Fundação Cidade das Artes

Programação » Orquestra Sinfônica Brasileira

Evento Encerrado

Orquestra Sinfônica Brasileira



Orquestra Sinfônica Brasileira encerra Temporada 2021 com Concertos de Natal

Apresentações serão dias 18 e 19 de dezembro, na Cidade das Artes

Com repertório que remetem às celebrações natalinas, a Orquestra Sinfônica Brasileira se despede de 2021, dias 18 e 19 de dezembro, na Cidade das Artes. Sob a regência do maestro convidado Roberto Tibiriçá, o grupo interpretará obras de Rossini, Strauss II, Offenbach e Tchaikovsky, além de uma seleção de músicas de Natal com arranjo do próprio regente.

O número inicial da noite é a "Abertura" de La gazza ladra, ópera semisséria de Gioachino Rossini. O rufar dos tímpanos nos compassos iniciais já anuncia toda a alegria entusiasmante que permeia a peça de ponta a ponta. Repleta de efeitos coloridos, temas memoráveis (destaque para aquele belíssimo apresentado pelo oboé), a abertura desta ópera conquistou enorme popularidade e acabou se firmando no repertório sinfônico como peça isolada.

Da vivacidade estonteante de Rossini, o programa segue com as não menos divertidas danças de Johann Strauss II. A primeira delas, a Tritsch-Tratsch-Polka, Op. 214, composta em 1858, é uma miniatura espirituosa, inspirada nos cochichos dos mercados vienenses. Escrita dez anos depois, em 1868, Trovões e relâmpagos, Op. 324, talvez seja a mais estrondosa polka do compositor. Nela, os sons estonteantes de uma tempestade são recriados através de um engenhoso e inquieto uso das percussões, tudo isso em clima festivo e radiante. De Strauss II também será ouvida uma das obras mais conhecidas de todo o repertório clássico: a valsa Danúbio Azul, Op. 314.

Com a peça que será ouvida em seguida, a "Barcarola" da ópera Os Contos de Hoffmann, o concerto adentra uma atmosfera noturna e sonhadora. Na ópera de Jacques Offenbach, a barcarola está inserida em um contexto de traição, inveja e intrigas. No entanto, graças ao seu lirismo flutuante e aos seus matizes de devaneio, a ária costuma ser apresentada isoladamente, em sua versão orquestral. Neste espetáculo, ela atua como intermezzo onírico e faz a transição para o fantástico conjunto de peças que será ouvido em seguida: a suíte orquestral de O Quebra-Nozes, Op. 71a, de Pyotr Ilyich Tchaikovsky.

Se a influência do escritor e compositor E.T.A Hoffmann pode ser sentida diretamente na referida ópera de Offenbach, ela não está, por outro lado, menos presente em "O Quebra-Nozes". Tchaikovsky escreveu seu famoso balé inspirado em uma adaptação do conto "O Quebra-Nozes de Nuremberg”, escrito por Hoffmann e posteriormente adaptado por Alexandre Dumas. Por conta de sua temática e da sua aura de magia e fantasia, o balé se tornou um grande clássico natalino e foi transformado em suíte orquestral pelo próprio compositor. E é esta fantástica coletânea que integra este programa. São três os movimentos: "Abertura miniatura"; um conjunto de "Danças Características" e a famosa "Valsa das Flores".

Coroando a noite e encerrando o espetáculo, a orquestra apresenta uma seleção de temas natalinos escolhidos pelo próprio maestro Tibiriçá.

PROGRAMA:
Gioachino ROSSINI – Abertura da ópera “La Gazza Ladra”
Johann STRAUSS II – Tritsch-Tratsch-Polka, Op. 214
Johann STRAUSS II - Trovões e relâmpagos, Op. 324
Johann STRAUSS II – Danúbio Azul, Op. 314
Jacques OFFENBACH – Barcarola da ópera “Os Contos de Hoffmann”
Pyotr Ilytch TCHAIKOVSKY – Suíte 1 “Quebra Nozes”, Op. 71

 I. Ouverture miniature
II. Danses caractéristiques: Marche | Danse de lá Fée- Draghi | Danse russe | Danse Árabe | Danse Chinoise | Danse des Mirlitons
III. Valse des fleurs
 
Roberto TIBIRIÇÁ – Seleção de Natal



A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA:

Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é considerada um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 80 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia. Em abril de 2021, a Orquestra Sinfônica Brasileira foi registrada como patrimônio cultural imaterial da cidade do Rio de Janeiro.

Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura.

Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, tem o Instituto Cultural Vale como mantenedor e a NTS - Nova Transportadora do Sudeste, como patrocinadora master e a Brookfield como patrocinadora, além de um conjunto de copatrocinadores e apoiadores culturais e institucionais.


SOBRE ROBERTO TIBIRIÇÁ:
Roberto Tibiriçá recebeu orientações de Guiomar Novaes, Magda Tagliaferro, Dinorah de Carvalho, Nelson Freire e Gilberto Tinetti. Foi discípulo do maestro Eleazar de Carvalho, com quem teve a oportunidade de trabalhar durante 18 anos, depois de ter vencido o Concurso para Jovens Regentes da OSESP em duas edições seguidas. Ocupou o cargo de Regente Assistente no Teatro Nacional de S. Carlos (Lisboa/Portugal) e em 1994 tornou-se Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Sinfônica Brasileira. Entre 2000 e 2004 foi Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Petrobrás Sinfônica e, entre 2005 e 2011, Diretor Artístico da Sinfônica Heliópolis, do Instituto Baccarelli. Em 2010 assumiu como Regente Titular da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, onde permaneceu até 2013. Foi também Regente Titular e Diretor Artístico da Orquestra Sinfônica de Campinas, da Orquestra Filarmônica de São Bernardo do Campo e da Orquestra Sinfônica do SODRE (Montevidéu/Uruguai). No Rio de Janeiro, foi eleito pela crítica como o Músico do Ano de 1995 e recebeu, neste estado, o Prêmio Estácio de Sá, por seu trabalho à frente da Orquestra Sinfônica Brasileira.

Participou por duas vezes do Festival Martha Argerich, no Teatro Colón em Buenos Aires, a convite da própria artista em 2001 e 2004. Há alguns anos é convidado para o Festival Villa-Lobos, na Venezuela, regendo concertos com a Orquestra Simón Bolívar. Recebeu, em 2010 e 2011, o XIII e o XIV Prêmio Carlos Gomes como Melhor Regente Sinfônico, por seu trabalho com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e a Sinfônica Heliópolis. Recebeu ainda, em 2011, a Ordem do Ipiranga, a mais alta honraria do Estado de São Paulo, a Grande Medalha Presidente Juscelino Kubitschek, outorgada pelo Governo de Minas Gerais e o Prêmio Associação Paulista de Críticos de Artes – APCA – como Melhor Regente, por sua atuação na Sinfônica Heliópolis e na Orquestra Sinfônica de Minas Gerais.

Ocupa a Cadeira Nº 5 na Academia Brasileira de Música e é Membro Honorário da Academia Nacional de Música, no Rio de Janeiro. Em 2020, realizou, com a OSESP, a estreia mundial da ópera "Cartas Portuguesas", do compositor brasileiro João Guilherme Ripper, e gravou para o selo NAXUS os Choros para Clarinete, Piano, Viola, Violoncelo e a peça Flor de Tremembé, de Camargo Guarnieri.

 

Orquestra Sinfônica Brasileira
Roberto Tibiriçá, regência

 


Saiba mais em:
www.osb.com.br

facebook.com/orquestrasinfonicabrasileira
youtube.com/sinfonicabrasileira
Instagram: @osbrasileira


MAIS INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA:
Érica Avelar
(21) 98119-4559 / 3596-7941
erica.avelar@gmail.com


>>>>>>>> <<<<<<<<<<
NÃO SE ESQUEÇAM:
O comprovante de vacina contra a Covid-19 é obrigatório desde 15 de setembro, no Rio, para a visitação e entrada em alguns estabelecimentos e locais de uso coletivo. Junto a ele é necessário apresentar documento de identidade com foto.

Quais serão aceitos e como emitir?
-> Certificado de Vacinação Digital (disponível no aplicativo Conecte SUS).
-> Caderneta de Vacinação Impressa em Papel Timbrado (Disponibilizada na hora da vacinação pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, pelos Institutos de Pesquisa Clínica ou outras Instituições governamentais nacionais ou estrangeiras).


DECRETO RIO Nº 49335 DE 26 DE AGOSTO DE 2021.




Música

Informações Gerais

Datas

18/12/21 a 19/12/21

Horários

Sábado às 20h
Domingo às 18h

Ingressos
R$70,00 (inteira)
R$35,00 (meia-entrada)

COMPRE AQUI

Duração

60 Minutos em média

Local

Cidade das Artes

Sala

Grande Sala

Classificação Etária

Livre

Demais Eventos da Programação

Nova Vanguarda Carioca | Exposição 08/01 a 20/03 Artes Visuais CIDADE DAS ARTES APRESENTA NOVA VANGUARDA CARIOCA CURADORIA GRINGO CARDIA O Rio de Janeiro sempre foi uma das fontes reverberadoras das novas tendências e criatividade do Brasil. Uma cidade cosmopolita, heterogênea, complexa, que vibra em diferentes frequências e promove a arte do inusitado, do provocador, do inovador num encontro agregador das diferenças, das diversidades e da mistura dos polos sociais. A Cidade das Artes tem o prazer de receber e patrocinar a exposição Nova Vanguarda Carioca, composta por uma geração emergente de artistas plásticos, que explode com sua arte de muitas cores, discussões identitárias e de territórios, conquistando o panorama da arte nacional e internacional. Um trabalho pulsante, marcado nas suas raízes periféricas urbanas de todo o Brasil. A curadoria é de Gringo Cardia, artista e cenógrafo que trabalha neste universo e que ao lado de Vik Muniz, Marisa Orth, Malu Barretto e Giovanni Bianco lidera um projeto social de juventude, arte e tecnologia - a escola Spectaculu, existente há 22 anos no Cais do Porto, fazendo a inclusão pela arte. A reunião destes artistas nesta exposição evidencia o poder e a potência que a arte tem como papel de transformação social. A Cidade das Artes amplifica e abriga a abstração do que é ser um espaço vivo. Impregna nas suas colunas concretas a multiplicidade da cidade, na interculturalidade de suas várias zonas. Recria um pouco do Rio, uma trama mista de gostos, hábitos, usos e funções. Um convite para um profundo mergulho, conceitualmente mutável, coletivo e agregador. A mostra reúne a nova potência criativa do Rio e celebra essa retomada das novas tendências artísticas do Brasil. [+] saiba mais Jacksons do Pandeiro | Musical 14/01 a 30/01 Musical APÓS SUCESSO COM ESTREIA PIONEIRA NA TELEVISÃO E INTERNET, BARCA DOS CORAÇÕES PARTIDOS FAZ TEMPORADA PRESENCIAL DE ‘JACKSONS DO PANDEIRO’ Jackson do Pandeiro ganha ‘homenagem sincopada’ com direção de Duda Maia, texto de Braulio Tavares e Eduardo Rios e direção musical de Alfredo Del-Penho e Beto Lemos Espetáculo estreou ao vivo em transmissão do Canal Bis e no YouTube Vencedor Prêmio APTR – Espetáculo inédito ao vivo Indicado Prêmio APCA – Melhor Espetáculo Virtual Reconhecida por seu trabalho baseado em teatro e música, a companhia Barca dos Corações Partidos escolheu um homenageado à altura em seu novo projeto: Jackson do Pandeiro (1919-1982), cantor, compositor e multi-instrumentista paraibano que recebeu a alcunha de ‘Rei do Ritmo’ por suas mais de 400 canções recheadas de gêneros brasileiríssimos, como samba, forró, coco, baião e frevo. Após incursões pela obra de Mario de Andrade (‘Macunaíma, Uma Rapsódia Musical’) e Ariano Suassuna (‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’), a Barca se debruçou sobre este cancioneiro para criar um espetáculo inédito. ‘Jacksons do Pandeiro’ não é uma biografia, mas o texto – assinado por Braulio Tavares e Eduardo Rios – aborda episódios e músicas de Jackson que se relacionam com a vida dos atores em cena. Dirigida por Duda Maia, a montagem estrearia em abril de 2020, mas foi adiada a poucos dias de seu lançamento por conta da pandemia. Após promover um festival virtual e produzir clipes durante a quarentena, a Barca dos Corações Partidos retomou os ensaios e estreou virtualmente o espetáculo, que tem direção musical de Alfredo Del-Penho e Beto Lemos e idealização de Andréa Alves, da Sarau Agência, produtora da Barca desde a sua criação. Passado o enorme sucesso da pioneira estreia pela televisão e internet, ‘Jacksons do Pandeiro’ fará agora a sua primeira temporada presencial, de 7 a 30 de janeiro, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro. ******* O universo rítmico de Jackson do Pandeiro norteou toda a concepção do musical. Responsável pela preparação corporal do primeiro espetáculo da Barca, Duda Maia está no DNA da companhia, em parceria que se consagrou com a direção do premiado ‘Auê’ (2016). Desta vez, ela aprofundou ainda mais a ideia de ‘corpo-rítmico’ dos atores, ao abordar um compositor cuja obra é marcada pelo suingue, ginga e síncope, aquele tempo musical presente no samba e em outros gêneros, quando o ritmo sai do tempo esperado. Os integrantes da Barca (Adrén Alves, Alfredo Del-Penho, Beto Lemos, Eduardo Rios, Fábio Enriquez, Renato Luciano e Ricca Barros) dividem a cena com três artistas convidados: Everton Coroné, Lucas dos Prazeres e Luiza Loroza. Juntos, eles passaram meses envolvidos em oficinas, pesquisas e em um longo processo de ensaios, quando o texto foi desenvolvido a partir de exercícios e histórias pessoais. ‘Optamos por distribuir a ação em brincantes que contam pedaços de suas histórias pessoais, as quais em muitos pontos coincidem com a história de Jackson. Falando de Jackson, falamos desses nordestinos anônimos. Falando deles, falamos do cantor e compositor que levou a vida deles para as rádios e as TVs, em forma de cocos e baiões’, analisa Braulio Tavares, natural de Campina Grande (PB) e autor de ‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’, que desta vez divide a dramaturgia com o pernambucano Eduardo Rios, fundador da Barca e integrante de todas as seis montagens da companhia. Ambos têm profunda relação com a cultura nordestina e sua poesia popular. ‘Jacksons do Pandeiro’ traz ainda músicas novas, que transformam a obra do homenageado, ao dar novos arranjos, acrescentar letras e introduzir canções criadas no processo.  ‘É um ‘pedir licença’ à obra dele, mas sem deixar de homenageá-lo com todo respeito, carinho e admiração’, conta Eduardo Rios, que ressalta a participação ativa da diretora Duda Maia neste trabalho. ‘O texto surgiu depois dos ensaios já estarem seguindo. Duda entende a dramaturgia não somente como palavra falada. A ligação das cenas é feita por palavras, músicas ou por uma coreografia, por algo que não está escrito’, diz. Vinda do sucesso ‘Elza’, a diretora frisa que a encenação foi construída através de musicalidade e corporeidade, uma marca de seu trabalho. Assim como nas montagens anteriores, todos os instrumentos são tocados pelos atores em cena. ‘Trazemos a forma sincopada do canto para o jogo de cena o tempo todo. Em nosso título, Jacksons aparece no plural porque são várias histórias que se cruzam e se confundem com Jackson’, conta Duda Maia. A diretora revela ainda que dividiu o palco em dois espaços cenográficos, nos quais os atores brincam com seus diferentes níveis e alturas. Como Jackson era fã de filmes de faroeste, ela concebeu a encenação de algumas canções como pequenos curtas-metragens ou clipes animados, apresentados em um local que remete a uma tela de cinema.   Samba, forró, baião e coco: um Garrincha da música Vencedores dos prêmios Shell, APTR, Cesgranrio, Reverência e Botequim Cultural pelo trabalho em ‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’, Alfredo Del Penho e Beto Lemos repetem a parceria na direção musical do espetáculo. Após minuciosa pesquisa de Alfredo, mais de 400 composições compostas ou gravadas por Jackson foram levantadas e o grupo passou um período trabalhando em exercícios após a audição das canções. A lista comprova que Jackson era um artista sem fronteiras e que nunca se prendeu a um gênero específico, passeando por samba, forró, baião, coco, frevo, entre muitos outros. O repertório contempla sucessos como ‘Sebastiana’, ‘O Canto da Ema’, ‘Chiclete com Banana’ e ‘Cantiga do Sapo’, além de canções menos conhecidas que revelam mais da alma brasileira e sincopada do artista. ‘Dá para dizer que ele era um Garrincha da música. Às vezes, o texto aparece em forma de música, às vezes como uma poesia ou um poema musicado. Cada vez que ele aparece, ele propõe uma nova brincadeira rítmica - mesmo não tendo uma métrica de poesia - por meio de um jogo de palavras ou outro mecanismo. A nossa ideia é fazer isso para dialogar com as músicas do Jackson, que tinham poesia, brincadeira e alegria’, resume Braulio Tavares. Jackson do Pandeiro Natural de Alagoa Grande (PB), José Gomes Filho (1919-1982) iniciou a sua trajetória artística ao acompanhar a mãe em rodas de coco, nos arredores de um engenho. Alfabetizado aos 35 anos, ele migra para o Rio de Janeiro e estreia em disco (1953) com um compacto que trazia dois sucessos que marcariam a sua carreira: ‘Sebastiana’ e ‘Forró em Limoeiro’. Nos anos que seguiram, participou de filmes, festivais e apresentou composições – a maioria com um toque característico de humor – que entrariam para a história da música popular brasileira. Deixou como legado mais de 140 discos recheados dos mais diversos gêneros, como samba, forró, baião, entre outros. A Barca dos Corações Partidos:  A Barca dos Corações Partidos se formou após a montagem de ‘Gonzagão – A Lenda’ (2012), que rodou o Brasil por cinco anos em dezenas de cidades e centenas de apresentações. O tributo a Luiz Gonzaga foi sucedido por uma nova versão da emblemática ‘Ópera do Malandro’ (2014), de Chico Buarque. O terceiro espetáculo da trupe, ‘Auê’ (2016), usou como dramaturgia uma safra de canções inéditas compostas pelos próprios integrantes e misturava linguagens como teatro, show, circo e recital. Em 2017, a Barca comemorou os 90 anos de Ariano Suassuna com ‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’, texto inédito de Bráulio Tavares, com direção de Luiz Carlos Vasconcellos e músicas compostas especialmente pelo grupo em parceria com Chico César. O musical rendeu dezenas de troféus nas mais importantes premiações teatrais do país. Em 2019, a companhia passou nove meses estudando o clássico ‘Macunaíma’, de Mario de Andrade, ao lado da diretora Bia Lessa. O processo resultou na montagem de ‘Macunaíma – Uma Rapsódia Musical’, que colheu elogios em temporadas no Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte. Produtora das cinco montagens e de ‘Jacksons do Pandeiro’, Andréa Alves, da Sarau Agência, foi também a idealizadora de todos os projetos.   [+] saiba mais Por que tanta gente gosta? Samba, choro e bossa nova I Hamilton de Holanda 22/01 Música HAMILTON DE HOLANDA no show POR QUE TANTA GENTE GOSTA? SAMBA, CHORO e BOSSA NOVA O premiado músico, compositor e improvisador Hamilton de Holanda traz para o palco da Cidade das Artes (RJ) o show, sucesso na internet, POR QUE TANTA GENTE GOSTA? A ideia nasceu do projeto que Hamilton criou para o YOUTUBE que desvenda clássicos, ritmos e músicos do cancioneiro popular da Música Brasileira. A ideia foi tomando corpo e virou uma série chamada CURIOSIDADES com mais de 24 vídeos visto por centenas de milhares de pessoas https://youtu.be/8cpJ8zRHw1M No dia 22 de janeiro de 2022, às 18 horas, Hamilton homenageará gêneros brasileiros que seduziram a música mundial: SAMBA, CHORO e BOSSA NOVA. No show teremos as grandes referencias de cada gênero que durantes os anos marcaram nossas vidas como Noel Rosa, Cartola, Tom e Vinícius e Pixinguinha entre outros. Durante a pandemia, a inquietude criativa de Hamilton e seu parceiro Marcos Portinari gerou projetos digitais com a interação de milhares de internautas como o projeto #desafiocantodapraya, onde vários músicos amadores e profissionais, estrangeiros e nacionais, concretizaram virtualmente o sonho de participar junto da parceria de João Bosco e Hamilton seja cantando, dançando ou solando em “Incompatibilidade de Gênios” (João Bosco e Aldir Blanc), como foi o caso da cantora indiana Varijashree Venugopal https://youtu.be/01Yphb2UPoc   [+] saiba mais Maquete de LEGO® do Rio de Janeiro I Exposição Permanente Evento Permanente Artes Visuais LEGO® doa ao Rio de Janeiro a maquete feita com 947 mil peças A maquete do Rio de Janeiro feita totalmente em LEGO foi construída para homenagear de forma criativa e inusitada a cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016 e ficará exposta permanentemente na Cidade das Artes como legado cultural. A construção destaca os 25 importantes ícones da cidade como o Pão de Açúcar, o Cristo Redentor, os Arcos da Lapa, o Maracanã, entre outros. [+] saiba mais Oficina de Percussão I DuRio 26/08 a 26/02 Projeto CDA A ideia de montar a Oficina DURIO de percussão surgiu no final de 2015, com o objetivo de ser a única oficina de percussão da Barra da Tijuca no Rio de Janeiro a oferecer a oportunidade de aprendizado musical e da experiência de tocar, em grupo, ritmos como: samba, reggae, regional, funk, frevo, rock e marchinha, usando instrumentos tradicionais das escolas de samba. Acreditamos na ideia de uma enorme demanda e interesse do público pela música, que não seja somente escutar canções e assistir a shows, mas efetivamente participar, tocar, se apresentar e explorar a musicalidade que existe em todos nós! A ideia vem dando certo. Nesses últimos anos, lecionamos mais de 150 aulas, desfilamos três vezes em formato de bloco pelas ruas do condomínio Novo Leblon, com nossos alunos tocando e um cortejo com quase 1.000 foliões, fizemos mais de 10 eventos de apresentação pública dos alunos, integramos a bateria show da Oficina Du Rio com a Banda Du Rio na abertura de dois desfiles em pleno domingo de carnaval no posto 6/ praia de Copacabana, além de assistirmos mais de 100 alunos passarem pela nossa sala de aula e muitos deles saírem pelas ruas do Rio, desfilando nos diversos blocos de carnaval. [+] saiba mais LOUCOS POR ENCADERNAÇÃO | Exposição e Oficinas 01/12 a 19/01 Arte e Conhecimento LOUCOS POR ENCADERNAÇÃO - A EXPOSIÇÃO vai ficar aqui na Sala de Leitura da Cidade das Artes por mais tempo. Então, se você não conseguiu nos visitar agora em dezembro você pode fazer isso até dia 19 de janeiro. Haverá também oficinas gratuitas nas tardes dos dias 18 e 19 a partir das 14h. Quem participar das oficinas terá a oportunidade de aprender vários tipos de Encadernação e também uma iniciação à aquarela. Não percam!!! OFICINAS 18/01 14h ENCADERNAÇÃO LEPORELLO Um tipo muito versátil de encadernação, que não necessita de costura e é feita a partir de dobras alternadas do papel. Também conhecida como concertina ou sanfona. Classificação: todas as idades 15h ENCADERNAÇÃO BORBOLETA Vamos fazer um mini livro utilizando uma das costuras mais simples e mais versáteis da encadernação: a costura borboleta ou pamphlet. O projeto terá capa flexível com lombada quadrada e dois caderninhos internos. Classificação: acima de 8 anos Dia 19/01 14H AQUARELA PARA CAPA DE MINI LIVRO Vamos produzir uma linda aquarela, com uma técnica bem fácil de aprender e que servirá como um aplique na capa do projeto de encadernação que será ensinado na sequência. Classificação: a partir de 10 anos 15H ENCADERNAÇÃO COM DOBRA/ENCAIXE, SEM USO DE ADESIVOS Neste projeto não utilizaremos costura ou cola para a confecção do miolo do caderninho. Ele será feito a partir de dobras e encaixe das folhas (vamos usar a aquarela da primeira aula na capa). Classificação: a partir de 10 anos As oficinas dos dias 18 e 19 serão dadas pelas artistas Ana Fiorani e Adriana Lyra. Esta Mostra é composta pelos projetos que são ensinados no conteúdo da publicação LOUCOS POR ENCADERNAÇÃO - O LIVRO. Ao visitante, será possível perceber, através da diversidade das obras, como a encadernação artesanal permite que outras artes, materiais e técnicas sejam incorporadas aos projetos.   Através de ferramentas e utensílios comuns ao ofício do encadernador/artesão, que também estarão expostos, o visitante poderá inteirar-se um pouco mais sobre os processos envolvidos na confecção de um Livro. Com essa pequena amostragem, um recorte da produção nacional dessa arte/ofício, esperamos ampliar a visão do público em geral sobre a confecção artesanal de livros, seu uso como suporte para outras artes, e principalmente, mostrar a possibilidade de serem feitos por eles mesmos. [+] saiba mais Vacinação COVID-19 10/01 a 18/12 Outros A vacinação acontece no 2° andar da Cidade das Artes (Esplanada), é preciso apresentar documento de identidade e número do CPF. O comprovante de vacinação deverá ser guardado e apresentado quando chegar a hora de tomar a próxima dose da vacina.  A vacinação contra a COVID-19 a cada dia é destinada a grupos indicados nos calendários oficiais de vacinação divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde, verifique sempre nos sites e redes sociais oficiais da Prefeitura e da Secretaria Municipal de Saúde. O ponto de vacinação (PV), na Cidade das Artes foi inaugurado em 31 de março de 2021, pela Secretaria Municipal de Saúde, para facilitar o acesso da população.   [+] saiba mais AKEDAH | Teatro (Adiado) 15/01 a 30/01 Teatro Vazio, é exatamente do tamanho da amizade que o homem tinha pelo seu Criador. Eles eram felizes; eles eram livres; eles eram eternos. Eles só não sabiam o que isso significava. Até que conheceram... AKEDAH. Todo fim tem um começo, e esse começo do fim, iniciaria uma das maiores tragédias da humanidade. Um casal cuja amizade com o Eterno era total e irrestrita, começam um distanciamento por sua própria escolha. Um espetáculo denso e marcante, cuja temática central é a escolha do homem e todas as suas consequências advindas da mesma. Nada fica impune. Nem mesmo as menores escolhas. Cada uma trará uma consequência, quer seja boa ou ruim, cada atitude tem seu preço e cada preço é cobrado. A distância, a saudade, o remorso, o vazio... sentimentos antes desconhecidos pelo homem, passam a fazer parte de seu cotidiano, de sua vida como um todo. Esse vazio, essa saudade, leva a milhares tentarem supri-las com atitudes desenfreadas. Sexo, compras, poder, fama, drogas... mas nada disso adianta. Ficha Técnica Texto & Direção: Ariel Cohen Encenação: COHEN.Cia - COMPANHIA DE TEATRO [+] saiba mais