Fundação Cidade das Artes

Programação » A Mágica | Gabriel Montenegro

Evento Encerrado

A Mágica | Gabriel Montenegro



Prepare-se para uma experiência única que desafia a imaginação e os limites da realidade! Já pensou em voar? Em se teletransportar? Em ler mentes? Agora é a sua chance de testemunhar o extraordinário no espetáculo mais esperado do ano: A Mágica! A Mágica, um espetáculo de ilusionismo inigualável, chega à América Latina para surpreender e encantar os espectadores.

Este não é apenas um show, é uma jornada mágica criada pelo renomado ilusionista Gabriel Montenegro que a mais de 17 anos leva a mágica pelo mundo , após passar por séries de tv, novelas e programas de televisão Gabriel Montenegro se fez uma pergunta o 'que é a mágica? E a resposta está em seu novo espetáculo, que traz consigo mais de 30 Mágicas originais e inovadoras que desafiam a realidade. Em A Mágica, o público não é apenas um espectador, mas sim parte integrante do espetáculo criando uma experiência única e inesquecível. Um show intimista , A Mágica é mais do que um simples show, é a promessa de uma noite cheia de surpresas, emoções e, é claro, magia! Não perca a oportunidade de fazer parte desta experiência única. Venha assistir a Mágica e descubra um mundo onde tudo é possível. Reserve seu lugar e prepare-se para ser cativado por uma jornada mágica como nunca antes!




Outros

Informações Gerais

Datas

03/02/24 a 25/02/24

Horários

Sábado | 20h
Domingo | 19h

Ingressos:
R$ 80,00 (inteira)
R$ 40,00 (meia)

Local

Cidade das Artes

Sala

Eletroacústica

Classificação Etária

Livre

Demais Eventos da Programação

Maquete de LEGO® do Rio de Janeiro I Exposição Permanente 08/03 a 31/12 Artes Visuais LEGO® doa ao Rio de Janeiro a maquete feita com 947 mil peças A maquete do Rio de Janeiro feita totalmente em LEGO foi construída para homenagear de forma criativa e inusitada a cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016 e ficará exposta permanentemente na Cidade das Artes como legado cultural. A construção destaca os 25 importantes ícones da cidade como o Pão de Açúcar, o Cristo Redentor, os Arcos da Lapa, o Maracanã, entre outros. [+] saiba mais Que baleia é essa? | Exposição 08/06 a 30/06 Arte e Conhecimento A exposição "Que baleia é essa?" apresenta ao público um grande esqueleto de Baleia-Cachalote pertencente à espécie Physeter macrocephalus. Esta baleia encalhou na Praia de Curimãs, município de Barroquinha-CE, em 1 de janeiro de 2014. Tratava-se de um animal adulto, do sexo masculino, com 15,7 m de comprimento. O cachalote ( Physeter macrocephalus ), ou chacharréu, é o maior dos cetáceos com dentes, bem como o maior animal contendo dentes que existe atualmente (podendo medir até 20 metros de comprimento). Este esqueleto está montado no Foyer na Grande Sala. A parceria para sua aquisição foi feita pela instituição Aquasis junto ao Museu Nacional em dezembro de 2020. A Aquasis representa a única instituição licenciada no Ceará para atendimento de encalhes de mamíferos marinhos, incluindo a autorização para coleta e transporte de amostras biológicas in situ e ex situ. Dessa forma foi possível ter acesso ao espécime que é o foco desta exposição. Através deste exuberante exemplar de baleia cachalote, o Museu Nacional/UFRJ pode explorar alguns aspectos relacionados a Biologia e Biodiversidade, que são temas diretamente relacionados com algumas das pesquisas científicas de excelência desenvolvidas na instituição. A opção em expô-la atende a missão institucional de comunicação e divulgação científica. Conheça um pouco mais sobre o mundo dos cetáceos e das baleias. Agora conheça um pouco mais do universo da baleia que movimentou o romance Moby Dick de autoria do escritor estadunidense Herman Melville, que imortalizou a cachalote na literatura e no cinema, tornando-a um animal que movimenta o imaginário popular. [+] saiba mais Rosto de Mulher | Exposição 29/02 a 10/03 Artes Visuais Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura apresentam EXPOSIÇÃO ROSTO DE MULHER Um manifesto artístico pelo combate à violência contra a mulher A exposição Rosto de Mulher tem como tema central o combate à violência contra mulher em diferentes aspectos, tais como físico, psicológico e social. O projeto revela novos rostos e gritos femininos, que ganham espaço de expressão através de diversas perspectivas artísticas. Com o propósito de abrir espaço para artistas mulheres cis e trans, de diferentes idades, que tenham sua arte como forma de grito silencioso num manifesto feminino, este trabalho revela uma realidade de opressão à mulher que ainda ocorre em pleno século XXI. O PROJETO As obras dialogam com as histórias vividas pelas próprias artistas ou observadas a partir do convívio com outras mulheres, revelando situações que possam causar emoções e identificação. Assim, a exposição torna-se viva, itinerante e mutável conforme a participação de diferentes artistas. Dentro da temática de combate à violência contra mulher, a mostra também inclui debates, rodas de conversas, palestras com líderes sociais e profissionais das áreas da assistência social, segurança à mulher, direitos humanos, educadores, dentre outros.   SEGUNDA TEMPORADA Uma exposição de arte itinerante que convida ao diálogo de diversas situações da vida feminina em sociedade retratadas a partir de um encontro com o mar. Nesta temporada, a exposição Rosto de Mulher fica em cartaz de 28 de fevereiro a 10 de março, com entrada gratuita, na Cidade das Artes, e apresenta quinze obras que contemplam fases da adolescência à maturidade da vida de uma mulher em um mundo marcado pelo machismo. Levantando a importante bandeira de combate a violência contra mulher pela perspectiva da arte, Rosto de Mulher torna leve um tema tão difícil de ser abordado. Além disso, também é colocado em foco histórias de superação, inspiradas nas cartas da mãe do diretor cinematográfico e idealizador do projeto, Jarsom Wayans. SUAS ARTES NA EXPOSIÇÃO Os grafites e histórias em quadrinhos da artista Natf retratam a selvageria da sociedade em relação às mulheres negras e se conectam às fotografias da jovem indígena Isabel Figueira. O mar é o que transporta inúmeros recursos e lembranças plasmadas na obra de Luanda Maria, uma artista que revela em suas pinturas os mais obscuros silêncios e seu encontro com a natureza, finalizando com o documentário de Yasmim Dias. PROGRAMAÇÃO A exposição inaugura com uma intervenção cênica dos alunos da Escola de Teatro GUDI HUD, sob a direção de Hudson Batista. Denominada “Verbos”, a dramatização propõe um debate sobre as experiências afetivas inseridas em contextos de violência. [+] saiba mais Broadway Night's | O Musical 01/03 a 03/03 Musical “Broadway Night 's, O Musical” traz aos palcos os maiores sucessos dos grandes musicais e do cinema, em um charmoso e dançante espetáculo 100% cantado ao vivo. Quem nunca dançou ao som de “Grease”, se emocionou com “O Fantasma da Ópera” ou sorriu ouvindo "New York, New York"? Essas são apenas algumas das canções deste incrível e surpreendente espetáculo! O cenário, coreografias, trocas de figurinos e projeções ambientando os números musicais, fará com que todos tenham a sensação de estarem em uma noite na Broadway. Além dos experientes e talentosos artistas que fazem desse show uma verdadeira experiência, o espetáculo ainda conta com a direção geral do renomado diretor Bruno Rizzo, que assina a direção de grandes espetáculos como “Queen Experience In Concert”, “Elvis Experience Tribute In Concert” , “Pink Floyd Experience In Concert”, “Abba Experience In Concert”, “Embalos de Sábado à Noite, O Musical”, “Amazing Tenors, Sings Bocelli”, “Las Vegas Amazing Show”, entre outros; e direção executiva de Daniela Schiarreta. [+] saiba mais Embalos de sábado à noite | O Musical 02/03 Musical “Embalos de Sábado à Noite – O Musical” traz aos palcos as canções que marcaram toda uma época, em um charmoso e dançante espetáculo 100% cantado ao vivo. Com uma estrutura esplêndida de equipe e várias trocas temáticas de figurinos, o musical encanta e emociona o público de todas as idades, e conta com o incrível recurso de projeção mapeada 3D, que causam um impacto visual impressionante e uma imersão fantástica na era “Disco”. O espetáculo inicia nos tempos atuais, onde o narrador, um jovem apaixonado e conhecedor da era mais dançante e marcante já existente, conduz de forma descontraída a plateia a uma inesquecível viagem no tempo. Com muita música e dança, os cantores e dançarinos contagiam a plateia com o espírito da era Disco, trazendo sucessos icônicos dos maiores cantores e grupos da época. Quem nunca dançou ao som de “Dancing Queen” do grupo Abba, cantou os agudos de “Stayin’ Alive” do Bee Gees, se divertiu com o Village People performando “Macho Man” e “YMCA”, e se encantou com as poderosas vozes das musas black, como Glória Gaynor, entre outros? Essas são apenas algumas das canções e artistas que embalam este incrível espetáculo! Além do experiente e talentoso elenco, o espetáculo conta com a direção executiva de Daniela Schiarreta, direção residente de Ewerton Novaes e direção geral do renomado diretor Bruno Rizzo, que assina a direção de grandes espetáculos como “Queen Experience In Concert”, “Elvis Experience Tribute In Concert”, “Abba Experience In Concert”, “Amazing Tenors, Sings Bocelli”, “Pink Floyd Experience In Concert”, “Broadway In Night”, entre outros   [+] saiba mais Encanto | O Musical 02/03 a 03/03 Musical “Encanto, O Musical” é uma livre adaptação para o teatro, da animação de sucesso do momento. Um espetáculo lindo e emocionante, 100% cantado ao vivo, que conta a história dos Madrigal, uma família dotada de magia, que vive na Colômbia. Porém, uma integrante da família não possui poder mágico, então, parte em uma aventura própria para achar o que há de errado com a casa, que está rachando, e assim, salvar todos de sua família. O único que pode dar as respostas é seu tio, que vê o futuro, e o único problema é que ele saiu um dia e nunca mais voltou. Além do experiente elenco, que canta, dança e atua, o espetáculo conta com grandes nomes da cena artística da atualidade. Com direção musical de Mariana Nunes, coreografias de Alessandra Lona e direção geral de Ewerton Novaes. [+] saiba mais Territórios - Mulheres na Música | Orquestra Sinfônica Brasileira 06/03 Música Ministério da Cultura e Instituto Cultural Vale apresentam Orquestra Sinfônica Brasileira abre Temporada 2024 com concerto dia 6 de março, na Cidade das Artes Concerto de abertura homenageia as mulheres na música e leva ao palco as timpanistas Fernanda Kremer e Beth Del Grande e a soprano Rosana Lamosa A “terra”, tema do ciclo 2023, e o conjunto de saberes de seu povo dão o tom da Temporada 2024 da Orquestra Sinfônica Brasileira, intitulada “Territórios”. Uma celebração à diversidade musical construída nas relações entre as coletividades que criam, transformam e perpetuam tradições culturais. Ao longo do ano, as atividades da OSB irão explorar os diferentes sotaques musicais de diversos territórios, do Brasil e do exterior, levando o conceito para os palcos e atividades educacionais. No dia 6 de março, a Cidade das Artes receberá o concerto de abertura da temporada, com um programa que enaltece a presença das mulheres na música. As timpanistas Fernanda Kremer e Beth Del Grande e a soprano Rosana Lamosa serão as solistas da apresentação, que contará com regência do maestro convidado Cláudio Cruz - principal regente convidado em 2024. Geralmente posicionados no fundo do palco, os tímpanos assumem posição prestigiosa na peça de abertura do espetáculo de abertura da temporada: o fervoroso Concerto Fantasia para Dois Timpanistas e Orquestra de Philip Glass. Escrita em 2000, a composição é uma contribuição significativa de Glass ao repertório de grande escala para percussão e faz um uso imaginativo e sofisticado dos instrumentos solistas. Na  Suíte Floresta do Amazonas, obra que aparece a seguir no programa, Heitor Villa-Lobos lança mão de toda sua engenhosidade criativa, consorciando cores, timbres, ritmos e texturas para dar vida musical à paisagem silvestre. Cantos de pássaros, ritmos dançantes, melodias de sabor folclórico comparecem ao longo da suíte, enlaçados em um amplo espectro emocional que vai do vigoroso e dramático – como em "Conspiração e Dança Guerreira"–, ora comovente e lírico, como na conhecidíssima "Melodia Sentimental". A Temporada “Territórios” chega como mais um fruto do mergulho na cultura popular, saberes e tradições do país, promovido pela Orquestra Sinfônica Brasileira nos últimos anos. “No ciclo 2023, buscamos inspiração nas fronteiras como espaços de somas, encontros e conexões. Em 2024, vamos expandir, florescer, alcançar novos territórios, onde as manifestações culturais são criadas e recriadas. Representaremos a conexão entre a terra e os povos que a ocupam, por ela se deslocam e, com seus saberes, permeiam de sentidos a natureza. Como continuidade do solo fértil de 2023, em 2024 ancoramos o conceito Territórios na fertilidade da cultura. Buscamos o conjunto de saberes e sotaques musicais do nosso Brasil, que compõem a nossa identidade”, explica a vice-presidente executiva da FOSB, Ana Flávia Cabral Souza Leite. Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Cidade das Artes, Sala Cecília Meireles e Teatro Amazonas receberão os 40 concertos da Temporada Territórios Os concertos estarão agrupados em quatro séries temáticas: Série Territórios, Série Mundo, Série A OSB do Brasil e Série Músicos da OSB. As apresentações ocuparão os palcos do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Sala Cecília Meireles e Cidade das Artes – Grande Sala e Teatro de Câmara. No ciclo que leva o nome da temporada, a Série Territórios, os programas contarão com obras ligadas à origem do intérprete ou do compositor ou à narrativa que o autor utiliza na peça, fortalecendo a noção de pertencimento e saberes do povo. Os pianistas Estefan Iatcekiw e Cristian Budu, e os maestros Wagner Polistchuk e Roberto Tibiriçá são alguns dos nomes confirmados nos concertos da série. As riquezas musicais de diferentes nações estarão em destaque na Série Mundo. Em 2024, o ciclo lançará luz sobre a música de quatro países: Rússia, Espanha, Alemanha e França, com convidados e/ou repertórios que celebram musicalmente cada uma das nações. Os maestros Javier Logioia Orbe (Argentina), Ignacio García Vidal (Espanha) e Nathalie Marin (França) e os pianistas brasileiros Gustavo Carvalho, Linda Bustani e Fabio Martino marcarão presença à frente da OSB. A OSB do Brasil, série autoral criada pela Orquestra Sinfônica Brasileira em 2021, volta aos palcos na temporada que se inicia. São cinco espetáculos temáticos em reverência à cultura popular das cinco regiões brasileiras, que serão apresentados até o fim do ano, em dez concertos. Sudeste, Sul, Centro-Oeste, Norte e Nordeste terão suas riquezas musicais retratadas em suítes e poemas sinfônicos baseados em temas musicais do folclore brasileiro. Os instrumentistas da Orquestra Sinfônica Brasileira estarão em evidência nos concertos da Série Músicos da OSB. No ciclo, que joga luz sobre as individualidades artísticas dos músicos da orquestra, colocando-os na posição de solistas, grupos de câmara e ensembles camerísticos realizarão apresentações para o público. Dentre os solistas que dividirão o palco com a OSB em 2024 estão, ainda, o pianista italiano Gabriele Strata e a pianista brasileira Marina Martins. Os regentes Ira Levin, Stefan Geiger, Eduardo Pereira, Lanfranco Marcelletti e Celso Antunes também abrilhantam a programação. Depois do sucesso do Festival Amazônico, realizado em Belém e Manaus, em 2023, a OSB retorna à capital manauara para um grande concerto no Teatro Amazonas, no dia 23 de março, sob regência do maestro titular da OSB Jovem, Anderson Alves. Algumas efemérides serão lembradas em 2024, como o centenário de morte do compositor italiano Ferruccio Busoni, os 200 anos de nascimento do compositor austríaco Anton Bruckner e o 70º aniversário do regente brasileiro Roberto Tibiriçá. Participações no Rock in Rio e no Projeto Aquarius também estão na agenda da OSB este ano.   [+] saiba mais Interlocuções | Literatura Arte e Psicanálise 08/03 Arte e Conhecimento 08/02/2024 Tema: 08 DE MARÇO – DIA INTERNACIONAL DA MULHER   Kika Gama Lobo, jornalista e influencer da maturidade, lança livro para ajudar as mulheres nos 50+ “Kikando na maturidade” tem apresentação de Martha Medeiros e fotografias de Marcos André Pinto Kika Gama Lobo lança seu primeiro livro sobre a IDADE MADURA a partir de um tsunami pessoal envolvendo a superação de um câncer, uma separação de 24 anos de casada e duas filhas adolescentes para terminar de criar e sustentar. Kika, carioca, assessora de comunicação e hoje influencer da maturidade, virou uma espécie de alto-falante da idade madura. A menopausa severa, herança da quimioterapia, deu origem aos posts “vida real” nas mídias sociais. E nessa caminhada de verdades do cotidiano da mulher madura, Kika – à convite da Editora Lacre, através de sua publisher Flávia Portela – foi chamada a compartilhar sua experiência em um livro. O tema da maturidade entrou no rol das pautas significativas do Brasil. Em 2040 seremos uma nação, em sua totalidade, de pessoas mais velhas. Quem vai chegar aos 150 anos já nasceu. Nada mais apropriado do que tratar a chegada dos "enta" através das vivências potentes de Kika. Sincera, muitas vezes até escrachada, a autora se solta mais ainda nas palavras impressas no livro. E entrega de bandeja um guia para enfrentar o susto do envelhecimento. Passo a passo, uma espécie de bula de como ela mesma conseguiu transpor os seus obstáculos nos 50+. Apresentado pela escritora gaúcha Martha Medeiros – uma imensa referência de mulher madura – o livro traz fotos estilo portrait e capítulos com depoimentos de especialistas. Sexo grisalho, doença dos genitores, ninho vazio, perrengue com boletos, falta de trabalho, saúde mental, espiritualidade tardia: todos assuntos-tabus pouco explorados, ali estão em primeira pessoa. "Minha ideia sempre foi compartilhar os meus acertos depois que eu entendi que não ia morrer da doença, naquele primeiro estágio. O Kikando na maturidade é uma espécie de amuleto positivo para os meus pares. Mulheres 35+ que querem entender como será a maturidade e as mais velhas, como eu, que já chegaram lá mas precisam ressignificar seu caminhar. Tudo com humor, afinal, de gangorra eu entendo" – comenta Kika. Locais de lançamento do livro: RIO DE JANEIRO: 22/11/22. Livraria Travessa do Shopping Leblon FLIP – PARATY: 25/11/22. Casa de Cultura e Casa Gueto SÃO PAULO: 01/12/22. Livraria Travessa do Shopping Iguatemi LANÇAMENTO C/ DEBATE: 02/02/23. Livraria Janela. Jardim Botânico, RIO LANÇAMENTO c/ DEBATE: 02/03/23 Livraria Travessa. Niterói Dia 19 de abril, 19 horas - Livraria Travessa Barrashopping RJ Dia 19 de maio, 19 horas - Livraria Travessa Ribeirão Preto -SP CONVIDADA KIKA GAMA LOBO Carioca, tem 59 anos e trabalhou como assessora de comunicação do universo do luxo internacional. Separada, mãe de duas filhas, é uma das vozes do movimento 50+ no Brasil. Através de sua plataforma #Atitude50, é youtuber, palestrante e criadora de conteúdo on-line. Escreve sobre o tema da maturidade na revista Claudia e no site paulista https://inconformidades.com/ Contatos: (21) 99616-1915 | Kika Gama Lobo / Editora Lacre: (21) 98706-2404 | Flávia Portela [+] saiba mais OSB | Série Territórios 13/03 Música Ministério da Cultura e Instituto Cultural Vale apresentam Orquestra Sinfônica Brasileira estreia Série Territórios com concerto dia 13 de março, na Cidade das Artes O bandolinista Hamilton de Holanda é o solista do espetáculo que conta com regência de Wagner Polistchuk No ciclo que leva o nome da temporada da Orquestra Sinfônica Brasileira, a Série Territórios, os programas contarão com obras ligadas à origem do intérprete ou do compositor ou à narrativa que o autor utiliza na peça, fortalecendo a noção de pertencimento e saberes do povo. Na apresentação inaugural, dia 13 de março, na Cidade das Artes, o repertório explora algumas das produções do compositor e bandolinista Hamilton de Holanda, solista do concerto. O maestro Wagner Polistchuk assume a regência do espetáculo, que conta também com obras de Camargo Guarnieri e Heitor Villa-Lobos. Três compositores, três obras, três narrativas musicais. O programa deste concerto da Série Territórios – ciclo cujo título também dá nome à temporada 2024 da Orquestra Sinfônica Brasileira – destaca a produção de Camargo Guarnieri, de Heitor Villa-Lobos e de Hamilton de Holanda. O espetáculo propicia uma imersão na diversidade e na inventividade da música brasileira e conta com a regência do maestro Wagner Polistchuk. O próprio Hamilton de Holanda sobe ao palco como solista de sua obra, arranjada em versão orquestral por André Mehmari.  Escrita em 1942 e dedicada ao americano Aaron Copland, a Abertura Concertante é uma que representa de forma exemplar o estilo geral de Camargo Guarnieri. Nela convivem tanto o apelo e o entusiasmo nacionalista – traço tão fundamental da produção do compositor – quanto o seu esmero e a a sua sofisticada concepção formal. A obra se assenta sob um esquema ABA, com desenhos rítmicos fulgurantes e uma exploração vigorosa dos instrumentos. A abertura tem início com um gingado poderoso no qual cordas, tímpano e sopros tecem um hipnotizante jogo musical. É a trompa que realiza a transição entre o bloco inicial e a comovente seção central, que se caracteriza por seu alto teor expressivo. Em seguida, o clima festivo de início retorna mais uma vez, fechando a abertura em nota enérgica.   Na Paris de 1959, Villa-Lobos escrevia aquela que seria a sua última obra orquestral: a Suíte No. 2 A opulência das sinfonias e mesmo de algumas bachianas não estão presentes aqui: a Suíte II é, antes, uma obra intimista, cuja engenhosidade reside mais nas transparência das texturas do que na rutilância orquestral. Com exceção do "Scherzo", todos os movimentos da composição apresentam títulos de caráter nacionalista. A suíte começa em uma atmosfera sombria, com um "Lamento" plangente introduzido pelos violoncelos. Esse expansivo Andante Cantabile é sucedido por um scherzo que, apesar de espirituoso e colorido, não abre mão do enternecimento. Em seguida entra em cena o "Passeio", cujo conteúdo musical é terno e cativante. A "Canção Lírica", movimento seguinte, impressiona pela sua graciosidade e faz um comovente uso dos sopros. Em um poderoso efeito circular, a suíte se encerra com um Poco Moderato de título "Macumba", no qual o sortilégio musical retoma os ares assombrosos do primeiro movimento. Desbravando um novo caminho dentro do repertório da música brasileira, o compositor Hamilton de Holanda escreveu em 2013 nada menos do que 24 caprichos para o bandolim de 10 cordas. A ideia para a empreitada surgiu como um desafio de criatividade, mas logo se converteu em um projeto ambicioso que ganharia o Prêmio da Música Brasileira e seria indicado ao Grammy Latino. Com influências diversas – que vão de Paganini a Pixinguinha – o compositor tinha em mente um objetivo bem definido: consorciar virtuosismo e beleza, instigando instrumentistas e proporcionando ao ouvinte uma experiência sonora de força poética. Sete dos 24 Caprichos ganharam orquestração primorosa do compositor e arranjador André Mehmari e serão apresentados ao público pela primeira vez neste concerto da OSB.   [+] saiba mais Tainá descobrindo o TDAH | Lançamento de livro 16/03 Arte e Conhecimento Sobre o livro: Tainá é uma garotinha cheia de energia e ideias brilhantes, que adora brincar e aprender. Às vezes, ela fica tão empolgada que fala sem parar e não consegue ficar quieta na cadeira. Isso a faz sentir-se confusa e triste. Preocupados, seus pais a levam para conhecer a psicóloga Ana. Com a ajuda da Ana, Tainá descobre que tem algo chamado TDAH, que significa Turbo Doido da Alegria e da Hiperatividade. Ela aprende a reconhecer pensamentos que a ajudam a controlar seu turbo doido e outros que só a atrapalham. Com o tempo, Tainá começa a se sentir mais confiante e descobre que ser diferente é super legal!   Ricardo Bastos  (CBO 2394-25 e CBO 2239-15) É Psicopedagogo e Psicomotricista clínico, Especialista em Musicoterapia e em Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD). Além disso, é licenciado em História. Possui formação Internacional em Integração Sensorial para pessoas autistas, e conta com atualização profissional em Inclusão Escolar de Alunos no Espectro Autista. É educador e palestrante, apaixonado pelo universo infanto- juvenil e pela inclusão escolar, atuando, ainda, como sócio administrador e responsável técnico de Psicopedagogia e Psicomotricidade do Centro Terapêutico Psicologia em Família, também é escritor do livro Murilo descobrindo o autismo (Selo Asinha, Editora Ases da Literatura, 2023). ​(21) 98663-5209 – Ricardo Bastos psricardobastos@gmail.com @psiricardobastos Amanda Bastos (CRP 05/51038) É Neuropsicóloga e Psicóloga clínica, especialista em Neuropsicologia, em Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) e em Docência do Ensino Superior. Com formação internacional em LEGO®-Based Therapy e TCC com Crianças e Adolescentes, aperfeiçoada em Inclusão Escolar de Alunos no Espectro Autista. Atuando, ainda, como supervisora e responsável técnica de Psicologia do Centro Terapêutico Psicologia em Família, palestrante de congressos e conferências, escritora do livro Murilo descobrindo o autismo (Selo Asinha, Editora Ases da Literatura, 2023), Coordenadora do livro Manejos Clínicos: dicas do setting terapêutico (Editora Conquista, 2019), e coautora dos livros O desafio de Educar: educar hoje (Editora Conquista, 2018), e Temas em Neuropsicologia (Editora Conquista,2019). (21) 98663-5209 – Amanda Bastos psiamandabasto@gmail.com @psiamandabastos [+] saiba mais Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para crianças | Musical 16/03 a 31/03 Musical O premiado musical ‘Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças’ chega na Cidade das Artes, apresentado pelo Ministério da Cultura e pela Bradesco Seguros Comemorando 10 anos desde sua estreia, a fábula musical baseada na vida do Rei do Baião já foi vista por mais de 200 mil pessoas e recebeu prêmios do Centro Brasileiro de Teatro para Infância e Juventude e indicações ao Zilka Salaberry Visto por mais de 200 mil pessoas, que se encantaram com a emocionante adaptação da vida do Rei do Baião para os palcos, o musical infantil Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças conta com direção de Diego Morais e direção musical de Guilherme Borges. O espetáculo conta passagens da infância de Luiz Gonzaga no interior do Nordeste, com destaque para a descoberta do amor, quando o jovem Luizinho (Pedro Henrique Lopes) se apaixona por Nazinha (Aline Carrocino), filha de um coronel que não permite o namoro deles. O resultado é uma fábula de amor inocente, voltada para toda a família, embalada por grandes sucessos do músico, como “Asa Branca”, “Que Nem Jiló”, “Baião”, “O Xote das Meninas”, “Olha Pro Céu”, entre outros. O espetáculo foi indicado em 8 categorias nos maiores prêmios de teatro infantil do Rio de Janeiro e premiado na categoria como Melhor Atriz (Aline Carrocino) no Prêmio CBTIJ de Teatro Infantil 2015. “As crianças se divertem e os adultos sempre se emocionam. E o que buscamos é exatamente isso: um espetáculo que, ao mesmo tempo, aproxime as gerações, valorize a cultura brasileira, e que desperte a curiosidade. Muitas crianças pedem aos pais para escutarem as canções de Luiz Gonzaga depois de assistirem ao musical”, conta o diretor Diego Morais. [+] saiba mais Gênero: Livre | Teatro 16/03 a 31/03 Teatro Você é sempre a mesma pessoa? Você se comporta da mesma maneira em todo lugar? Não estamos sempre nos modificando, mudando de aparência, ideias e pontos de vistas? Por que a sociedade, então, não se cansa de cobrar padrões de comportamento masculinos e femininos? Essas perguntas e reflexões sempre nortearam a vida e a carreira de Christiana Guinle, artista de gênero fluido, que reestreia o monólogo “Gênero: Livre”. Com texto de Pedro Henrique Lopes e direção de Ernesto Piccolo, a peça parte de episódios da vida da atriz para construir uma narrativa sobre gênero, que vai dos preconceitos arraigados no nosso dia a dia aos debates sobre liberdade em um mundo pós-gênero. “Durante minha juventude, eu não tinha muitas referências de pessoas que se identificassem como fluidas. No máximo, tinham as pessoas andróginas. Eu tentava entender minha própria identidade. A descoberta da não-binaridade e a possibilidade de fluir entre os gêneros foram libertadoramente perturbadoras. Contei toda a minha história para o Pedro, que usou as minhas memórias para escrever um espetáculo sobre o respeito às nossas próprias individualidades. Queremos falar do corpo sem gênero. Das roupas sem gênero. Do sexo sem gênero”, descreve Christiana Guinle. A peça passeia não só pela trajetória de Christiana Guinle, mas resgata personagens importantes no debate da fluidez de gênero: Thomas Baty (1869-1954), umas das primeiras pessoas documentadas como “não-binárie”; a atriz Rogéria, com quem Christiana trabalhou e se tornou amiga; Kaká Di Polly, ícone drag dos anos 1980 e 90; a modelo trans Roberta Close; e muitas outras pessoas que contribuíram para a (des)construção social brasileira de gênero. Todos eles estão em cena através das falas e da vivência de Christiana Guinle. [+] saiba mais Daniel Lopes e Kwesny (KD O SHOW?!) | Stand-up e Improvisação 16/03 a 27/04 Outros Kwesny e Daniel Lopes são artistas/comediantes cariocas. Representando o subúrbio do Rio de Janeiro e a Baixada Fluminense. Fazem comédia desde 2012 com shows de stand up por todo o Rio de Janeiro e outros lugares do Brasil. Nesta trajetória de “viver da comédia” Eles acumularam muitas histórias e experiências que trazem ao palco pra descontrair e divertir a plateia contextualizando suas vivências, gerando identificação e certa dose de nostalgia. Kwesny já participou de diversos quadros em programas de TV. Faustão, Programa da Xuxa, Pânico na Band, The Noite com Danilo Gentili. E Daniel Lopes após ser finalista do concurso do Comédia em pé em 2012, se apresentou em diversos lugares do Rio de Janeiro e compôs times de peso em noites de comédia pelo Brasil. Foi do Elenco Fixo por 3 temporadas do tradicional espetáculo de humor “Terapia do Riso” e posteriormente ficou em seus shows de Stand Up. Com o surgimento da pandemia em 2020, todos os eventos e shows foram interrompidos, Kwesny e Daniel então decidiram postar vídeos de humor na internet pra entreter os expectadores durante este período difícil. Com temas sobre a vida do Brasileiro e comparações sobre “Raiz ou NUTELLA”, deste modo o trabalho deles foi reconhecido pelo público hoje em suas redes ultrapassam os 3 milhões de seguidores por todo o Brasil. Desde então Kwesny e Daniel Lopes vem postando cada vez mais conteúdo nas redes e lotando os teatros por onde passam, levando o material de suas vidas e criando coisas novas a cada apresentação. [+] saiba mais OSB Jovem | Abertura da Temporada 2024 19/03 Música Ministério da Cultura e Shell apresentam Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem inicia Temporada 2024 com concerto na Cidade das Artes, dia 19 de março Concerto de abertura conta com obras de Edvard Grieg, Georges Bizet e César Guerra-Peixe, sob regência do maestro Anderson Alves Dando largada em sua Temporada 2024, a Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem leva ao palco da Cidade das Artes, no dia 19 de março, um espetáculo cativante que contempla uma enorme diversidade de paisagens musicais e põe em cena toda a versatilidade técnica e expressiva do grupo orquestral. A regência fica a cargo do maestro titular Anderson Alves. Em 2024, a OSB Jovem segue para seu segundo ano de atividades com temporada própria e mentoria de músicos da OSB. O grupo reúne 50 músicos em busca de desenvolvimento musical, prática orquestral e perspectiva de carreira que foram selecionados levando em conta critérios de diversidade e inclusão social. Com o retorno da OSB Jovem, a Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira reafirma seu compromisso com a educação musical, presente em tantos outros projetos. A iniciativa conta a apresentação da Shell. “A manutenção da OSB Jovem se revela de extrema importância para esse grupo de jovens, que mostrou um aprimoramento impressionante já no primeiro ano de atividades. Neste segundo ano, a orquestra volta aos palcos ainda mais brilhante, evidenciando o contínuo desenvolvimento musical do conjunto”, explica Ana Flávia, vice-presidente da Fundação OSB. Sob regência do maestro titular Anderson Alves e com participações de maestros convidados, a OSB Jovem levará dez concertos ao longo do ano aos teatros da UERJ (Odylo Costa, filho, Noel Rosa e Concha Acústica Marielle Franco), Cidade das Artes e Sala Cecília Meireles. Abertura da Temporada 2024 será no palco do Teatro de Câmara, na Cidade das Artes Sob regência do maestro Anderson Alves, a OSB Jovem dá início à Temporada 2024 no Teatro de Câmara da Cidade das Artes, com um programa que tem início com o romantismo evocativo de Grieg, passa por uma rica experiência musical da ópera de Bizet, e culmina em uma homenagem de Guerra-Peixe ao legado de Candido Portinari. O repertório começa passeando por paisagens nórdicas com a “Suite Jorsalfar”, de Edvard Grieg, que faz parte do tríptico que deriva da música incidental que o norueguês escreveu para a peça teatral de seu conterrâneo Bjørnstjerne Bjørnson e reflete sonoramente o caráter dramático e desbravador do texto. Cada movimento retrata o estilo romântico do compositor, apresentando melodias cativantes e rica orquestração. Segunda peça do concerto, "Carmen Suite No. 2", de Georges Bizet, é uma obra baseada em temas da ópera "Carmen". A suíte foi criada após a morte de Bizet, sendo compilada por Ernest Guiraud. Com seis movimentos, a suíte captura a vitalidade, paixão e riqueza melódica que tornaram "Carmen" uma das óperas mais populares do repertório clássico. Cada movimento destaca diferentes aspectos da trama e dos personagens, proporcionando uma experiência musical envolvente e vibrante. A obra que encerra o programa, “Tributo a Portinari”, de César Guerra-Peixe, foi inspirada em quatro quadros do artista plástico brasileiro: “Família de emigrantes”, que recorda o êxodo rural nordestino, “Espantalho”, que caracteriza a humanização do boneco, representante da melancolia de quem vive dia e noite na solidão, “Enterro na rede”, que ilustra um defunto carregado na mesma rede em que dormia e “Bumbameu-boi”, folguedo característico do Nordeste.   A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA: Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 83 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura. Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, tem o Instituto Cultural Vale como Mantenedor Amazônia, Shell como Patrocinador Cerrado, NTS - Nova Transportadora do Sudeste como Patrocinador Mata Atlântica, Itaú - Redecard e Volvo como Patrocinadores Caatinga, Brookfield e Sergio Bermudes Advogados como Patrocinadores Pampa, CYMI como Patrocinador Pantanal e Bradesco como Patrocinador da Série Mundo, além de um conjunto de apoiadores culturais e institucionais.   [+] saiba mais OSB | Série Mundo: Rússia 20/03 Música Ministério da Cultura e Instituto Cultural Vale apresentam Série Mundo, da Orquestra Sinfônica Brasileira, celebra a música da Rússia, dia 20 de março, na Cidade das Artes Javier Logioia Orbe é o maestro convidado para o concerto que terá o pianista Gustavo Carvalho como solista Desde sua concepção, a Série Mundo, da Orquestra Sinfônica Brasileira, vem homenageando compositores e músicos de diversas regiões do globo. A apresentação que dá partida ao ciclo de concertos da série em 2024, dia 20 de março na Cidade das Artes, prestigia a riqueza musical e a tradição sinfônica da Rússia. O espetáculo conta com a regência de Javier Logioia Orbe e o solo de piano de Gustavo Carvalho. No programa, uma seleção de obras do conceituado compositor russo Piotr Ilitch Tchaikovsky. A Série Mundo conta com o patrocínio do Bradesco. Neste primeiro espetáculo da Série Mundo de 2024 , a Orquestra Sinfônica Brasileira realiza uma viagem sonora à Rússia, através de obras de um de seus compositores mais representativos: Piotr Ilitch Tchaikovsky (1840 – 1893). Da vasta produção desse mestre romântico – cujo trabalho é marcado por melodias apaixonantes e enorme carga expressiva – serão ouvidos o virtuosístico Concerto para Piano No. 1 e a pungente Sinfonia No. 6, em Si Menor. Quem assume a regência é o maestro Javier Logioia Orbe, e o solista convidado é o talentoso pianista Gustavo Carvalho. "Sem valor, absolutamente impossível de ser tocado… trechos tão desorganizados, tão desconexos, tão mal escritos, que nem mesmo poderiam ser melhorados; (...) seria melhor se todo o resto fosse destruído". Quem lê as duras palavras de Anton Rubinstein fora do contexto em que elas foram proferidas jamais imaginaria que elas se referem ao Concerto para Piano No. 1 em Si Bemol Menor de Tchaikovsky. Felizmente, ao invés de descartar a obra, o compositor optou por dedicá-la a outro pianista, Hans von Büllow, que foi responsável pela estrondosa premiére americana. O evento não apenas popularizou o nome de Tchaikovsky nos EUA, mas também firmou a composição no cânone dos concertos para piano. Mesmo os menos iniciados reconhecem de imediato, os primeiros compassos do "Allegro non troppo e molto maestoso". Robusto e apaixonante, esse primeiro movimento apresenta um sem número de desafios técnicos ao solista, e conta com duas cadenzas brilhantes e virtuosísticas. O andamento central é um terno "Andantino semplice" cuja atmosfera de leveza é reminiscente dos balés de Tchaikovsky. O concerto chega ao fim com um compacto mas empolgante rondó, cujo clímax culmina em uma cascata brilhante de oitavas no piano. Em 1893, 18 anos após compor o seu Concerto para Piano No. 1, Tchaikovsky concluiu aquela que seria sua última sinfonia: a de No. 6, em Si menor, Op. 74. "Nunca em minha vida estive tão contente, tão orgulhoso, tão feliz sabendo que escrevi uma boa peça", relataria o compositor em carta ao seu editor. Toda essa satisfação e contentamento, no entanto, contrastam profundamente com o teor emocional da obra. Apelidada de "Patética", a sinfonia é sombria e densa, com episódios de grande carga dramática. O primeiro movimento – quase duas vezes mais longo que os demais – começa em um tom de resignação que estabelece a aura de toda a obra. Em pleno domínio de suas capacidades imaginativas, o compositor consorcia forma tradicional e conteúdo inovador, manipulando as forças orquestrais em favor de um efeito pungente. No segundo movimento, o pathos cede lugar à ternura, com uma "quase-valsa" (em 5/4) que incorpora a "Canção da Flor" de "Carmen", uma das óperas favoritas do russo. O "Allegro molto vivace", por sua vez, é de um entusiasmo triunfante mas oco, o que confere a ele certo acento trágico. A sinfonia termina com um inesperado movimento lento, marcado "Adagio lamentoso", que conclui a obra em ares fúnebres. O próprio Tchaikovsky regeu a estreia da obra, em 28 de outubro de 1893. Ele morreria 9 dias depois.   A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA: Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 83 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura. Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, tem o Instituto Cultural Vale como Mantenedor Amazônia, Shell como Patrocinador Cerrado, NTS - Nova Transportadora do Sudeste como Patrocinador Mata Atlântica, Itaú - Redecard e Volvo como Patrocinadores Caatinga, Brookfield e Sergio Bermudes Advogados como Patrocinadores Pampa, CYMI como Patrocinador Pantanal e Bradesco como Patrocinador da Série Mundo, além de um conjunto de apoiadores culturais e institucionais. [+] saiba mais Afonso Padilha - Ninguém se importa | Turnê 2024 30/03 Outros NINGUÉM SE IMPORTA Fim do mundo, amigos tendo filhos, vida adulta... O curitibano Afonso Padilha começou no Stand Up Comedy no fim do ano de 2009 fazendo open mic. Em 2011 entrou como convidado fixo do grupo Santa Comédia (primeiro grupo de stand up do sul do Brasil formado por Léo Lins, Fábio Lins e Marco Zenni) e começou a viajar pelo Brasil participando dos melhores shows do circuito. Participou dos maiores festivais de comédia do país: Risológico, Risorama, Risadaria e Virada Cultural paulista - palco stand up. Foi considerado um dos humoristas revelações em 2012. Passou pelo programa Tudo é Possível, da Ana Hickman, como quinto elemento e posteriormente como jurado no concurso de comédia. Participou ainda do programa Agora é Tarde, do Danilo Gentili.Afonso também já foi roteirista do Porta dos Fundos e Comedy Central. Como autor tem 3 peças escritas, duas encenadas: "Eu te odeio, meu amor" e "Até que o casamento nos separe", ambas feitas no festival de teatro de 2012. A peça "Até que o casamento nos separe" continua em cartaz e está rodando o Brasil com atuações de Marco Zenni e Lilian Marchiori. Além de comediante e humorista, também está tentando a carreira como escritor, com três livros escritos, um infantil, PAPAI CADE DO VOVÔ? (Sobre o abandono paterno), o E-book NÃO TÁ COMPENSANDO FICAR ISOLADO (crônicas/cenas com pano de fundo a pandemia) pano de fundo a pandemia) e livro impresso O EVANGELHO SEGUNDO UM HUMORISTA (crônicas/cenas baseadas no velho e novo testamento). [+] saiba mais João Pimenta no PIMENTAVERSO | Stand Up Comedy 06/04 Outros João Pimenta reúne suas referências, vivência de um negro periférico e suas histórias mais mirabolantes, no seu primeiro solo de Stand Up Comedy. Passando pelo passado, presente e até um vislumbre do futuro, o comediante baiano com 16 anos de carreira, nos dá um gostinho de todo caos, aleatoriedade e causos inusitados que formam sua vida. Senhoras e senhores, o Pimentaverso está entre nós. Sobre João Pimenta João Pimenta é natural de Pojuca-BA, escreve textos e contos desde a infância, já vendeu coxinha numa lan house e morava na rua onde "tudo acontecia", de onde tirou suas primeiras histórias. Desde 2011 produzindo pra internet e desde 2009 fazendo stand up comedy, João mantém-se entre as atividades digitais, palco, séries e esquetes. João é formado em comunicação e em 2020 integrou o elenco do Porta dos Fundos, maior humorístico da América Latina, onde está atualmente roteirizando e atuando. [+] saiba mais Junior Chicó - Como partir o coração de um aquariano | Stand Up Comedy 20/04 Outros COMO PARTIR O CORAÇÃO DE UM AQUARIANO Em seu segundo show solo de StandUp Comedy, Junior Chicó conta com muito bom humor os desastres amorosos vividos ao longo da vida. Aquariano nato, o humorista não tem pudor ao levar pro palco os motivos pelos quais chorou escorregando na parede do banheiro ouvindo Celine Dion. [+] saiba mais