individualizada. Compartilhada em grupo, com objetivo de atingir a total capacidade destas crianças, com aulas ministradas pela fundadora Teresa Stengel, artista plástica e todo seu corpo de profissionais capacitados. [+] saiba mais Nadia Figueiredo | Show É Natal 15/12 Música NADIA FIGUEIREDO No show “É NATAL” A soprano Nadia Figueiredo após a bem sucedida  tourneé brasileira em maio e Junho de 2017 com Placido Domingo Jr,  estará se apresentando no dia 15 de dezembro às 21h no Teatro de Câmara da Cidade das Artes - Barra da Tijuca - Rio de Janeiro. Um show natalino com canções originais de Natal de diversos países, entre elas O Holy Night (J.S.Dwight & dolphe Adam), Silent Night (Joseph Mohr & Franz Gruber), Tonight (Leonard Bernstein), White Christmas (Irving Berlin) dentre outras, tendo as participações especiais de Leonardo Neiva cantor eclético que passeia com maestria pela ópera, musical e repertório sinfônico. Foi um dos protagonistas do musical “Les Misérables” no Brasil e no México e do maestro e pianista João Carlos Assis Brasil que preparou arranjos especialíssimos para estas canções. [+] saiba mais Comida, Diversão e Arte 25/04 a 14/12 Outros A CIDADE DAS ARTES tem prazer em apresentar o seu novo projeto, COMIDA, DIVERSÃO E ARTE. Terça-feira é o dia de falarmos sobre GASTRONOMIA, quarta é pra se DIVERTIR dançando e sábado é o dia das ARTES. A cada semana teremos diferentes atrações como oficinas, bate-papos, aulas de dança, exibições de filmes e muito mais. E o melhor, as atividades são sempre gratuitas! O projeto é direcionado para adultos com energia de sobra para aprender e trocar saberes, sabores e muitas experiências.   Confira a programação: Toda Quarta-Feira | 16h | Aula de dança de salão com o professor Everson Costa.    DIA 09 |Sábado | 15h | Sarau “Maraka ritual indígena com roda de conversa” Venha conhecer um pouco da cultura do "POVO DO MARACÁ", fazer pintura corporal e ainda conhecer artefatos indígenas que estarão à venda.  Realização Projeto "Paixão de Ler".  Maraka: O pensamento mágico dos Pajés Tantehar-Guajajara, com a força do tabaco e do maracá, traz uma consciência ecológica ancestral, com lições de equilíbrio e harmonia com a Mãe-Terra. Mais do que um elemento rítmico, o maraka (Maracá) era tão importante entre os Tupinambá do século XVI que Hans Staden pensou se tratar de um objeto de adoração. Instrumento de poder entre os Tupinambá seiscentistas, o Maracá, com as suas mais distintas denominações, ainda é elemento distintivo das mais diversas etnias brasileiras contemporâneas, dos mais variados troncos culturais Sinônimo de música entre os Kamaiurá, denotativo de uma cultura, como os Guajajara (“Povo do Maracá”), a força do Maracá continuava presente no cotidiano dos mais diferentes Povos Indígenas Brasileiros Mais do que um encontro entre povos de etnias brasileiras, o Maraka, ritual indígena pretende trazer para o espaço da Aldeia Maracanã e do CESAC, no Rio de Janeiro, antiga aldeia de Urucu-Mirim, a expressão cultural, o pensamento e a diversidade de alguns dos Povos que mantém viva a tradição do Maracá. "Eles creem em um objeto que cresce como uma cabaça e é tão grande como uma medida e meia (copo de bebida). É vazio por dentro e atravessam-no com um pauzinho; abrem um buraquinho nele, como uma boca, e introduzem por ele pedrinhas, de modo que produz ruído ao ser sacudido. Tocam esse instrumento enquanto cantam e dançam e chamam-no maraka.” (Ed. facsímile, op.cit. "Woran sie gleuben. Cap. XXIII").   Duração: 2h Classificação: Livre  Local: Sala de Leitura   Informações: saladeleitura.fca@gmail.com (21) 33250448       Dia 12 | Terça | 16h | Aula de Gastronomia | Como fazer uma massa artesanal de panetone e chocotone com a convidada Carol Faccini    Vamos aprender a fazer uma deliciosa massa artesanal de panetone e chocotone, e como fazer o chocotone gourmet recheado com brigadeiro trufado.  Carol é formada em nutrição pela Universidade Veiga de Almeida desde 2009. Trabalhou na área de produção e controle de qualidade em restaurantes e confeitarias, foi quando se apaixonou pela arte de confeitar e decidiu que dali em diante era isso que ela queria fazer pro resto da vida!    "Fundei a empresa Doce Antônia em 2010 e desde então me dedico com muito amor a adoçar a vida das pessoas. Faço doces, naked cakes, brownies e em épocas comemorativas produzo artesanalmente panetones e ovos de Páscoa recheados." Carol Faccini   Local: Café das Artes  [+] saiba mais Aulas de Capoeira 08/08 a 14/12 Cursos  Aulas regulares de capoeira passarão a integrar o quadro de atividades fixas da Cidade das Artes. Serão todas as terças, quartas e quintas-feiras, entre 18h e 21h. A turma das 18h será formada pelo público infantil; as das 19h e das 20h, por adultos. Fundado por Beto Simas/Mestre Boneco em 1989, o GCB é reconhecido mundialmente, estando presente em mais de 40 países, como Estados Unidos, Holanda, Espanha, Egito, Alemanha etc. Além de capoeirista, Mestre Boneco é empresário e ator, e sempre buscou difundir a prática esportiva nas produções das quais participou, seja no cinema, teatro ou televisão. Nos últimos anos viveu nos Estados Unidos, onde realizou diversas atividades com o grupo, entre as quais palestras, workshops, treinamentos de atores de Hollywood, filmes, documentários e outros. “Unindo arte, movimento, som e cultura, a capoeira é um esporte de tradição que honra nossos antepassados africanos. E a missão do Capoeira Brasil é manter viva essa herança”, destaca Boneco.   Aulas regulares a partir de agosto Dias: Terças, quartas e quintas-feiras 18h - infantil 19h - adulto 20h- adulto                                                 MATRÍCULAS ABERTAS Para mais informações: (21) - 98097-0100 - 21 96448.6626 ou gcb.mboneco@gmail.com [+] saiba mais Túnel | Tomás Ribas 06/08 a 14/12 Artes Visuais Venha conhecer a Obra "Túnel - 2013" de Tomás Ribas. Esse trabalho foi feito inicialmente para a Galeria Maria de Lourdes Mendes de Almeida. Tomás Ribas,  artista e iluminador, utiliza a luz como matéria de trabalho criando instalações que exploram a percepção do mundo através da visão. Participou de exposições no Brasil, França, Holanda, Suécia, República Tcheca e Coréia do Sul. Como iluminador ganhou alguns dos principais prêmios do teatro Brasileiro como o Prêmio Shell, o Prêmio Cesgranrio e o Prêmio Questão de Crítica.  Obra Permanente   Informações : 33250448 [+] saiba mais Projeto Jovens Músicos da Cidade das Artes 10/10 a 14/12 Cursos Pensando na responsabilidade social unida ao poder transformador da arte, apresentamos o Projeto Jovens Músicos da Cidade das Artes. Serão aulas de violão e teclado gratuitas para jovens de 10 a 17 anos. A Coordenação do curso é feita pelos músicos, arranjadores e instrumentistas Sergio Knust e Lito Figueroa. Agende sua entrevista através do telefone 3325 0448 ou pelo e-mail saladeleitura.fca@gmail.com. O projeto fará parte do cronograma do setor de Arte e Educação da Cidade das Artes, que vem ao longo desses quatro anos desenvolvendo oficinas, cursos, contação de histórias, cine debates, palestras e workshop entre outros. Nossa proposta é contribuir na formação cultural desses jovens por meio de uma formação musical voltada para o violão ou teclado, passando pelo erudito ao popular. Venha fazer parte dessa história!  [+] saiba mais
123456