Fundação Cidade das Artes

Programação » Jacksons do Pandeiro | Musical

Evento Encerrado

Jacksons do Pandeiro | Musical



APÓS SUCESSO COM ESTREIA PIONEIRA NA TELEVISÃO E INTERNET, BARCA DOS CORAÇÕES PARTIDOS FAZ TEMPORADA PRESENCIAL DE ‘JACKSONS DO PANDEIRO’

Jackson do Pandeiro ganha ‘homenagem sincopada’ com direção de Duda Maia, texto de Braulio Tavares e Eduardo Rios e direção musical de Alfredo Del-Penho e Beto Lemos

Espetáculo estreou ao vivo em transmissão do Canal Bis e no YouTube


Vencedor Prêmio APTR – Espetáculo inédito ao vivo
Indicado Prêmio APCA – Melhor Espetáculo Virtual

Reconhecida por seu trabalho baseado em teatro e música, a companhia Barca dos Corações Partidos escolheu um homenageado à altura em seu novo projeto: Jackson do Pandeiro (1919-1982), cantor, compositor e multi-instrumentista paraibano que recebeu a alcunha de ‘Rei do Ritmo’ por suas mais de 400 canções recheadas de gêneros brasileiríssimos, como samba, forró, coco, baião e frevo.

Após incursões pela obra de Mario de Andrade (‘Macunaíma, Uma Rapsódia Musical’) e Ariano Suassuna (‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’), a Barca se debruçou sobre este cancioneiro para criar um espetáculo inédito. ‘Jacksons do Pandeiro’ não é uma biografia, mas o texto – assinado por Braulio Tavares e Eduardo Rios – aborda episódios e músicas de Jackson que se relacionam com a vida dos atores em cena. Dirigida por Duda Maia, a montagem estrearia em abril de 2020, mas foi adiada a poucos dias de seu lançamento por conta da pandemia.

Após promover um festival virtual e produzir clipes durante a quarentena, a Barca dos Corações Partidos retomou os ensaios e estreou virtualmente o espetáculo, que tem direção musical de Alfredo Del-Penho e Beto Lemos e idealização de Andréa Alves, da Sarau Agência, produtora da Barca desde a sua criação.

Passado o enorme sucesso da pioneira estreia pela televisão e internet, ‘Jacksons do Pandeiro’ fará agora a sua primeira temporada presencial, de 7 a 30 de janeiro, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro.

*******

O universo rítmico de Jackson do Pandeiro norteou toda a concepção do musical. Responsável pela preparação corporal do primeiro espetáculo da Barca, Duda Maia está no DNA da companhia, em parceria que se consagrou com a direção do premiado ‘Auê’ (2016). Desta vez, ela aprofundou ainda mais a ideia de ‘corpo-rítmico’ dos atores, ao abordar um compositor cuja obra é marcada pelo suingue, ginga e síncope, aquele tempo musical presente no samba e em outros gêneros, quando o ritmo sai do tempo esperado.

Os integrantes da Barca (Adrén Alves, Alfredo Del-Penho, Beto Lemos, Eduardo Rios, Fábio Enriquez, Renato Luciano e Ricca Barros) dividem a cena com três artistas convidados: Everton Coroné, Lucas dos Prazeres e Luiza Loroza. Juntos, eles passaram meses envolvidos em oficinas, pesquisas e em um longo processo de ensaios, quando o texto foi desenvolvido a partir de exercícios e histórias pessoais.

‘Optamos por distribuir a ação em brincantes que contam pedaços de suas histórias pessoais, as quais em muitos pontos coincidem com a história de Jackson. Falando de Jackson, falamos desses nordestinos anônimos. Falando deles, falamos do cantor e compositor que levou a vida deles para as rádios e as TVs, em forma de cocos e baiões’, analisa Braulio Tavares, natural de Campina Grande (PB) e autor de ‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’, que desta vez divide a dramaturgia com o pernambucano Eduardo Rios, fundador da Barca e integrante de todas as seis montagens da companhia. Ambos têm profunda relação com a cultura nordestina e sua poesia popular.

‘Jacksons do Pandeiro’ traz ainda músicas novas, que transformam a obra do homenageado, ao dar novos arranjos, acrescentar letras e introduzir canções criadas no processo.  ‘É um ‘pedir licença’ à obra dele, mas sem deixar de homenageá-lo com todo respeito, carinho e admiração’, conta Eduardo Rios, que ressalta a participação ativa da diretora Duda Maia neste trabalho. ‘O texto surgiu depois dos ensaios já estarem seguindo. Duda entende a dramaturgia não somente como palavra falada. A ligação das cenas é feita por palavras, músicas ou por uma coreografia, por algo que não está escrito’, diz.

Vinda do sucesso ‘Elza’, a diretora frisa que a encenação foi construída através de musicalidade e corporeidade, uma marca de seu trabalho. Assim como nas montagens anteriores, todos os instrumentos são tocados pelos atores em cena. ‘Trazemos a forma sincopada do canto para o jogo de cena o tempo todo. Em nosso título, Jacksons aparece no plural porque são várias histórias que se cruzam e se confundem com Jackson’, conta Duda Maia.

A diretora revela ainda que dividiu o palco em dois espaços cenográficos, nos quais os atores brincam com seus diferentes níveis e alturas. Como Jackson era fã de filmes de faroeste, ela concebeu a encenação de algumas canções como pequenos curtas-metragens ou clipes animados, apresentados em um local que remete a uma tela de cinema.

 

Samba, forró, baião e coco: um Garrincha da música

Vencedores dos prêmios Shell, APTR, Cesgranrio, Reverência e Botequim Cultural pelo trabalho em ‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’, Alfredo Del Penho e Beto Lemos repetem a parceria na direção musical do espetáculo. Após minuciosa pesquisa de Alfredo, mais de 400 composições compostas ou gravadas por Jackson foram levantadas e o grupo passou um período trabalhando em exercícios após a audição das canções. A lista comprova que Jackson era um artista sem fronteiras e que nunca se prendeu a um gênero específico, passeando por samba, forró, baião, coco, frevo, entre muitos outros.

O repertório contempla sucessos como ‘Sebastiana’, ‘O Canto da Ema’, ‘Chiclete com Banana’ e ‘Cantiga do Sapo’, além de canções menos conhecidas que revelam mais da alma brasileira e sincopada do artista. ‘Dá para dizer que ele era um Garrincha da música. Às vezes, o texto aparece em forma de música, às vezes como uma poesia ou um poema musicado. Cada vez que ele aparece, ele propõe uma nova brincadeira rítmica - mesmo não tendo uma métrica de poesia - por meio de um jogo de palavras ou outro mecanismo. A nossa ideia é fazer isso para dialogar com as músicas do Jackson, que tinham poesia, brincadeira e alegria’, resume Braulio Tavares.

Jackson do Pandeiro
Natural de Alagoa Grande (PB), José Gomes Filho (1919-1982) iniciou a sua trajetória artística ao acompanhar a mãe em rodas de coco, nos arredores de um engenho. Alfabetizado aos 35 anos, ele migra para o Rio de Janeiro e estreia em disco (1953) com um compacto que trazia dois sucessos que marcariam a sua carreira: ‘Sebastiana’ e ‘Forró em Limoeiro’. Nos anos que seguiram, participou de filmes, festivais e apresentou composições – a maioria com um toque característico de humor – que entrariam para a história da música popular brasileira. Deixou como legado mais de 140 discos recheados dos mais diversos gêneros, como samba, forró, baião, entre outros.

A Barca dos Corações Partidos:
 A Barca dos Corações Partidos se formou após a montagem de ‘Gonzagão – A Lenda’ (2012), que rodou o Brasil por cinco anos em dezenas de cidades e centenas de apresentações. O tributo a Luiz Gonzaga foi sucedido por uma nova versão da emblemática ‘Ópera do Malandro’ (2014), de Chico Buarque. O terceiro espetáculo da trupe, ‘Auê’ (2016), usou como dramaturgia uma safra de canções inéditas compostas pelos próprios integrantes e misturava linguagens como teatro, show, circo e recital. Em 2017, a Barca comemorou os 90 anos de Ariano Suassuna com ‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’, texto inédito de Bráulio Tavares, com direção de Luiz Carlos Vasconcellos e músicas compostas especialmente pelo grupo em parceria com Chico César. O musical rendeu dezenas de troféus nas mais importantes premiações teatrais do país. Em 2019, a companhia passou nove meses estudando o clássico ‘Macunaíma’, de Mario de Andrade, ao lado da diretora Bia Lessa. O processo resultou na montagem de ‘Macunaíma – Uma Rapsódia Musical’, que colheu elogios em temporadas no Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte. Produtora das cinco montagens e de ‘Jacksons do Pandeiro’, Andréa Alves, da Sarau Agência, foi também a idealizadora de todos os projetos.

 


Direção: Duda Maia
Dramaturgia: Braulio Tavares e Eduardo Rios
Direção Musical: Alfredo Del-Penho e Beto Lemos
Idealização e Direção de Produção: Andréa Alves

Com a Cia. Barca dos Corações Partidos - Adrén Alves, Alfredo Del-Penho, Beto Lemos, Eduardo Rios, Fábio Enriquez, Renato Luciano e Ricca Barros

E os artistas convidados - Everton Coroné, Lucas dos Prazeres e Luiza Loroza

Figurinos: Kika Lopes e Rocio Moure  
Cenário: André Cortez
Iluminação: Renato Machado
Design de som: Gabriel D’Angelo
Visagista: Uirandê de Holanda
Assistente de Direção: Júlia Tizumba, Eduardo Rios e Adrén Alves
Assistente de figurino: Masta Ariane
Assistente de cenografia e produção de arte: Tuca Benvenutti  

Coordenação de Produção: Rafael Lydio

Este projeto conta com o incentivo fiscal da Lei de Incentivo à Cultura

Apoio: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, RIOTUR e Cidade das Artes

Realização: Sarau Cultura Brasileira, Secretaria Especial de Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal

--------

Mais informações:
Pedro Neves - pedro@factoriacomunicacao.com - (21) 2249-1598


>>>>>>>> <<<<<<<<<<
NÃO SE ESQUEÇAM:
O comprovante de vacina contra a Covid-19 é obrigatório desde 15 de setembro, no Rio, para a visitação e entrada em alguns estabelecimentos e locais de uso coletivo. Junto a ele é necessário apresentar documento de identidade com foto.

Quais serão aceitos e como emitir?
-> Certificado de Vacinação Digital (disponível no aplicativo Conecte SUS).
-> Caderneta de Vacinação Impressa em Papel Timbrado (Disponibilizada na hora da vacinação pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, pelos Institutos de Pesquisa Clínica ou outras Instituições governamentais nacionais ou estrangeiras).

DECRETO RIO Nº 49335 DE 26 DE AGOSTO DE 2021.




Musical

Informações Gerais

Datas

14/01/22 a 30/01/22

Horários

14/01 - Estreia (Sexta-feira)
20h30

17/01 - Sessão extra (Segunda-feira)
20h30

Quarta a Sábado
20h30

Domingo
18h

Ingressos
Plateia 1:  R$110,00 (inteira) | R$55,00 (meia)
Plateia 2 e Frisa:  R$90,00 (inteira) | R$45,00 (meia)
Camarotes e Galerias: R$50,00 (inteira) | R$25,00 (meia)

 

Quer ouvir a playlist do musical? CLIQUE AQUI

Duração

120 Minutos em média

Local

Cidade das Artes

Sala

Grande Sala

Classificação Etária

10 Anos

Demais Eventos da Programação

Maquete de LEGO® do Rio de Janeiro I Exposição Permanente 08/03 a 31/01 Artes Visuais LEGO® doa ao Rio de Janeiro a maquete feita com 947 mil peças A maquete do Rio de Janeiro feita totalmente em LEGO foi construída para homenagear de forma criativa e inusitada a cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016 e ficará exposta permanentemente na Cidade das Artes como legado cultural. A construção destaca os 25 importantes ícones da cidade como o Pão de Açúcar, o Cristo Redentor, os Arcos da Lapa, o Maracanã, entre outros. [+] saiba mais Vacinação COVID-19 10/01 a 18/12 Outros A vacinação acontece no 2° andar da Cidade das Artes (Esplanada), é preciso apresentar documento de identidade e número do CPF. O comprovante de vacinação deverá ser guardado e apresentado quando chegar a hora de tomar a próxima dose da vacina.  A vacinação contra a COVID-19 a cada dia é destinada a grupos indicados nos calendários oficiais de vacinação divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde, verifique sempre nos sites e redes sociais oficiais da Prefeitura e da Secretaria Municipal de Saúde. O ponto de vacinação (PV), na Cidade das Artes foi inaugurado em 31 de março de 2021, pela Secretaria Municipal de Saúde, para facilitar o acesso da população.   [+] saiba mais Curso ArteGrimberg | Teatro 10/03 a 16/12 Projeto CDA A Companhia Teatral ArteGrimberg foi fundada pela diretora Natalia Grimberg no ano de 1993, quando começou a ministrar aulas no espaço do extinto Teatro de Lona da Barra. Nos anos seguintes ministrou aulas no Teatro dos Grandes Atores (Shopping Barra Square), no também extinto Teatro do Barra Shopping e no Teatro Antônio Fagundes. Já em 2001, junto com seus irmãos Nado Grimberg e Tatiana Grimberg, decidiu abrir as portas de um espaço próprio, dedicado ao exercício das artes, e oferecer o Curso Livre de Teatro para todas as idades. Somos uma escola de reconhecida competência e tradição, com professores qualificados e capacitados, e com a missão de garantir a melhor experiência de aprendizado aos seus alunos. Temos orgulho de já ter formado muitos dos atores mirins que atualmente são profissionais reconhecidos e fazem sucesso na mídia. O curso tem duração de 1 ano e é dividido em duas etapas. Na primeira, as aulas de teatro são compostas por exercícios teatrais, improvisação, trabalho de corpo e voz, dinâmicas e noções de palco. Na etapa seguinte inicia a prática dos ensaios para as apresentações de fim de ano. Todas as turmas se apresentarão e todos os alunos receberão um personagem para interpretar. O curso de teatro é coordenado por Nado Grimberg e conta com uma qualificada equipe de professores e assistentes, que tem como objetivo desenvolver a criatividade, a forma de se expressar, e o autoconhecimento. [+] saiba mais Visitinha nas Artes | Visita guiada 13/03 a 18/12 Arte e Conhecimento Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, Riotur e Cidade das Artes através do Programa de Fomento à Cultura Carioca apresentam VISITINHA NAS ARTES O que é ? Visitinha nas Artes é um projeto que se propõe a fazer com que as crianças entendam, conheçam e se apropriem do equipamento cultural e da ideia que está por trás da concepção da Cidade das Artes. Essa experiência levará a compreensão de que as artes são plurais e vitais para a existência humana. A visitinha conta com a Batutinha, personagem que é a alma de um menina negra que almeja ser maestrina e caminha batendo os pés no ritmo das músicas, como se estivesse batendo num tambor. Seu amor pelas artes a levou a se abrigar na Cidade das Artes e aqui ficar, servindo como exemplo de representatividade, inclusão e inspiração para jovens artistas. Como funciona a visitinha? A visita é gratuita mediante agendamento por esse link, sempre aos domingos, às 11h, com grupos de 45 pessoas (20 crianças + 25 responsáveis). Duração de aproximadamente 90 minutos, sendo 45 minutos para a Visita Guiada e os outros 45 minutos para a Oficina. Todos os participantes irão receber fones de ouvido para acompanhar a explicação do guia durante o percurso da visita guiada. 1) Visita guiada O roteiro, que vai percorrer diversos espaços da Cidade das Artes e dura em torno de 45 minutos, foi desenvolvido do ponto de vista das crianças, estimulando o sonho, treinando o olhar para os detalhes e abrindo suas mentes para que se coloquem na posição de artistas. A personagem Batutinha, é inserida nesta parte da visitinha de forma imaginária. Todos os participantes receberão fones de ouvido que serão utilizados para a comunicação entre o guia e os participantes. 2) Oficina A oficina de musicalização infantil com duas professoras. Uma das professoras é a Batutinha e a outra, uma musicista convidada. Existe uma relação entre a Batutinha andar marcando os pés no ritmo das músicas e seu desejo em ser maestrina. Antes do surgimento da figura do maestro, os músicos das orquestras eram "guiados" por uma marcação de tempo, ou seja, a marcação de tempo é, de forma bem simples, a primeira função do maestro em um coro ou orquestra. A aula ensinará de forma lúdica a importância do ritmo através de brincadeiras, percussão corporal e canto. Conceitos musicais como regência, naipe, ritmo, melodia e harmonia também serão apresentados durante a aula. A idade das crianças para participar das oficinas deve ser de 3 a 12 anos. Crianças de colo poderão participar somente da Visita Guiada. Acessibilidade: Um profissional intérprete de libras fará parte da equipe de guias da visitinha. Lembretes: - Credenciamento: Todos devem chegar com 30 minutos de antecedência para fazer o credenciamento. É necessário um documento de identificação original ( RG e/ou CPF) para retirada do equipamento de áudio; - O ponto de encontro e o credenciamento fica localizado no receptivo da Cidade das Artes no 2º andar (Esplanada); - O uso de máscara é obrigatório; - O comprovante de vacina contra a Covid-19, para maiores de 18 anos, é obrigatório no Rio desde 15 de setembro de 2021 para a visitação e entrada em alguns estabelecimentos e locais de uso coletivo (Decreto Rio nº 49335 de agosto de 2021). - É exigida a presença de uma pessoa responsável por criança durante toda a visita.   [+] saiba mais Cine Arte | Pedro Almodóvar 30/03 a 29/06 Arte e Conhecimento Almodóvar, um dos maiores, se não o maior cineasta espanhol, será o objeto de discussão desse ciclo de encontros do Cine Artes. Com uma filmografia única e marcada por sua estética própria com cores fortes e personagens que beiram o surreal, o cineasta que já passou por indicações e prêmios internacionais, investe na presença feminina, explora as fronteiras da sexualidade e cria um universo autoral repleto de paixões. Vamos começar com seu mais novo lançamento, Mães Paralelas e seguiremos apresentando o autor por mais quatro obras, Carne Trêmula, Volver, Fale com ela e A pele que habito. Para quem já é amante de Almodóvar é uma ótima oportunidade para debater sobre sua obra, para quem está conhecendo será um momento para mergulhar um pouco mais em seu universo dramático. [+] saiba mais Workshop e Palestra | Música 17/05 Arte e Conhecimento Workshop Horário: 16h Tema: Regência e liderança feminina na música”.   Simone Leitão, pianista e diretora artística da Academia Jovem Concertante, convida Zoe Zeniodi, premiada maestra grega, para um workshop e bate-papo sobre a liderança e regência feminina na música de concerto. Palestra  Horário: 17h Tema: Empreendedorismo e gestão de carreira para músicos Em um bate-papo sobre empreendedorismo e gestão de carreira para músicos, Simone Leitão, empresária, pianista e diretora artística da Academia Jovem Concertante conta um pouco da sua experiência nesse meio em que está há tantos anos.  [+] saiba mais Rebento | Lançamento de Livro 21/05 Arte e Conhecimento A autora Fernanda Oliveira lança o seu quinto livro, Rebento, uma seleção de poesias que retrata o amor pelas palavras e a crença em seu potencial transformador. No lançamento teremos uma roda de conversa com a autora e recital de poesia com música incidental ao vivo, além da tradicional sessão de autógrafos, fotos e sorrisos que acompanham os eventos da Hanoi Editora. SOBRE O LIVRO "Cuidado! Não leia! Cuidado! Seu coração será transformado, seu pensamento, modificado e seu caminho não estará mais traçado. Por isso, não leia! Cuidado! Você corre o risco de ser raptado pelo desejo do progresso, para o qual está fadado." Fernanda Oliveira [+] saiba mais Orquestra Sinfônica Brasileira | Série Músicos da OSB 21/05 a 22/05 Música Ministério do Turismo e Instituto Cultural Vale apresentam: Récita de domingo integra os Concertos para a Juventude – apresentações de caráter didático com ingressos a preços populares Jogar luz sobre as individualidades artísticas dos músicos da orquestra, colocando-os na posição de solistas em grupos de câmara. Esta é a proposta da Série Músicos da OSB, cujo primeiro programa de 2022 a Orquestra Sinfônica Brasileira levará ao palco do Teatro de Câmara, na Cidade das Artes, dias 21 e 22 de maio. Ubiratã Rodrigues, violinista da OSB, atuará como regente nas apresentações. O concerto do sábado (21) é noturno (19h), enquanto o do dia 22 (domingo) integra os Concertos para a Juventude – récita matutina, de caráter didático, com ingressos a R$10. A obra de Shostakovich que abre este espetáculo é, na verdade, uma transcrição orquestral feita por Rudolf Barshai – amigo e discípulo de compositor – para o Quarteto de Cordas No. 4, escrito em 1949. Shostakovich idealizou o quarteto como um ato de protesto contra o antissemitismo na União Soviética, e a peça apresenta uma forte inflexão judaica, sobretudo no movimento final. Neste ambicioso arranjo realizado por Barshai, a tensão dramática do Quarteto em Ré maior ganha novas proporções, principalmente por conta das brilhantes escolhas instrumentais. Mesmo que Mozart seja primariamente lembrado como um grande virtuose das teclas, é importante lembrar que ele também foi um exímio prodígio de outro instrumento: o violino. A informação não apenas dá à genialidade mozartiana uma nova camada, mas também explica a desenvoltura idiomática das suas obras para o instrumento de cordas. De todos os ensaios de Mozart no gênero, o Concerto para Violino e Orquestra No.3, em Sol Maior, K.216 – segunda obra deste programa – é certamente um dos mais conhecidos. Nele, a leveza orquestral e a graciosidade no manejo da escrita se complementam em um todo de puro frescor. Embora reminiscente dos concerti-grossi barrocos, a última peça do programa, o Divertimento para Orquestra de Cordas de Béla Bartók, é uma obra original, de texturas neoclássicas. Escrita no ano de 1939, em 15 dias de extrema concentração e produtividade, a composição foi encomendada pelo maestro suíço Paul Sacher, famoso patrono musical responsável por comissionar as Metamorphosen de Strauss e o Concerto em Ré, de Stravinsky. Criados em 1943, os Concertos para Juventude têm como fundamento promover uma aproximação entre o público e a música de concerto. Para isso, a série é composta por apresentações didáticas que, em 2022, contam com a atriz Suzana Nascimento como mestre de cerimônia. A performance musical é intercalada com informações sobre as obras apresentadas e seus compositores, além de curiosidades sobre o funcionamento de uma orquestra sinfônica e seus instrumentos. E para deixar o concerto mais dinâmico, o programa é mais curto em relação ao apresentado na noite anterior. Na manhã de domingo (22/5), o segundo movimento da obra de Shostakovich e os dois movimentos finais da peça de Mozart serão suprimidos. A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA: Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 81 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura.  Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, tem o Instituto Cultural Vale como mantenedor e a NTS - Nova Transportadora do Sudeste, como patrocinadora master e a Brookfield como patrocinadora, além de um conjunto de copatrocinadores e apoiadores culturais e institucionais. [+] saiba mais BORA RIR | Espetáculo de Comédia Stand-up 27/05 Teatro O Bora Rir é um projeto de stand-up comedy itinerante. A ideia é ocupar todo o Rio de Janeiro com os melhores humoristas do cenário nacional, valorizar a cena carioca e servir de palco para revelação de novos talentos. Sempre um show diferente: Além de dirigir, Paulinho Serra também se apresenta nas edições do Bora Rir, junto com humoristas consagrados da comédia nacional, que se revezam pelos shows, fazendo com que cada espetáculo seja sempre diferente. O quarto elenco da temporada 2022 de stand-up “Bora Rir” apresenta: Paulinho Serra, Cezar Maracujá e Victor Ahmar. Bora Lá! Bora Rir!   [+] saiba mais A Fabulosa Trupe da Galinha Pintadinha 28/05 a 29/05 Teatro A Galinha Pintadinha vive uma nova aventura em busca do Pintinho Amarelinho que se perdeu. No caminho, eles irão encontrar muitos amigos já conhecidos por toda a família brasileira: A Borboletinha, a Baratinha, o Sapo Cururu e muitos outros. Tudo isso em um espetáculo mágico, com muita luz, música e incríveis animações. [+] saiba mais Oficina de Teatro Inclusivo | Um reencontro com a arte 07/06 a 24/11 Arte e Conhecimento Artes cênicas, técnicas de yoga e reiki serão oferecidas, de forma gratuita, aos idosos e pessoas com deficiência intelectual. A Escola Pé na Arte apresenta a Oficina de Teatro Inclusivo, projeto que oferece aulas gratuitas para idosos e pessoas com deficiência intelectual, visando levar a cultura do teatro, além de desenvolver e ampliar as habilidades funcionais. A oficina terá início em junho e será realizada na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca (RJ), duas vezes por semana. Sabemos que a arte teatral tem o grande poder de mudar a forma como as pessoas interagem com o mundo, desenvolvendo habilidades, promovendo integração e rompendo as barreiras sociais. Foi pensando nisso que o ator e arte educador Zecarlos Moreno, diretor da Escola Pé na Arte, criou a Oficina de Teatro Inclusivo. A partir de sua experiência com o grupo de teatro inclusivo o qual ministra aulas, e que seguiu online durante a pandemia, Zecarlos imaginou ser esse um caminho para alcançar mais pessoas, promovendo a cultura e a socialização: “Quando falamos de teatro inclusivo, estamos abordando não somente os preconceitos sociais, mas também os relacionados à idade e às deficiências intelectuais. Com a oficina visamos, através das artes cênicas, colaborar para que os alunos inscritos possam se encontrar no ambiente cultural, proporcionando autoconhecimento, equilíbrio, criatividade e entrosamento em grupo.” A Oficina de Teatro Inclusivo reforça que o acesso às artes é relevante para viabilizar a inclusão humana e para o reconhecimento das diferenças como potencialidades. Outro ponto importante é a territorialização do edital, que privilegiou projetos culturais da Zona Oeste. “A oficina estará disponível para todos, mas queremos dar preferência para alunos de Jacarepaguá, em especial aqueles que não teriam condições de pagar por um curso com esta estrutura”, conta Roger Almeida, produtor executivo do projeto. Com aulas de junho à novembro, todas as terças e quintas, das 14h às 17h, a Oficina de Teatro Inclusivo apresenta uma metodologia teórica e prática das artes cênicas com jogos teatrais, improvisação, meditação, exercícios respiratórios, técnicas de yoga e reiki, ministradas por profissionais especializados em educação inclusiva. As inscrições são gratuitas e estão abertas na plataforma Sympla. O projeto conta com patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura e apoio cultural da Cidade das Artes. Oficina de Teatro Inclusivo, transformando vidas através da Arte. [+] saiba mais Afonso Padilha | Stand up Comedy 25/06 Teatro O SHOW Afonso Padilha, comediante, humorista, roteirista, escritor e pagodeiro. Já participou de vários festivais de humor e é integrante do grupo 4 AMIGOS. Volta a rodas o Brasil, agora em seu sexto Solo, nele fala sobre as diferenças, conflitos e comparações entre as idades e gerações, sempre voltado a suas experiências pessoais. SOBRE O AFONSO O curitibano Afonso Padilha começou no stand up comedy no fim do ano de 2009 fazendo open mics (espaço aberto para novos comediantes). Em 2011 entrou como convidado fixo o grupo Santa Comédia (primeiro grupo de stand up do sul do Brasil formado por Léo Lins, Fabio Lins e Marco Zenni) e começou a viajar pelo Brasil participando dos melhores shows do circuito. Participou dos maiores festivais de comédia do país: risológico, risorama, risadaria e virada cultural paulista – palco stand up. Foi considerado um dos humoristas revelações em 2012, sendo citado por Danilo Gentili. Passou também pelo programa Tudo é Possível, da Ana Hickman, como quinto elemento e posteriormente como jurado no concurso de comédia. Participou ainda do programa Agora é Tarde, do Danilo Gentili. Afonso também já foi roteirista do Porta dos Fundos e Comedy Central. Como autor, tem 3 peças escritas, duas encenadas: “Eu te odeio, meu amor” e “Até que o casamento nos separe”, ambas feitas no festival de teatro de 2012. A peça “Até que o casamento nos separe” continua em cartaz e está rodando o brasil com atuações de Marco Zenni e Lilian Marchiori. Atualmente está rodando com seu novo solo, seguindo todos o protocolos de saúde e decretos para os cuidados da covid, onde fala das diferenças, conflitos e comparações das diferenças de idades e com o grupo 4 Amigos do qual é integrante junto com Thiago Ventura, Dihh Lopes e Marcio Donato. Além de comediante e humorista, também está tentando a carreira como escritor, com três livros escritos, sendo um infantil, PAPAI, CADÊ O VOVÔ? (sobre o abandono paterno); o e-book NÃO TA COMPENSANDO FICAR ISOLADO (crônicas /cenas com pano de fundo a pandemia ) e O EVANGELHO SEGUNDO UM HUMORISTA (crônicas /cenas baseadas no velho e novo testamento). Acesso de crianças e adolescentes: desacompanhados dos pais ou responsáveis legais somente maiores de 18 anos. Alvará de Disciplinamento da 1ª Vara da Infância e da Juventude com outra indicação será divulgado na data do recebimento [+] saiba mais