Fundação Cidade das Artes

Programação » MULHERES IN RIO NO MUNDO INFANTIL | Roda de Conversa

Evento Encerrado

MULHERES IN RIO NO MUNDO INFANTIL | Roda de Conversa



Encontro dedicado ao público infanto-juvenil com uma programação de oficinas, arte, cultura, contação de histórias, roda de conversa com artistas mirins, leitura, encontro com autores e muita diversão.

CONVIDADAS: Sheyla Baum, Roberta Ferreira, Cecília Albuquerque, Fabi Lara, Denise Bandeira de Mello, Priscilla Zanatelli, Karoline Fernandes e Sophie Blanchard.

 

SOBRE MULHERES IN RIO 
Somos um HUB de empreendedorismo com foco em integrar, compartilhar conhecimento e desenvolver negócios inovadores e sustentáveis para a jornada feminina. Criamos e implementamos programas e projetos inovadores com marcas e empresas que querem apoiar o empreendedorismo feminino. Conectamos empreendedores e agentes de transformação através de nossa Comunidade, realizamos eventos e promovemos conteúdos relevantes em nossa plataforma on-line.


Marcia Thimóteo e Veronique Sales são as fundadoras do projeto e farão a mediação da Roda de Conversa Mulheres na MÚSICA & DANÇA.
Samira Estrella da Shiningstar e Luiza Xavier são parceiras e apoiam as convidadas.


PROGRAMAÇÃO

Sheyla Baum
, psicopedagoga especialista em neuroaprendizagem oferecerá duas Oficinas: uma para crianças a partir de 8 anos, com o Baralho da Trilha do Diálogo e outra para os adolescentes - o Baralho Roda de Conversa com questões atuais que inquietam os jovens, além de uma contação de hitórias.

Roberta Ferreira, especialista em consciência corporal, postural, atividades laborais, acrobáticas, rítmicas e expressivas, oferecerá aos jovens, oficinas de percepção do corpo, descoberta de movimentos, sensibilização musical, expressão corporal, processos criativos e composições coreográficas.

As atrizes mirins Cecília Albuquerque, Fabi Lara, Karoline Fernandes e Sophie Blanchard participarão de um “GirlsTalks” (roda de conversa) com o tema Emponderamento de Meninas.

Denise Bandeira de Mello, autora do livro “Ele não era meu amigo” que traz no tema as relações das crianças com a pandemia, estará vendendo e autografando o livro.

Priscilla Zanatelli, autora do livro: “Monstrinho Taboo em Descobrindo as Emoções”, aborda inteligência emocional, empatia, autocontrole, amizade, reflexão e meditação.


SOBRE AS CONVIDADAS

Sheyla Baum é Professora, Psicopedagoga Especialista em Neuroaprendizagem, Cognição e Psicomotricidade. Palestrante e Autora de livros infantis e Criadora de jogos e roda de conversa para crianças e adolescentes. Cursou Neurociências Translacional no IDOR-RJ com foco na Educação e Intervenção e Diagnostico Precoce de crianças no TEA na PUC-RJ e TCC Infância e Adolescência – Santa Casa de Misericórdia –RJ. Com vasta experiência em sala de aula, dedicou-se ao atendimento psicopedagógico, trabalhando com crianças com dificuldades de aprendizagem. Elaborou um Projeto de Inclusão publicado no livro Coordenador Pedagógico: Subsídios para a atuação na realidade escolar ISBN 9788529010885. Autora dos livros infantis Dicionário Amoroso de Valores, WAK editora ISBN 978-65-86095-42-5 e A caixinha da Vovó, Ed. Planeta Azul. ISBN:  786586180350. Autora do capitulo "A Educação infantil para além da Neurociência" no livro Entretecendo saberes - Ed. Artesã é organizadora do livro "Contribuições da Neurociência para uma Educação Integradora" isbn 978-65-86095-74-6. Criou os jogos Baralho das Chaves, Roda de Conversa para crianças e Roda de Conversa para adolescentes. Palestrante no Congresso Brain Connection 2018 e 2019. Palestrante no SIEEESP em 2021. Palestrante e autora nos blogs da Fly Educação, Core- Reinventando a Educação e Eurekandooficial. Mentora no Grupo Gerando Falcões em 2021.

 

Roberta Ferreira é Profissional de Educação Física com mais de 10 anos de atuação na área acadêmica, experiência significativa com exercícios de Consciência Corporal, Postural, atividades Laborais, acrobáticas, rítmicas e expressivas. Destaca-se pela sua capacidade de transmitir esses conhecimentos com carisma, alegria e criatividade ao se expressar. Iniciou seus estudos de Ballet e Dança Moderna em Uberaba (Minas Gerais) desde 1993 e ao longo da sua trajetória artística valorizava fazer dos seus gestos, mensageiros de comunicação das suas emoções. Nesse sentido, buscou investigar a concepção de corpo e ensino da dança através de uma pesquisa de mestrado realizada na Universidade Federal do Triângulo Mineiro, comprometida com estudos sobre pedagogia do movimento, formação humana, corporeidade e fenomenologia da existência. Trabalhou na Universidade de Uberaba ao longo de 10 anos, onde teve a oportunidade de ensinar aos acadêmicos do curso de Educação Física uma forma de pensar e agir compatível com sua filosofia de vida. Diante da pluralidade dos modos de perceber o mundo, cada pessoa tem uma história que é subjetiva e única. Nessa identificação que é singular, apresenta-se algo que vem sendo construído ao longo da história de vida dessa bailarina, artista, coreógrafa, profissional de Educação Física, acrobata, corredora entre tantas vivências corporais, só é possível alimentando sua alma de um Espírito que te enche de esperança para acreditar que poderá ir muito além na cidade do Rio de Janeiro se Deus quiser. 

 

Cecília Albuquerque tem 11 anos, estuda teatro desde os 5 anos e desde os 6 decidiu que queria isso como profissão para sua vida.  Passou a fazer parte de cias profissionais, ainda muito pequena. Dedica grande parte do seu envolvimento artístico também para dança, com grande ênfase no ballet clássico, hip hop, jazz, danças comerciais, sapateado e contemporâneo. Destaca-se por sua responsabilidade, generosidade, estudo e dedicação. Foi premiada no festival Fera virtual com um curta, escrito, produzido, dirigido e atuado por ela mesma, vem defendendo seu espaço no campo do audiovisual independente. Uma das suas maiores inspirações na arte é Frida Khalo, que consegue emocionar Cecília com o seu feminismo e suas obras.  Hoje, Cecília é presidente da Comunidade escolar da região de Jacarepaguá e Barra da Tijuca, representando a Sétima CRE. E vem estreitando laços com a Secretaria de Cultura do Rio, que sonha gerir um dia. Ela já tem a aprovação¨do secretário Marcus Faustini e a subsecretária Éricka Gavinho, que apoiam a menina desde que a conheceram. Apesar de tantas responsabilidades, ela é extremamente criança, adora brincar de boneca, de dar aula e de miniaturas.

 

Fabi Lara tem 10 anos, é Atriz Mirim, aos 6 anos de idade a escola sinalizou que ela tinha vocação para trabalhar com algo que fosse ligado a Arte e a partir daí ela começou um Curso de Oficina de Atores (que faz esse curso até hoje) e já fez muitos testes e alguns trabalhos na TV através desse Curso. Em 2019 aos 8 anos iniciou sua carreira no Teatro passou numa audição sem nunca ter feito Teatro e ganhou um papel de Protagonista no Espetáculo Era uma vez ... Princesinha Sofia, a partir daí o Teatro se tornou uma das coisas mais importantes da vida dela e ela já está na oitava peça profissional. Após a Princesa Sofia em abril de 2019 ela não parou mais no Teatro e com peças profissionais ganhando cachê (embora o cachê do Teatro seja para o Ator 5% da bilheteria) ela juntou o dinheirinho dela e no final de 2019 comprou um iphone que ela tanto sonhava em ter. Fabi é muito determinada, focada, é uma menina muito extrovertida que apoia o Feminismo e inclusive é um dos melhores assuntos que ela gosta de conversar. Tem como musa inspiradora a Atriz Fernanda Montenegro (Fabi já teve a honra de gravar um comercial com ela) e embora muito pequena na idade, é gigante nos pensamentos atuais e diz que já está decidida nas Faculdades que quer fazer: Arte Cênica, Cinema e Direção. Fabi diz que o importante para ela é trabalhar com Arte e não vai em busca da fama ela sabe que a fama pode acontecer ou não. Ela diz que o importante é trabalhar com Arte e é isso que deixa ela feliz.

Denise Mello é arquiteta, urbanista e paisagista. Autora do livro “ Ele não era meu amigo” que tem a intenção de esclarecer às crianças sobre a época em que vivemos a pandemia do coronavírus. Um fato histórico e inusitado, inclusive para o público adulto. São fatos que inquietam e aguçam a curiosidade dos pequenos que fazem perguntas muito concernentes ao momento da crise. O livro busca dar uma visão tranquilizadora para diversas perguntas e questionamentos. Tem 63 anos e casada com 2 filhos adultos. Durante a Pandemia esteve fazendo muitos cursos on-Line, voltados para crianças, como: Técnicas de ilustração para desbloquear a criatividade. Introdução para ilustração para crianças. Ilustração botânica em aquarela. Técnicas de aquarela para iniciantes. Técnicas narrativas para ilustração de histórias etc. Pensou em fazer algo presente e atual e aproveitou o assunto da nossa maior crise sanitária global e veio a ideia do livro. O livro original foi pintado por ela com técnica de aquarela e, contém dobraduras. O que não foi permitido na hora da publicação.

Karoline Fernandes conhecida como Karol Hope, tem 14 anos, canta desde que aprendeu as primeiras palavras e nunca mais parou. Ela canta porque é a forma que se comunica com o mundo. Expressa através da música sua essência, sua arte e sua força, e sempre busca músicas com uma mensagem a ser passada. Quase tudo que sabe sobre música aprendeu sozinha. Está presente em rodas de voz e violão, e sempre que tem uma oportunidade pede o microfone para cantar com os músicos. Hoje ela participa de um núcleo de arte na escola Albert Einstein no qual tem se desenvolvido. Karol já fez teatro, participou de espetáculos, de 2 curta-metragem no EPA (Espaço de Pesquisa Artística) e tem iniciado as escritas das suas poesias e composições. Ela é muito determinada em seus objetivos. Carismática, espontânea e muito bem-humorada. É o tipo de pessoa que faz amigos fácil, desde os mais velhos aos mais jovens. Já tem um conhecimento sobre a importância do sagrado feminino, se conecta com a natureza, com o céu e com os animais. Buscar se aceitar, se amar do jeito que é e melhorar a cada dia. Tem uma personalidade marcante que cativa a todos.


Sophie Blanchard é encantada pelas artes desde bebê. Tem 11 anos e é estudante, fascinada por livros, gosta de escrever em seu tempo livre além de desenhar e pintar telas. Faz atualmente cursos de teatro, figurino, violão, desenho, artes plásticas e inglês. Gosta muito de andar de skate, ler (é uma curiosa sobre todas as coisas), andar de bicicleta, dançar com os irmãos, viajar, passear na natureza com a família, brincar ao ar livre, fazer trilha, ir em eventos com a mãe e fazer novos amigos. Seu maior sonho é fazer um intercâmbio de moda na França, escrever um livro sobre a riqueza da arte e artesanato no Brasil e ser reconhecida pela sua arte. Seu propósito de vida é viver a arte.


Priscilla Zanatelli é Mestre em educação pela na Universidade da Pensilvânia nos EUA com tese e estudos publicados sobre como a tecnologia afetará a forma com que ensinamos e aprendemos no futuro. MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas e bacharel em Comunicação Social pela Universidade Gama Filho. Diretora de operações na empresa canadense Lightouch ( https://lightouch.ca ). Casada, mãe de dois filhos, cidadã do mundo, fã da diversidade, Priscilla Zanatelli atualmente se dedica a trabalhar com seu sonho: levar às pessoas o conhecimento sobre a importância das competências socioemocionais na vida de cada indivíduo. Hoje, divide seu tempo empreendendo na área de educação, ministrando palestras e dando consultoria em empresas e instituições de ensino. Respirar antes de agir. Esse é a principal mensagem do livro para crianças, "Monstrinho Taboo em Descobrindo as Emoções", da escritora, especialista em educação, Priscilla Zanatelli, que foi lançado no dia 09 de julho (sexta-feira), pela internet. “A história de Monstrinho Taboo em Descobrindo as Emoções ajuda a criança a entender mais sobre suas emoções. Muitas vezes, até se enxergar no exagero do monstrinho Taboo. Aos poucos, ela percebe que não é errado sentir qualquer emoção, mas para cada escolha de como reagir, uma consequência. É neste ponto que quero enfatizar no livro”, explica a autora. O livro “Monstrinho Taboo em Descobrindo as Emoções”, aborda inteligência emocional, empatia, autocontrole, amizade, reflexão e meditação. E o canal de venda será pelo Portal da Amazon.

Arte e Conhecimento

Informações Gerais

Datas

04/09

Horários

Sábado, de 15h às 17h.

Evento GRATUITO e aberto ao público limitado à lotação da sala. Inscreva-se AQUI

Local

Cidade das Artes

Sala

Sala de Leitura

Classificação Etária

Livre

Programação Gratuita

Demais Eventos da Programação

Maquete de LEGO® do Rio de Janeiro I Exposição Permanente 01/01 a 27/12 Artes Visuais LEGO® doa ao Rio de Janeiro a maquete feita com 947 mil peças A maquete do Rio de Janeiro feita totalmente em LEGO foi construída para homenagear de forma criativa e inusitada a cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016 e ficará exposta permanentemente na Cidade das Artes como legado cultural.   A construção destaca os 25 importantes ícones da cidade como o Pão de Açúcar, o Cristo Redentor, os Arcos da Lapa, o Maracanã, entre outros.   SOBRE A MAQUETE Com quase 1 metro de altura, cerca de 30 m², mais de uma tonelada e meia e com 947 mil peças, a LEGO® montou a sua maior construção já realizada para a América Latina, reproduzindo em blocos 25 ícones do Rio de Janeiro, escolhidos em conjunto com a Prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da Empresa Olímpica Municipal (EOM) em 2016.   Foi a primeira vez que uma construção desse tipo demandou esforços de três equipes de diferentes fábricas da LEGO de forma simultânea, localizadas nos Estados Unidos, Dinamarca e República Tcheca. Foram necessárias mais de 50 pessoas no projeto, comandado pelos Master Builders, designers especializados na criação de esculturas com os blocos da marca.   Durante os Jogos de 2016, a maquete recebeu mais de 85 mil pessoas de diversas nacionalidades e idades, com uma grande presença de famílias inteiras, que a visitaram no Boulevard Olímpico, local onde ficou exposta.   Os 25 ícones representados na maquete de LEGO da cidade do Rio de Janeiro: 1. Cristo Redentor 2. Pão de Açúcar 3. Copacabana Palace 4. Calçadão de Copacabana 5. Arpoador 6. Calçadão de Ipanema 7. Lagoa Rodrigo de Freitas 8. Jardim Botânico 9. Floresta da Tijuca 10. Morro Dois Irmãos 11. Pedra da Gávea 12. Parque Olímpico do Rio 13. Parque Radical 14. Parque Madureira 15. Estádio Olímpico Nilton Santos (conhecido popularmente por Engenhão) 16. Igreja da Penha 17. Avenida Brasil / BRT 18. Estádio do Maracanã 19.  Sambódromo da Marquês de Sapucaí 20. Praça Mauá 21. Arcos da Lapa 22. VLT 23. Aterro do Flamengo 24. Comunidade Dona Marta 25. Catedral Metropolitana   Sobre o Grupo LEGO® O Grupo LEGO® é uma empresa privada com sede em Billund, na Dinamarca, e tem atuação em mais de 140 países. Fundada em 1932, a empresa é de propriedade da família Kirk Kristiansen e, baseada nos blocos da marca, é uma das principais fabricantes mundiais em brinquedos de montar. Medidas de Segurança    Serão adotados todos os protocolos de segurança necessários ao controle da Covid-19, como o uso obrigatório de máscaras e álcool gel, medição de temperatura e controle da quantidade de pessoas no ambiente.    ENTRADA GRATUITA   [+] saiba mais Vacinação COVID-19 + Rio Contra Fome 31/03 a 17/12 Outros A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) inaugurou no dia 31 de março, na Cidade das Artes, mais um ponto de vacinação (PV) para facilitar o acesso da população.  A vacinação acontece no 2° andar da Cidade das Artes (Esplanada), é preciso apresentar documento de identidade, número do CPF e, se tiver, caderneta de vacinação. O comprovante de vacinação deverá ser guardado e apresentado quando chegar a hora de tomar a segunda dose da vacina. Confira o calendário oficial de vacinação em coronavirus.rio A vacinação contra a covid-19 a cada dia é destinada a grupos indicados nos calendários oficiais de vacinação divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde. A SMS alerta que diversos calendários fakes têm sido compartilhados pelo WhatsApp. Para não cair nessas fakes, verifique sempre nos sites e redes sociais oficiais da Prefeitura e da Secretaria Municipal de Saúde. RIO CONTRA FOME Quando for vacinar, aproveite para doar! A campanha Rio Contra a Fome é uma iniciativa da Secretaria Especial da Juventude Carioca pra reduzir o impacto da pandemia na vida das pessoas que vivem em comunidades. Leve 1 kg de alimento não perecível em um dos nossos pontos de vacinação e faça parte da campanha. As doações arrecadadas na Cidade das Artes serão destinadas para a Frente CDD ( Instagram: @frentecdd ) **** DEIXE SUA DOAÇÃO EM NOSSO RECEPTIVO **** Obrigado!   [+] saiba mais @CESSO | Empreendedorismo Digital 18/08 a 26/10 Arte e Conhecimento CIDADE DAS ARTES E RIOWEBFEST apresentam Em parceria com a Cidade das Artes, o maior festival internacional de webseries do mundo - Rio WebFest, apresenta a chamada para quarta turma do @cesso, um projeto com o objetivo de instrumentalizar pessoas com noções inicias de produção através dos princípios do empreendedorismo digital. Todos os participantes receberão passaportes para os eventos do festival que acontece aqui na Cidade das Artes em novembro. Os alunos receberão certificado de participação que será entregue na Abertura Oficial do evento, além de haver uma seleção de jovens talentos para integrar a equipe do Rio WebFest 2021. Esses jovens terão a oportunidade de experimentar as mais diversas funções e receberão ajuda de custo e alimentação. O Projeto atenderá prioritariamente jovens provenientes das comunidades carentes da Zona Oeste do município do Rio de Janeiro. É importante informar se houver casos de alunos com necessidades especiais para avaliarmos e nos prepararmos para uma possível adaptação das aulas. O fundador do Rio Webfest, Sp WebFest e Rio WebMercado, Daniel Archangelo, estará à frente do @cesso. Daniel também é proprietário da Dendrobates Cultura, é Diretor em Artes Cênicas formado pela UFRJ e ator formado pela Escola de Teatro Martins Pena, sócio da Charlote Produções Culturais e da Tentáculos Espetáculos. Sobre a área de ação Majoritariamente comunidades carentes no entorno da Cidade das Artes com expansão possível na Zona Oeste e outros bairros. [+] saiba mais Oficina de Percussão I DuRio 26/08 a 26/02 Projeto CDA A ideia de montar a Oficina DU RIO de Percussão surgiu no final de 2015, com o objetivo de ser a única Oficina de Percussão da Barra da Tijuca/Rio de Janeiro a oferecer a oportunidade de aprendizado musical e da experiência de tocar, em grupo, ritmos como Samba, Reggae, Regional, Funk, Frevo, Rock e Marchinha, usando instrumentos tradicionais das escolas de Samba. Acreditamos na ideia de uma enorme demanda e interesse do público pela música, que não seja somente escutar canções e assistir a shows, mas efetivamente participar, tocar, se apresentar e explorar a musicalidade que existe em todos nós! A ideia vem dando certo!!! Nesses últimos anos, lecionamos mais de 150 aulas, desfilamos três vezes em formato de bloco pelas ruas do Novo Leblon, com nossos alunos tocando e um cortejo com quase 1.000 foliões, fizemos mais de 10 eventos de apresentação pública dos alunos, integramos a Bateria Show da Oficina Du Rio com a Banda Du Rio na abertura de dois desfiles em pleno domingo de Carnaval no Posto 6/ Praia de Copacabana, além de assistirmos mais de 100 alunos passarem pela nossa sala de aula e muitos deles saírem pelas ruas do Rio, desfilando nos diversos Blocos de Carnaval. Venha fazer parte desse sonho… [+] saiba mais Escola de Teatro I Cia. Teatral ArteGrimberg 02/09 a 12/12 Teatro A Companhia Teatral ArteGrimberg foi fundada pela diretora Natalia Grimberg no ano de 1993, quando começou a ministrar aulas no espaço do extinto Teatro de Lona da Barra. Nos anos seguintes ministrou aulas no Teatro dos Grandes Atores (Shopping Barra Square), no também extinto Teatro do Barra Shopping e no Teatro Antônio Fagundes. Já em 2001, junto com seus irmãos Nado Grimberg e Tatiana Grimberg, decidiu abrir as portas de um espaço próprio, dedicado ao exercício das artes, e oferecer o Curso Livre de Teatro para todas as idades. Somos uma escola de reconhecida competência e tradição, com professores qualificados e capacitados, e com a missão de garantir a melhor experiência de aprendizado aos seus alunos. Temos orgulho de já ter formado muitos dos atores mirins que atualmente são profissionais reconhecidos e fazem sucesso na mídia. O curso tem duração de 4 meses e é dividido em duas etapas. Na primeira, as aulas de teatro são compostas por exercícios teatrais, improvisação, trabalho de corpo e voz, dinâmicas e noções de palco. Na etapa seguinte inicia a prática dos ensaios para as apresentações de fim de ano. Todas as turmas se apresentarão e todos os alunos receberão um personagem para interpretar. O curso de teatro é coordenado por Nado Grimberg e conta com uma qualificada equipe de professores e assistentes, que tem como objetivo desenvolver a criatividade, a forma de se expressar, e o auto-conhecimento. [+] saiba mais TRANSITIVIDADE I Exposição 09/09 a 21/10 Arte e Conhecimento Transitividade está associada a movimento, trânsito, deslocamento e geralmente depende de algo ou alguém para que aconteça.  Com a pandemia, os trânsitos físicos ficaram cada vez mais escassos prevalecendo as navegações digitais, em rede. O projeto de exposição Transitividade objetiva reunir 12 artistas visuais cujo ponto comum seja a produção de trabalhos desenvolvidos desde o início da pandemia, ou que ressignifique trabalhos anteriores que reflitam sobre o tema, independente do suporte utilizado, cujas imagens veicularam em redes sociais mediadas por um dispositivo digital. A ideia é que, além dos diálogos entre as obras dos artistas, a transitividade seja uma espécie de passagem do espaço virtual para o espaço físico real e assim sucessivamente em um constante fluxo de meios. A exposição transita por diferentes linguagens visuais entre pinturas, gravuras, objetos, desenhos e fotografias distribuídas entre 12 artistas contemporâneos. Idealização e curadoria: Raimundo Rodriguez e Mirela Luz Artistas: Ana Tavares, Claudia Lyrio, Deneir, Hugo Houayek, Julio Sekiguchi, Ivani Pedrosa, Lourdes Barreto, Mirela Luz, Osvaldo Carvalho, Pedro Sanchez, Raimundo Rodrigues, Viviane Teixeira. [+] saiba mais Curso de atuação para as câmeras com Ricardo Connti 09/09 a 16/12 Projeto CDA Em tempos onde as câmeras deixaram de ser apenas para a arte e tornaram-se instrumento de reuniões online, aulas, consultas, divulgação de trabalho e entre outras funções, Ricardo Connti - ator, diretor com mais de 25 anos de experiência em televisão, teatro e cinema - ampliou as fronteiras de seu projeto “O Poder da Câmera”. O curso ganhou uma nova casa e chega à Fundação Cidade das Artes. "O Poder da Câmera" é um Curso de Treinamento e desenvolvimento através das câmeras. Ricardo Connti, ator, diretor e preparador de atores, utiliza as ferramentas de preparação de atores no audiovisual para auxiliar na comunicação, desinibição e desenvolvimento de crianças e jovens, e auxilia adultos a melhor sua performance nas suas atividades profissionais diante das câmeras. Com a expansão de um espaço virtual como forma de comunicação, criação de vídeo marketing, vendas de cursos gravados, cursos on-line, divulgação de seus negócios através das câmeras, todos tivemos que nos reinventar e o aperfeiçoamento das técnicas audiovisuais tornaram-se urgentes para alcançar com excelência: clientes, pacientes, funcionários etc, mesmo a distância. "O Poder da Câmera" é um treinamento prático de todas as técnicas para sair na frente e encontrar o seu maior poder através das câmeras. As aulas serão realizadas às terças e quintas, com turmas para crianças, jovens e adultos. Segundo Ricardo, as técnicas aplicadas com profissionais do audiovisual serão utilizadas para desenvolver profissionais de quaisquer áreas. “Forneceremos ferramentas para atuarem com desenvoltura, segurança na comunicação, foco, memorização, trabalho em equipe e uma exploração constante da criatividade, ampliada através da lente da câmera, do professor e do grupo”, diz. Já para crianças e jovens, o objetivo é otimizar todo o desenvolvimento pessoal, utilizando as artes dramáticas adaptadas à linguagem audiovisual. Ricardo explica: “o curso irá contribuir para desinibição, melhor comunicação, foco, memorização, trabalho em equipe e, também, na indução da criatividade”. De profissional para profissional Para quem já trabalha com audiovisual ou está iniciando a carreira, “O Poder da Câmera” vai além de apenas ensinar técnicas artísticas. De acordo com Connti, o curso será um treinamento que permite a sensibilização, o desenvolvimento e o autoconhecimento do ator, derrubando mitos que afastam o artista do teatro de atuar em televisão e cinema. No mais, o preparador afirma: “Queremos estimular uma percepção mais completa das ferramentas disponíveis para que atores possam ser donos dos próprios projetos, desenvolverem seus curtas, séries, canais na internet, enxergando o audiovisual como uma forma mais democrática de expressão da sua fala”. [+] saiba mais Cura I Cia de Dança Deborah Colker 06/10 a 31/10 Dança Ministério do Turismo e Bradesco Seguros apresentam Companhia de Dança Deborah Colker no espetáculo "Cura" Deborah Colker dedicou seu tempo, nos últimos anos, a buscar uma cura. No caso, uma solução para a doença genética que seu neto tem, a epidermólise bolhosa. Dessa angústia pessoal nasceu o novo trabalho da Cia. Deborah Colker, um espetáculo que vai muito além do aspecto autobiográfico. “Cura” trata de ciência, fé, da luta para superar e aceitar nossos limites, do enfrentamento da discriminação e do preconceito. A dramaturgia é do rabino Nilton Bonder e a trilha original é de Carlinhos Brown. Bradesco Seguros apresenta “Cura”, que também tem patrocínio do Instituto Cultural Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O espetáculo estreia em 6 de outubro, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro. A coreógrafa concebeu o projeto em 2017, mas foi no ano seguinte, com a morte de Stephen Hawking, que encontrou o conceito. Embora acometido por uma doença degenerativa, a ELA (Esclerose lateral amiotrófica), o cientista britânico viveu até os 76 anos e se tornou um dos nomes mais importantes da história da física. Deborah percebeu que há outras formas de cura além das que a medicina possibilita. – Quando foi diagnosticado, os médicos deram a Hawking três anos de vida. Ele viveu mais 50, criativos e iluminados. Entendi o que é a cura do que não tem cura – conta. A estreia aconteceria em Londres em 2020, mas a pandemia não permitiu. O adiamento deu ao espetáculo mais um ano de pesquisas, transformações e reflexões. – A pandemia me fez ter certeza de que não era apenas da doença física que eu queria falar. A cura que eu quero não se dá com vacina – afirma Há dores mostradas no palco, mas há esperança no final. Ela diz que procurou preservar a alegria necessária à vida. Um ingrediente para isso foi a semana que passou em Moçambique durante a preparação, quando conheceu pessoas que não perdiam a vontade de viver, apesar das muitas dificuldades.  – Fui procurar a cura e encontrei a alegria. Deborah incorporou ao espetáculo referências das três religiões monoteístas e elementos de culturas africanas, indígenas e orientais. Logo no início, conta-se a história de Obaluaê, orixá das doenças e das curas. – A ponte entre fé e ciência me ajudou muito. Fui experimentar o invisível, a sabedoria do invisível – diz.  Numa cerimônia realizada quando da morte do seu pai, Deborah conheceu o rabino Nilton Bonder, autor de “A alma imoral” e muitos outros livros. Ao planejar “Cura”, decidiu convidá-lo para desenvolver a dramaturgia. Dentre tantas contribuições, ele ressaltou que “pedir é curar”, ideia que gerou uma cena. Também apontou que “a grande cura é a morte”, o que motivou uma coreografia com dois bailarinos dançando ao som de “You want it darker”, de Leonard Cohen. – O espetáculo apresenta todos os recursos imunitários e humanitários em aliança pela cura. A ciência, a fé, a solidariedade e a ancestralidade são o coquetel de cura do que não tem cura. Concebido antes desta pandemia, o título não é um “conceito”, mas um grito! – afirma Bonder. Carlinhos Brown foi convidado, inicialmente, para compor apenas o tema de Obaluê. Acabou criando praticamente toda a trilha, inclusive a canção inicial, dos versos “Traga meu sorriso para dentro” e “Sou mais forte do que a minha dor”.  – A música veio na minha cabeça logo depois da primeira conversa com Deborah. Eu pensei: “Isso é um chamado, não é uma trilha normal”. É um trabalho muito mais profundo do que “Carlinhos está fazendo uma trilha” – diz o músico. Ele canta em português, ioruba e até em aramaico. Os 13 bailarinos também cantam, em hebraico e em línguas africanas. É algo que acontece pela primeira vez nos 27 anos de história da companhia.  Fundador da companhia ao lado de Deborah, o diretor executivo João Elias vê em “Cura” um passo ainda maior que o dado pela coreógrafa no trabalho anterior, “Cão sem plumas” (2017), baseado no poema de João Cabral de Melo Neto. – Quando começou a coreografar, Deborah era mais abstrata, formal. Depois, passou a contar histórias, aprimorar dramaturgias. “Cão sem plumas” já era um espetáculo visceral, emocionante. “Cura” é ainda mais, mostra um grande amadurecimento – analisa ele. Companheiro de Deborah em toda a trajetória, o cenógrafo e diretor de arte Gringo Cardia é outro que destaca a importância de “Cura” para a artista. – Ela era toda ciência. Passou por um crescimento espiritual. Foi conversar com Deus neste espetáculo – afirma. Sua assinatura está nas duas rampas que dão aos movimentos dos bailarinos a sensação de desequilíbrio. E também está nas caixas que, entre várias funções, formam um muro. – O muro passa a imagem de um grande obstáculo, mas ele se divide em vários pedaços. Então, é possível atravessá-lo. É como a gente faz nas nossas vidas – diz Gringo. Nos figurinos de Claudia Kopke – que esteve em “Cão sem plumas” – as pernas podem ter estilos bem diferentes, traduzindo o desequilíbrio que é um dos nortes do espetáculo.  – Os bailarinos têm as cabeças cobertas, usam balaclavas, mas o final é dourado, de alegria – explica. O iluminador Maneco Quinderé, que só havia trabalhado com a companhia em “Vulcão” (1994), também criou uma luz fragmentada, como sugerem as ideias de “Cura”. O final tem brilho, indicando renascimento.  – Cada segmento tem suas características, e eles formam um caleidoscópio – diz ele. [+] saiba mais Enlaces e desenlaces na família - comentários sobre a obra de Clarice Lispector I Bate Papo 20/10 Arte e Conhecimento O projeto Língua Viva busca ser um ponto convergente entre linguagem, psicanálise e processo criativo. A cada encontro os psicanalistas Marília Flores e Abílio Ribeiro desenvolvem um aspecto especifico da nossa língua.  A arte intriga, faz enigma e provoca.  À luz da psicanálise serão comentados ângulos e caminhos em torno do ato de criação e da experiência de fruição da arte, tanto para o artista quanto para o espectador/leitor. [+] saiba mais Yerushalayim Concert 26/10 Música O espírito de um Povo Em uma homenagem à comunidade judaica do Rio de Janeiro, a Orquestra Rio Sinfônica apresenta um espetáculo que pretende emocionar pessoas de todas as idades. O concerto apresentará canções folclóricas judaicas, temas de filmes e musicais, tudo acompanhado de coro e orquestra com arranjos inéditos no Brasil. O Yerushalayim Concert contará um pouco da história do povo judeu, suas lutas, sua contribuição intelectual e cultural através de músicas que remetem a várias nacionalidades e a criação do Estado de Israel.   [+] saiba mais GOLDHERANÇA | Golden Boys, Evinha e Trio Esperança 05/11 Música Os irmãos Correa em um encontro raro da família de cantores que marcaram gerações. Os Golden Boys, a cantora Evinha e o Trio Esperança apresentam canções de sucesso que marcaram a carreira de cada um dos artistas no projeto GOLDHERANÇA. O show tem repertório que há muito estão no inconsciente nacional e são considerados verdadeiros clássicos da música popular brasileira. O público vai ouvir canções eternas como “Filme Triste”, “O Passo do Elefantinho” e “A Festa do Bolinha” (hits do Trio Esperança), "Casaco marrom", "Cantiga por Luciana" e "Teletema" (imortalizadas na voz de Evinha), "Alguém na multidão", “Fumacê” e "Erva Venenosa", obrigatórias em shows dos Golden Boys. Renato, Ronaldo e Roberto formaram os Golden Boys no final dos anos 50 com o primo Valdir. Com o falecimento de Valdir em 2004 o grupo seguiu na formação de Trio e em 2016, com o falecimento do irmão Roberto, o irmão Mario tornou-se o novo Golden Boy. Já Evinha, Mário e Regina são da primeira formação do Trio Esperança, que passou a contar com a caçula Marizinha, em 1968, quando Evinha seguiu em carreira solo. A oportunidade para os artistas estarem juntos é algo raríssimo, pois Evinha, Marizinha e Regina estão radicadas há anos na EUROPA, onde o Trio Esperança é sucesso em sua terceira formação (só com as mulheres da família Correa). O clima familiar estará visível no palco. A começar pelo cenário, que reproduzirá com sofás e luminárias uma típica sala de estar. A banda é formada por seus herdeiros musicais: os próprios filhos - o baixista Beto Filho (filho do Roberto Correa), os irmãos Rodrigo e Diego Saldanha (guitarrista e baterista, respectivamente - filhos de Renato Correa e ex-integrantes do grupo infantil dos anos 80 Os Abelhudos) e o cantor e produtor Bruno Galvão (filho de Mário Correa) no violão. A direção do espetáculo é de Gerard Gambus, marido de Evinha, que integra a banda ao piano. Se os caminhos foram pessoais, os laços - familiares e musicais - mantiveram-se firmes. Uma prova disso será dada num lugar onde se sentem à vontade há décadas: o palco. "O compromisso de nos reunirmos no palco vai além do âmbito profissional: é também uma oportunidade de matarmos a saudade",  avalia Evinha. Tá curioso, assista o link do show https://youtu.be/cV5WYOk7eMA [+] saiba mais HACKTUDO I Festival de Cultura Digital 06/11 a 07/11 Festival HACKTUDO promove edição híbrida em 2021 com ATRAÇÕES PRESENCIAIS na CIDADE DAS ARTES nos dias 6 e 7 de novembro. Hackathons serão VIRTUAIS entre 15 e 24 de outubro e as inscrições já se encerraram Além das competições online que buscarão soluções inovadoras para problemas reais, festival de cultura digital terá edição física com conferência, corrida de drones, batalha de robôs, exposição, trabalhos de cultura maker e atividades para público infanto-juvenil Rio de Janeiro – Considerado um dos principais festivais de cultura digital do país, o HACKTUDO está de volta em 2021 com uma edição híbrida. Nos dias 6 e 7 de novembro, o público poderá acompanhar de perto, na Cidade das Artes, o HackConference, assinado pela patrocinadora master Petrobras e pelo Governo Federal; conferência de painéis e talks que reunirá profissionais renomados de diversas áreas, torcer no HackDrones, a corrida de drones, assinada pela co-patrocinadora Norsul; ou no HackRobot, as batalhas de robôs – que acontecem em três arenas com combates e partidas de hockey –, participar das atividades do HackLab, assinado pela patrocinadora Escola Parque, voltadas para o público infanto-juvenil, visitar a exposição do duo VJ Suave – com a instalação em realidade virtual, Floresta Encantada, e o cinema expandido, Folclore Digital – ou conhecer de perto os trabalhos de cultura maker dos artistas Jota Azevedo, Henrique Ventura, Marcio Nehrebecki e Mau Maker.  Os tradicionais Hackathons, que deram origem ao evento, acontecem de forma virtual entre os dias 15 e 24 de outubro e já estão com as inscrições encerradas. Ao todo, as competições vão distribuir mais de R$70 mil em premiações. “Estamos muito felizes em retornar com um formato híbrido para o nosso público. Parte do nosso evento funciona muito bem de forma virtual, como é o caso dos Hackathons e as oficinas do HackLab. Mas nada substitui a emoção de estarmos juntos ao vivo, torcer para o seu robô preferido”, entrega Miguel Colker, diretor e um dos realizadores do festival.   [+] saiba mais