Fundação Cidade das Artes

Programação » Curso de Canto Coral da Cidade das Artes | 2020

Evento Encerrado

Curso de Canto Coral da Cidade das Artes | 2020



As aulas de Canto Coral na Cidade das Artes têm como primeiro objetivo aproximar as pessoas da vivência musical. É um curso de Canto que contém os elementos necessários para o desenvolvimento da técnica vocal, abordando respiração, postura, afinação, Repertório, exercícios vocais, utilização correta do microfone, técnicas de ensaio, técnicas de desenvolvimento de palco, aquecimento vocal e também a aprendizagem da leitura musical.

Procura-se trabalhar de forma a atingir um autoconhecimento através do canto, com uma linguagem acessível a todas as idades, com enfoque dado ao timbre da voz, interpretação e demais suportes para que o aluno encontre uma maneira própria de cantar, bem como um repertório ideal.

São atividades estimulantes que ensina como canalizar a energia do corpo para a voz permitindo que o aluno desenvolva uma técnica que o possibilita cantar como os grandes intérpretes.
 

 

AUDIÇÕES
Para ingressar no curso, será feito uma AUDIÇÃO nos dias e horários abaixo, mediante distribuição de senhas por ordem de chegada:

- 04/02 (terça-feira) das 16h às18h
- 06/02 (quinta-feira) das 17h às 19h
O aluno deve vir com uma música preparada, de sua preferência, para apresentar ao professor e ser avaliado. Se aprovado, faremos a inscrição no dia. As aulas desse semestre iniciam em 11 de fevereiro e terminam em 02 de julho, com uma apresentação final.

 


AULAS
As aulas são realizadas às terças e quintas, com 1h de duração cada turma, e serão ministradas pelo maestro Adonias Lima, membro da Associação Brasileira de Regentes de Coros e do Fórum Latino Americano de Educação Musical.



Terças -  Das 16h às 17h – Turma A (Coro Juvenil - 10 a 17 anos)
                Das 17h às 18h – Turma B (Coro Master Jovem/Adulto – 18 em diante)
Quintas - Das 17h às 18h – Turma C (Coro Juvenil – 10 a 17 anos)
                Das 18h às 19h – Turma D (Coro Master Jovem /Adulto – 18 em diante)

CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA A PARTIR DE 10 ANOS.


Conteúdo a ser aplicado

PRIMEIRO SEMESTRE (CONTEÚDO)
Fisiologia da voz
Conhecendo nosso Aparelho Respiratório; (Nariz, Faringe, Laringe, Traqueia, Brônquios, Pulmões e diafragma)

Técnica Vocal I
Respiração, Articulação, vocalização, Aquecimento e Desaquecimento, expressão rítmica, Dicção, Afinação / Ressonância e Projeção /Saúde vocal.

Teoria aplicada ao Canto - (Escalas Musicais e leitura de Partitura)

Classificação Vocal – Divisão das Vozes

Harmonização - (Desenvolvimento de Repertório)

Desenvolvimento do ouvido melódico e percepção auditiva (Afinação)

REPERTÓRIO – (arranjos vocais simples para vozes mistas)
Inclui Musica Popular Brasileira (Samba, Baião, Bossa Nova, maracatu) / Música Erudita 
Afro/ Trechos de ópera / Requiém / Missa / Gospel e Rock.
 

Projeto CDA

Informações Gerais

Datas

11/02 a 02/07

Horários

Terças

Das 16h às 17h

Turma A (10 a 17 anos)

 

Das 17h às 18h

Turma B (18 em diante)

 

Quintas

De 17h às 18h

Turma C (10 a 17 anos)

 

De 18h às 19h

Turma D (18 em diante)

 


*CURSO GRATUITO*

Local

Cidade das Artes

Sala

Sala de Leitura

Classificação Etária

10 Anos

Demais Eventos da Programação

Maquete de LEGO® do Rio de Janeiro I Exposição Permanente 01/01 a 27/12 Artes Visuais LEGO® doa ao Rio de Janeiro a maquete feita com 947 mil peças A maquete do Rio de Janeiro feita totalmente em LEGO foi construída para homenagear de forma criativa e inusitada a cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016 e ficará exposta permanentemente na Cidade das Artes como legado cultural.   A construção destaca os 25 importantes ícones da cidade como o Pão de Açúcar, o Cristo Redentor, os Arcos da Lapa, o Maracanã, entre outros.   SOBRE A MAQUETE Com quase 1 metro de altura, cerca de 30 m², mais de uma tonelada e meia e com 947 mil peças, a LEGO® montou a sua maior construção já realizada para a América Latina, reproduzindo em blocos 25 ícones do Rio de Janeiro, escolhidos em conjunto com a Prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da Empresa Olímpica Municipal (EOM) em 2016.   Foi a primeira vez que uma construção desse tipo demandou esforços de três equipes de diferentes fábricas da LEGO de forma simultânea, localizadas nos Estados Unidos, Dinamarca e República Tcheca. Foram necessárias mais de 50 pessoas no projeto, comandado pelos Master Builders, designers especializados na criação de esculturas com os blocos da marca.   Durante os Jogos de 2016, a maquete recebeu mais de 85 mil pessoas de diversas nacionalidades e idades, com uma grande presença de famílias inteiras, que a visitaram no Boulevard Olímpico, local onde ficou exposta.   Os 25 ícones representados na maquete de LEGO da cidade do Rio de Janeiro: 1. Cristo Redentor 2. Pão de Açúcar 3. Copacabana Palace 4. Calçadão de Copacabana 5. Arpoador 6. Calçadão de Ipanema 7. Lagoa Rodrigo de Freitas 8. Jardim Botânico 9. Floresta da Tijuca 10. Morro Dois Irmãos 11. Pedra da Gávea 12. Parque Olímpico do Rio 13. Parque Radical 14. Parque Madureira 15. Estádio Olímpico Nilton Santos (conhecido popularmente por Engenhão) 16. Igreja da Penha 17. Avenida Brasil / BRT 18. Estádio do Maracanã 19.  Sambódromo da Marquês de Sapucaí 20. Praça Mauá 21. Arcos da Lapa 22. VLT 23. Aterro do Flamengo 24. Comunidade Dona Marta 25. Catedral Metropolitana   Sobre o Grupo LEGO® O Grupo LEGO® é uma empresa privada com sede em Billund, na Dinamarca, e tem atuação em mais de 140 países. Fundada em 1932, a empresa é de propriedade da família Kirk Kristiansen e, baseada nos blocos da marca, é uma das principais fabricantes mundiais em brinquedos de montar. Medidas de Segurança    Serão adotados todos os protocolos de segurança necessários ao controle da Covid-19, como o uso obrigatório de máscaras e álcool gel, medição de temperatura e controle da quantidade de pessoas no ambiente.    ENTRADA GRATUITA   [+] saiba mais Vacinação COVID-19 31/03 a 17/12 Outros A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) inaugurou no dia 31 de março, na Cidade das Artes, mais um ponto de vacinação (PV) para facilitar o acesso da população.  A vacinação acontece no 2° andar da Cidade das Artes (Esplanada), é preciso apresentar documento de identidade, número do CPF e, se tiver, caderneta de vacinação. O comprovante de vacinação deverá ser guardado e apresentado quando chegar a hora de tomar a segunda dose da vacina. Confira o calendário oficial de vacinação em coronavirus.rio A vacinação contra a covid-19 a cada dia é destinada a grupos indicados nos calendários oficiais de vacinação divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde. A SMS alerta que diversos calendários fakes têm sido compartilhados pelo WhatsApp. Para não cair nessas fakes, verifique sempre nos sites e redes sociais oficiais da Prefeitura e da Secretaria Municipal de Saúde.   [+] saiba mais Rio contra a fome 05/04 a 17/12 Outros Quando for vacinar, aproveite para doar! A campanha Rio Contra a Fome é uma iniciativa da Secretaria Especial da Juventude Carioca pra reduzir o impacto da pandemia na vida das pessoas que vivem em comunidades. Leve 1 kg de alimento não perecível em um dos nossos pontos de vacinação e faça parte da campanha. As doações arrecadadas na Cidade das Artes serão destinadas para a Frente CDD ( Instagram: @frentecdd ) [+] saiba mais @CESSO | Empreendedorismo Digital 18/08 a 26/10 Arte e Conhecimento CIDADE DAS ARTES E RIOWEBFEST apresentam Em parceria com a Cidade das Artes, o maior festival internacional de webseries do mundo - Rio WebFest, apresenta a chamada para quarta turma do @cesso, um projeto com o objetivo de instrumentalizar pessoas com noções inicias de produção através dos princípios do empreendedorismo digital. Todos os participantes receberão passaportes para os eventos do festival que acontece aqui na Cidade das Artes em novembro. Os alunos receberão certificado de participação que será entregue na Abertura Oficial do evento, além de haver uma seleção de jovens talentos para integrar a equipe do Rio WebFest 2021. Esses jovens terão a oportunidade de experimentar as mais diversas funções e receberão ajuda de custo e alimentação. O Projeto atenderá prioritariamente jovens provenientes das comunidades carentes da Zona Oeste do município do Rio de Janeiro. É importante informar se houver casos de alunos com necessidades especiais para avaliarmos e nos prepararmos para uma possível adaptação das aulas. O fundador do Rio Webfest, Sp WebFest e Rio WebMercado, Daniel Archangelo, estará à frente do @cesso. Daniel também é proprietário da Dendrobates Cultura, é Diretor em Artes Cênicas formado pela UFRJ e ator formado pela Escola de Teatro Martins Pena, sócio da Charlote Produções Culturais e da Tentáculos Espetáculos. Sobre a área de ação Majoritariamente comunidades carentes no entorno da Cidade das Artes com expansão possível na Zona Oeste e outros bairros. [+] saiba mais Oficina de Percussão - DuRio 26/08 a 26/02 Projeto CDA A ideia de montar a Oficina DU RIO de Percussão surgiu no final de 2015, com o objetivo de ser a única Oficina de Percussão da Barra da Tijuca/Rio de Janeiro a oferecer a oportunidade de aprendizado musical e da experiência de tocar, em grupo, ritmos como Samba, Reggae, Regional, Funk, Frevo, Rock e Marchinha, usando instrumentos tradicionais das escolas de Samba. Acreditamos na ideia de uma enorme demanda e interesse do público pela música, que não seja somente escutar canções e assistir a shows, mas efetivamente participar, tocar, se apresentar e explorar a musicalidade que existe em todos nós! A ideia vem dando certo!!! Nesses últimos anos, lecionamos mais de 150 aulas, desfilamos três vezes em formato de bloco pelas ruas do Novo Leblon, com nossos alunos tocando e um cortejo com quase 1.000 foliões, fizemos mais de 10 eventos de apresentação pública dos alunos, integramos a Bateria Show da Oficina Du Rio com a Banda Du Rio na abertura de dois desfiles em pleno domingo de Carnaval no Posto 6/ Praia de Copacabana, além de assistirmos mais de 100 alunos passarem pela nossa sala de aula e muitos deles saírem pelas ruas do Rio, desfilando nos diversos Blocos de Carnaval. Venha fazer parte desse sonho… [+] saiba mais Escola de Teatro I Cia. Teatral ArteGrimberg 02/09 a 12/12 Teatro A Companhia Teatral ArteGrimberg foi fundada pela diretora Natalia Grimberg no ano de 1993, quando começou a ministrar aulas no espaço do extinto Teatro de Lona da Barra. Nos anos seguintes ministrou aulas no Teatro dos Grandes Atores (Shopping Barra Square), no também extinto Teatro do Barra Shopping e no Teatro Antônio Fagundes. Já em 2001, junto com seus irmãos Nado Grimberg e Tatiana Grimberg, decidiu abrir as portas de um espaço próprio, dedicado ao exercício das artes, e oferecer o Curso Livre de Teatro para todas as idades. Somos uma escola de reconhecida competência e tradição, com professores qualificados e capacitados, e com a missão de garantir a melhor experiência de aprendizado aos seus alunos. Temos orgulho de já ter formado muitos dos atores mirins que atualmente são profissionais reconhecidos e fazem sucesso na mídia. O curso tem duração de 4 meses e é dividido em duas etapas. Na primeira, as aulas de teatro são compostas por exercícios teatrais, improvisação, trabalho de corpo e voz, dinâmicas e noções de palco. Na etapa seguinte inicia a prática dos ensaios para as apresentações de fim de ano. Todas as turmas se apresentarão e todos os alunos receberão um personagem para interpretar. O curso de teatro é coordenado por Nado Grimberg e conta com uma qualificada equipe de professores e assistentes, que tem como objetivo desenvolver a criatividade, a forma de se expressar, e o auto-conhecimento. [+] saiba mais RIOBALDO I Teatro 04/09 a 26/09 Teatro Grande Sertão: Veredas - obra prima da nossa literatura, recebe leitura teatral. No recorte, o personagem central do romance, o ex-jagunço Riobaldo, relembra sua vida e seus três grandes amores: Diadorim, Nhorinhá e Otacília. O incompreendido amor homossexual por Diadorim, o amigo que lhe apresentou a vida de jagunço e lhe abriu as portas do conhecimento da natureza e do humano, levando-o ao pacto fáustico; o amor carnal e sem julgamentos pela prostituta Nhorinhá; e o amor purificador por Otacília, a esposa, que o resgatou do pacto fáustico e o converteu num ‘homem de bem’. Em sua travessia, Riobaldo enfrenta questões que transcendem ao lugar sertão. O diabo existe? Houve o pacto fáustico? A trama Roseana transita entre o real e o misterioso, atingindo o universal. A sexualidade, a masculinidade, e, principalmente, o amor, em suas mais diversas formas são tratados magistralmente no espetáculo. Traduzir, para o palco, a narrativa poética Roseana, é a contribuição do teatro para que o público conheça a força de um dos maiores escritores da “língua brasileira”. O monólogo revisita esta grande obra e atualiza questões apontadas por estudos já estabelecidos, com o apoio de pesquisas recentes, que evidenciam a importância do amor na travessia do ser humano. Pela especificidade da linguagem do romance, na montagem da peça, o diretor optou por trabalhar técnicas de interpretação narrativa, tão raras em nossos palcos. Espaço cênico quase limpo, com pouca luz e som. Sem “encenação”. Nada que interfira no desenrolar da narrativa. Condensação da atenção na palavra. A exemplo do momento da leitura, a peça cria uma intimidade, onde o espectador vivencia e visualiza, através da interpretação do ator, os diversos cenários emocionais, físicos e metafísicos, criados pelo escritor. Por fim, sabedores de que qualquer recorte em uma obra prima é uma redução, nossa intenção é compensar a redução literária, com a contribuição teatral, e ampliar a compreensão dessa obra, que embora tenha sido apresentada ao público em 1956, continua tão atual, desafiadora e apaixonante. [+] saiba mais TRANSITIVIDADE I Exposição 09/09 a 21/10 Arte e Conhecimento Transitividade está associada a movimento, trânsito, deslocamento e geralmente depende de algo ou alguém para que aconteça.  Com a pandemia, os trânsitos físicos ficaram cada vez mais escassos prevalecendo as navegações digitais, em rede. O projeto de exposição Transitividade objetiva reunir 12 artistas visuais cujo ponto comum seja a produção de trabalhos desenvolvidos desde o início da pandemia, ou que ressignifique trabalhos anteriores que reflitam sobre o tema, independente do suporte utilizado, cujas imagens veicularam em redes sociais mediadas por um dispositivo digital. A ideia é que, além dos diálogos entre as obras dos artistas, a transitividade seja uma espécie de passagem do espaço virtual para o espaço físico real e assim sucessivamente em um constante fluxo de meios. A exposição transita por diferentes linguagens visuais entre pinturas, gravuras, objetos, desenhos e fotografias distribuídas entre 12 artistas contemporâneos. Idealização e curadoria: Raimundo Rodriguez e Mirela Luz Artistas: Ana Tavares, Claudia Lyrio, Deneir, Hugo Houayek, Julio Sekiguchi, Ivani Pedrosa, Lourdes Barreto, Mirela Luz, Osvaldo Carvalho, Pedro Sanchez, Raimundo Rodrigues, Viviane Teixeira. [+] saiba mais Curso de atuação para as câmeras com Ricardo Connti 09/09 a 16/12 Projeto CDA Em tempos onde as câmeras deixaram de ser apenas para a arte e tornaram-se instrumento de reuniões online, aulas, consultas, divulgação de trabalho e entre outras funções, Ricardo Connti - ator, diretor com mais de 25 anos de experiência em televisão, teatro e cinema - ampliou as fronteiras de seu projeto “O Poder da Câmera”. O curso ganhou uma nova casa e chega à Fundação Cidade das Artes. "O Poder da Câmera" é um Curso de Treinamento e desenvolvimento através das câmeras. Ricardo Connti, ator, diretor e preparador de atores, utiliza as ferramentas de preparação de atores no audiovisual para auxiliar na comunicação, desinibição e desenvolvimento de crianças e jovens, e auxilia adultos a melhor sua performance nas suas atividades profissionais diante das câmeras. Com a expansão de um espaço virtual como forma de comunicação, criação de vídeo marketing, vendas de cursos gravados, cursos on-line, divulgação de seus negócios através das câmeras, todos tivemos que nos reinventar e o aperfeiçoamento das técnicas audiovisuais tornaram-se urgentes para alcançar com excelência: clientes, pacientes, funcionários etc, mesmo a distância. "O Poder da Câmera" é um treinamento prático de todas as técnicas para sair na frente e encontrar o seu maior poder através das câmeras. As aulas serão realizadas às terças e quintas, com turmas para crianças, jovens e adultos. Segundo Ricardo, as técnicas aplicadas com profissionais do audiovisual serão utilizadas para desenvolver profissionais de quaisquer áreas. “Forneceremos ferramentas para atuarem com desenvoltura, segurança na comunicação, foco, memorização, trabalho em equipe e uma exploração constante da criatividade, ampliada através da lente da câmera, do professor e do grupo”, diz. Já para crianças e jovens, o objetivo é otimizar todo o desenvolvimento pessoal, utilizando as artes dramáticas adaptadas à linguagem audiovisual. Ricardo explica: “o curso irá contribuir para desinibição, melhor comunicação, foco, memorização, trabalho em equipe e, também, na indução da criatividade”. De profissional para profissional Para quem já trabalha com audiovisual ou está iniciando a carreira, “O Poder da Câmera” vai além de apenas ensinar técnicas artísticas. De acordo com Connti, o curso será um treinamento que permite a sensibilização, o desenvolvimento e o autoconhecimento do ator, derrubando mitos que afastam o artista do teatro de atuar em televisão e cinema. No mais, o preparador afirma: “Queremos estimular uma percepção mais completa das ferramentas disponíveis para que atores possam ser donos dos próprios projetos, desenvolverem seus curtas, séries, canais na internet, enxergando o audiovisual como uma forma mais democrática de expressão da sua fala”. [+] saiba mais AR I Roda de conversa sobre processos artísticos e criativos + Exposição 11/09 a 14/10 Arte e Conhecimento PROJETO AR O projeto ar tem como objetivo propor a discussão, por meio de encontros presenciais e com transmissão on-line, acerca das novas linguagens que surgiram durante a pandemia: convidando artistas, produtores culturais e críticos para conversar sobre os processos artísticos e criativos durante esse período e sua interseção com os meios de comunicação. Parceria: RIO WEB FEST, na captação de áudio e vídeo, transmissão ao vivo em nosso canal no YOUTUBE [+] saiba mais “Da mulher, nada se diz”: o feminino e a clínica do amor 24/09 Arte e Conhecimento Ao longo da história, as mulheres sempre encarnaram um real estranho, que dá corpo ao enigma, que permanece inapreensível para o sujeito. Lacan, com suas últimas formulações, dá um passo além de Freud, mostrando que não há essência, nem substância “mulher”, nem um significante para dize-la toda, pois da mulher, nada se pode dizer. A partir daí, proponho interrogar uma vertente fundamental para abordarmos o feminino: a via do amor. Não o amor que visa o Um impossível com o parceiro, mas um amor mais digno, um“ novo amor”, como disse Rimbaud, que permite amar no parceiro, a distância infinita e irredutível que nos separa dele. (Rita Mendonça) Será através dessa observação que se desenvolverá o encontro dessa sexta. [+] saiba mais BORA RIR | Espetáculo de Comédia Stand-up 24/09 Teatro E AÍ, BORA RIR NA CIDADE DAS ARTES? O mês de setembro na CIDADE DAS ARTES chega ao fim com muita risada! O espetáculo de comédia stand-up BORA RIR (@borarirstandup) segue sempre às sextas-feiras, apresentando novos talentos do humor brasileiro a cada semana, com direção de PAULINHO SERRA (@paulinhoserra10). O nono show da temporada traz Helio de La Peña (@lapena), Gustavo Ariel (@gustavoarieloficiall), Luciana D'Aulizio (@lucianadaulizio) e Gui Albuquerque (@oguialbuquerque), um time de comediantes que oferecerá à plateia piadas autorais, um humor criativo, abusando de temas do cotidiano. O BORA RIR é um projeto de comédia stand-up itinerante, tendo passado por vários bares, restaurantes e teatros ao redor do Brasil, sempre fazendo muito sucesso. A cada edição um elenco diferente se apresenta, então o espectador nunca vai ter a mesma experiência 2 vezes; cada apresentação é única! [+] saiba mais a-corda | Literatura: Shakespeare e a construção de personagens femininas 05/10 Arte e Conhecimento O projeto A - Corda se propõe a revisitar o espaço de vida e obra de grandes nomes da literatura abordando a temática do feminino. Inaugurando, assim, um debate sobre as questões feministas e humanas de seu tempo e as questões íntimas de cada autora ou autor. Costurando desta forma a arte da escrita e a psicanálise.  Nesse encontro buscaremos discutir algumas das personagens femininas na obra de William Shakespeare (1564-1616), tendo em vista as ideologias de gênero e a sociedade patriarcal do início da Era Moderna inglesa. [+] saiba mais Cura I Cia de Dança Deborah Colker 06/10 a 31/10 Dança Ministério do Turismo e Bradesco Seguros apresentam Companhia de Dança Deborah Colker no espetáculo "Cura" Deborah Colker dedicou seu tempo, nos últimos anos, a buscar uma cura. No caso, uma solução para a doença genética que seu neto tem, a epidermólise bolhosa. Dessa angústia pessoal nasceu o novo trabalho da Cia. Deborah Colker, um espetáculo que vai muito além do aspecto autobiográfico. “Cura” trata de ciência, fé, da luta para superar e aceitar nossos limites, do enfrentamento da discriminação e do preconceito. A dramaturgia é do rabino Nilton Bonder e a trilha original é de Carlinhos Brown. Bradesco Seguros apresenta “Cura”, que também tem patrocínio do Instituto Cultural Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O espetáculo estreia em 6 de outubro, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro. A coreógrafa concebeu o projeto em 2017, mas foi no ano seguinte, com a morte de Stephen Hawking, que encontrou o conceito. Embora acometido por uma doença degenerativa, a ELA (Esclerose lateral amiotrófica), o cientista britânico viveu até os 76 anos e se tornou um dos nomes mais importantes da história da física. Deborah percebeu que há outras formas de cura além das que a medicina possibilita. – Quando foi diagnosticado, os médicos deram a Hawking três anos de vida. Ele viveu mais 50, criativos e iluminados. Entendi o que é a cura do que não tem cura – conta. A estreia aconteceria em Londres em 2020, mas a pandemia não permitiu. O adiamento deu ao espetáculo mais um ano de pesquisas, transformações e reflexões. – A pandemia me fez ter certeza de que não era apenas da doença física que eu queria falar. A cura que eu quero não se dá com vacina – afirma Há dores mostradas no palco, mas há esperança no final. Ela diz que procurou preservar a alegria necessária à vida. Um ingrediente para isso foi a semana que passou em Moçambique durante a preparação, quando conheceu pessoas que não perdiam a vontade de viver, apesar das muitas dificuldades.  – Fui procurar a cura e encontrei a alegria. Deborah incorporou ao espetáculo referências das três religiões monoteístas e elementos de culturas africanas, indígenas e orientais. Logo no início, conta-se a história de Obaluaê, orixá das doenças e das curas. – A ponte entre fé e ciência me ajudou muito. Fui experimentar o invisível, a sabedoria do invisível – diz.  Numa cerimônia realizada quando da morte do seu pai, Deborah conheceu o rabino Nilton Bonder, autor de “A alma imoral” e muitos outros livros. Ao planejar “Cura”, decidiu convidá-lo para desenvolver a dramaturgia. Dentre tantas contribuições, ele ressaltou que “pedir é curar”, ideia que gerou uma cena. Também apontou que “a grande cura é a morte”, o que motivou uma coreografia com dois bailarinos dançando ao som de “You want it darker”, de Leonard Cohen. – O espetáculo apresenta todos os recursos imunitários e humanitários em aliança pela cura. A ciência, a fé, a solidariedade e a ancestralidade são o coquetel de cura do que não tem cura. Concebido antes desta pandemia, o título não é um “conceito”, mas um grito! – afirma Bonder. Carlinhos Brown foi convidado, inicialmente, para compor apenas o tema de Obaluê. Acabou criando praticamente toda a trilha, inclusive a canção inicial, dos versos “Traga meu sorriso para dentro” e “Sou mais forte do que a minha dor”.  – A música veio na minha cabeça logo depois da primeira conversa com Deborah. Eu pensei: “Isso é um chamado, não é uma trilha normal”. É um trabalho muito mais profundo do que “Carlinhos está fazendo uma trilha” – diz o músico. Ele canta em português, ioruba e até em aramaico. Os 13 bailarinos também cantam, em hebraico e em línguas africanas. É algo que acontece pela primeira vez nos 27 anos de história da companhia.  Fundador da companhia ao lado de Deborah, o diretor executivo João Elias vê em “Cura” um passo ainda maior que o dado pela coreógrafa no trabalho anterior, “Cão sem plumas” (2017), baseado no poema de João Cabral de Melo Neto. – Quando começou a coreografar, Deborah era mais abstrata, formal. Depois, passou a contar histórias, aprimorar dramaturgias. “Cão sem plumas” já era um espetáculo visceral, emocionante. “Cura” é ainda mais, mostra um grande amadurecimento – analisa ele. Companheiro de Deborah em toda a trajetória, o cenógrafo e diretor de arte Gringo Cardia é outro que destaca a importância de “Cura” para a artista. – Ela era toda ciência. Passou por um crescimento espiritual. Foi conversar com Deus neste espetáculo – afirma. Sua assinatura está nas duas rampas que dão aos movimentos dos bailarinos a sensação de desequilíbrio. E também está nas caixas que, entre várias funções, formam um muro. – O muro passa a imagem de um grande obstáculo, mas ele se divide em vários pedaços. Então, é possível atravessá-lo. É como a gente faz nas nossas vidas – diz Gringo. Nos figurinos de Claudia Kopke – que esteve em “Cão sem plumas” – as pernas podem ter estilos bem diferentes, traduzindo o desequilíbrio que é um dos nortes do espetáculo.  – Os bailarinos têm as cabeças cobertas, usam balaclavas, mas o final é dourado, de alegria – explica. O iluminador Maneco Quinderé, que só havia trabalhado com a companhia em “Vulcão” (1994), também criou uma luz fragmentada, como sugerem as ideias de “Cura”. O final tem brilho, indicando renascimento.  – Cada segmento tem suas características, e eles formam um caleidoscópio – diz ele. [+] saiba mais HAMILTON DE HOLANDA - POR QUE TANTA GENTE GOSTA? SAMBA, CHORO e BOSSA NOVA 09/10 Música HAMILTON DE HOLANDA no show POR QUE TANTA GENTE GOSTA? SAMBA, CHORO e BOSSA NOVA O premiado músico, compositor e improvisador Hamilton de Holanda traz para o palco da Cidade das Artes, o inédito show POR QUE TANTA GENTE GOSTA? A ideia nasceu do projeto que Hamilton criou para o YOUTUBE que desvenda clássicos, ritmos e músicos do cancioneiro popular da Música Brasileira. A ideia foi tomando corpo e virou uma série chamada CURIOSIDADES com mais de 24 vídeos visto por centenas de milhares de pessoas https://youtu.be/8cpJ8zRHw1M No dia 09 de outubro, às 18 horas, Hamilton homenageará gêneros brasileiros que seduziram a música mundial: SAMBA, CHORO e BOSSA NOVA. No show teremos as grandes referencias de cada gênero como Cartola, Tom e Vinícius e Pixinguinha entre outros. Durante a pandemia, a inquietude criativa de Hamilton e seu parceiro Marcos Portinari gerou projetos digitais com a interação de milhares de internautas como o projeto #desafiocantodapraya, onde vários músicos amadores e profissionais, estrangeiros e nacionais, concretizaram virtualmente o sonho de participar junto da parceria de João Bosco e Hamilton seja cantando, dançando ou solando em “Incompatibilidade de Gênios” (João Bosco e Aldir Blanc), como foi o caso da cantora indiana Varijashree Venugopal https://youtu.be/01Yphb2UPoc CURIOSIDADES é fruto dessa evolução e uma maneira de aproximar da audiência virtualmente criando para o artista engajamento e ao mesmo tempo entretenimento musical e educacional para as pessoas. Só que agora acontecerá ao vivo com lugares limitados e com os protocolos sanitários no Teatro de Câmara da Cidade das Artes. Um concerto inédito e com muita emoção. [+] saiba mais