Fundação Cidade das Artes

Notícias » 'Roda viva' volta ao Rio com o Grupo Oficina em esquema de guerrilha com crowdfunding e hospedagens improvisadas

Novembro de 2019

dia 07, Quinta

'Roda viva' volta ao Rio com o Grupo Oficina em esquema de guerrilha com crowdfunding e hospedagens improvisadas

Alvo de violência e censura quando estreou há meio século, o musical de Chico Buarque reestreia na cidade nesta sexta-feira


Pedro Tinoco, Especial para O GLOBO
Foto: Alexandre Cassiano / Agência O Globo

07/11/2019 - 04:30 / Atualizado em 07/11/2019 - 11:08

RIO — Só podia ser 1968 . Nos tempos beligerantes de ditadura, a peça de estreia do jovem astro da MPB ganhou montagem provocadora, e militantes à direita sentiram-se à vontade para silenciar os atores na base do sarrafo. Até o final daquele ano, a violência reinante seria regulamentada com o Ato Institucional nº 5, pontapé inicial para o recrudescimento da repressão. Por essas e outras, “Roda viva”, de Chico Buarque, tornou-se um marco. E, curiosamente, volta ao circuito junto com debates (ameaças?) em torno de um “novo AI-5” e outras medidas “energéticas” . O espetáculo, mais uma vez dirigido por José Celso Martinez Corrêa, ocupa a Grande Sala da Cidade das Artes de amanhã a 1º de dezembro.

“Roda viva”, nas palavras de seu diretor, tem algo de um “auto religioso, épico”. Ao longo de quase quatro horas, o público acompanha as aventuras de Benedito (Roderick Himeros), entre os desígnios do Anjo (Gui Calzavara) e do capeta (Zé Ed), ao lado de sua esposa Juliana (Camila Mota) e do amigo boêmio Mané (Marcelo Drummond).

É possível definir como épico também o périplo para trazer a produção ao Rio. Com 64 integrantes, entre atores, técnicos, músicos e a equipe de filmagem (parte da peça é reproduzida ao vivo, em telões que fazem parte do cenário), a trupe do Oficina desembarcou na cidade com a cara e a coragem. Boa parte da verba para bancar a temporada carioca ainda depende do crowdfunding aberto no site “Benfeitoria”.

— Foi mais ou menos assim com “O rei da vela”, no ano passado. Quando soubemos do assassinato de Marielle, em 14 de março de 2018, decidimos que tínhamos que ir para o Rio. Um mês depois, estreamos aqui na Cidade das Artes — conta a atriz Camila Mota.

Dessa vez, o esquema é de guerrilha. Após conseguir apoio de uma companhia de ônibus que faz o trajeto São Paulo-Rio, eles também pegaram um empréstimo com a Casa Um, antigo espaço de acolhida de população de rua que virou centro de cultura, para alugar espaços para hospedar a equipe — o resto do grupo está em casas de amigos.

— Mas ainda falta muita coisa. O orçamento dessa vinda ao Rio está em torno dos R$ 700 mil e nós só captamos, até agora, via crowdfunding, R$ 52 mil — observa Camila.
 

Nada disso desanima o grupo. Desde a reestreia de “Roda viva”, em São Paulo, no dia 6 de dezembro de 2018, numa temporada bem-sucedida que durou quase um ano, o clima é de festa.

— A primeira montagem era provocadora, a gente mexia mesmo com o público, jogava flores nos espectadores, dizendo “jogamos flores aos mortos”. Agora, o sentimento é de comunhão, estamos todos, no palco e na plateia, doidos para sair dessa sinuca, da arapuca do poder — explica Zé Celso.

Faz sentido marcar essa diferença por toda a trajetória do espetáculo no fim dos anos 1960. Na época, Chico Buarque, aos 24 anos, convivia com um hit estrondoso — “A banda”, vencedora do II Festival da Música Popular Brasileira — e certo fastio. O astro carregava a incômoda sensação de que era consumido pelas engrenagens do show business . Veio daí a inspiração para um musical sobre a acidentada trajetória do cantor e compositor Benedito da Silva — ou Ben Silver, ou Benedito Lampião, mudando de estilo ao sabor do mercado.

Em janeiro de 1968 , os ensaios para a estreia no Rio, no Teatro Princesa Isabel, viravam happenings, com presença de gente como Mick Jagger e Miriam Makeba. Da temporada festiva no Rio, com Antonio Pedro, Marieta Severo, Paulo Cesar Pereio, Pedro Paulo Rangel e Zezé Motta, entre outros atores, a peça seguiu para São Paulo com alterações no elenco. Na capital paulista veio o primeiro susto. Em julho, um grupo armado do Comando de Caça aos Comunistas decidiu perseguir artistas no galpão do Teatro Ruth Escobar. O espaço foi depredado, e atores como Marília Pêra, brutalmente espancados.

Três meses depois, as cenas de violência se repetiram durante curta temporada no Teatro Leopoldina, em Porto Alegre: o elenco foi agredido e expulso da cidade. Logo em seguida, o espetáculo seria oficialmente censurado. Em matéria no jornal “Correio da Manhã”, o coronel Aloísio de Souza, então chefe da censura federal, justificou a decisão definindo a peça como “um amontoado de palavrões, cenas imorais e frases de incitamento contra o regime”.

Nesta versão para o século XXI, o tom satírico, forte desde a primeira adaptação, mira em novos alvos, do sertanejo universitário aos políticos da vez. A crítica à televisão ganhou a companhia de mecanismos atuais do sistema, a exemplo da internet, com seus memes e fake news.

Na trilha sonora, temas conhecidos, como a faixa-título e “Sem fantasia”, dividem espaço com o divertido “Iê iê iê bíblico”, do repertório original e jamais gravado, além de composições da própria companhia. Duas novidades são do autor do espetáculo: “Caravanas”, que dá nome ao mais recente disco de Chico Buarque, e “Cordão”, hino de resistência do LP “Construção”, de 1971. Tudo interpretado ao vivo por sete instrumentistas e um coro com seus 16 integrantes.

— O coro original fez a peça e influenciou o Oficina para sempre. Era um bando de loucos. As meninas fãs do Chico iam assistir e ficavam chocadas. Eles eram 68 em estado puro, tanto que foram massacrados. A “roda viva”, naquele tempo, foi o sistema opressor, agora nossa interpretação é oposta. Roda viva é a vida, é mudança permanente, um alívio — discursa o diretor.

Como em 68, o Oficina encena “Roda viva” depois de “O rei da vela”. Como em 68, a sociedade anda envolvida em discussões quentes sobre censura — e até AI-5. E Chico Buarque, por onde anda?

— Ele nos apoiou em tudo, mas não veio ver, acho que não vem. Ele acha a peça fraca. Nunca o primo canto de um poeta é fraco. A primeira obra é a celula mater , traz por dentro tudo o que vai acontecer depois — diz Zé Celso.

Marcelo Drummond, que vive o gozador Mané, ainda arrisca um convite.

— Se o Chico não gosta da peça, pode vir sem se preocupar. A gente também não gostou, mudamos um monte de coisa — diverte-se o ator, em tom de galhofa.


Link para matéria completa

Demais notícias

Janeiro de 2020

dia 29
Quarta

Sala de Leitura da Cidade das Artes atrai estudantes e pesquisadores

Lauren Poliana comanda a Sala de Leitura da Cidade das Artes Foto: / Roberto Moreyra / Agência O Globo Matéria: Danilo Perelló Sem biblioteca pública na região, espaço absorve demanda RIO — Homenagens a grandes escritores não faltam pelas ruas da Barra. Quem mora na região fatalmente já passou pelas avenidas Erico Verissimo ou Rachel de Queiroz, por exemplo.

[+] leia mais

Janeiro de 2020

dia 19
Domingo

Nova presidente da Cidade das Artes promete manter aposta em grandes musicais

A nova presidente da Fundação Cidade das Artes, Renata Monteiro. Antes, ela foi diretora da Casa de Cultura Laura Alvim.

[+] leia mais

Janeiro de 2020

dia 15
Quarta

Rio2C 2020 vai discutir leitura e educação no século XXI

Rafael Lazarini, idealizador do Rio2C, apresenta as novidades do evento para 2020 Foto: Fernando Souza / Divulgação No evento, escritores poderão fazer pitching de suas obras para produção de filmes e séries de TV Luiza Barros 15/01/2020 - 14:09 / Atualizado em 15/01/2020 - 20:03 / O GLOBO   RIO — O Rio2C, um dos principais eventos de criatividade da América Latina, divulgou nesta quarta-feira as primeiras informações sobre a sua edição de 2020. A conferência acontece entre 5 e 10 de maio na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca.

[+] leia mais

Dezembro de 2019

dia 19
Quinta

A Cidade das Artes entra em manutenção preventiva 2019/2020

Informamos que, a partir do dia 21/12/2019, a Cidade das Artes entrará em período de manutenção preventiva, voltando ao funcionamento normal no dia 06/01/2020. SALA DE LEITURA E MAQUETE DE LEGO A Sala de Leitura e a Exposição Maquete de LEGO do Rio de Janeiro estarão fechadas durante este período, retornando suas atividades no dia 07 de janeiro (Sala de Leitura) e no dia 08 de janeiro (LEGO) de 2020.

[+] leia mais

Novembro de 2019

dia 29
Sexta

Movimento cultural Fair Saturday, em resposta à Black Friday, chega ao Rio

Os capoeirista contramestre Amaz (com o berimbau) e Marmita, que participarão do evento Fair Saturday Foto: Domingos Peixoto / Agência O Globo   Evento na Cidade das Artes terá eventos infantis, exibição de séries, palestras, exposição e DJs Danilo Perelló 29/11/2019 - 17:47 / Atualizado em 29/11/2019 - 18:21 RIO — Paulinho da Viola já dizia que dinheiro na mão é vendaval, na letra do sucesso “Pecado capital”. Mas depois da tempestade (ou da gastança), vem sempre a bonança.

[+] leia mais

Novembro de 2019

dia 12
Terça

As melhores peças em cartaz no Rio

Remontagem de "Roda viva" e musical da dupla Möeller e Botelho estão entre destaques da programação O Globo 12/11/2019 - 14:01 / Atualizado em 12/11/2019 - 14:02 Musical, comédia ou drama? Qualquer que seja a sua escolha, há boas opções em cartaz nos teatros cariocas. Lista inclui peça embalada por sucessos da bossa nova, espetáculo da dupla Charles Möller e Claudio Botelho e  remontagem do clássico "Roda viva", entre outros.

[+] leia mais

Novembro de 2019

dia 11
Segunda

Depois dos 80, tem que acelerar, diz Francis Hime, que comemora aniversário com novo álbum

O compositor Francis Hime Foto: Divulgação/Nana Moraes Bolívar Torres O Globo - 11/11/2019 - 04:30 / Atualizado em 11/11/2019 - 09:38 RIO — Oitenta anos completados em agosto, Francis Hime não quer olhar para trás. É o momento presente que alimenta o seu mais novo álbum, “Hoje”, que será lançado nesta quarta-feira, às 20h, na Grande Sala da Cidade das Artes.

[+] leia mais

Novembro de 2019

dia 07
Quinta

Exposição 'O dia seguinte' aborda emergência climática e futuro dos centros urbanos na Cidade das Artes

Mostra é gratuita e termina no domingo (10/11). Mais de 25 mil pessoas já passaram visitaram o evento gratuito.

[+] leia mais

Outubro de 2019

dia 31
Quinta

Adriana Calcanhotto grava 'Margem' quando show voltar a aportar no Rio

Adriana Calcanhotto está em cena desde agosto de 2019 com o show 'Margem' — Foto: Murilo Alvesso / Divulgação Registro audiovisual do espetáculo marinho está programado para 14 de dezembro. G1 31/10/2019 16h01  Atualizado há um mês Por Mauro Ferreira, Jornalista carioca que escreve sobre música desde 1987, com passagens em 'O Globo' e 'Bizz'.

[+] leia mais

Outubro de 2019

dia 25
Sexta

Funcionamento da Sala de Leitura durante o HACKTUDO

Devido às múltiplas atrações do festival HACKTUDO, nossa sala de leitura estará fechada neste final de semana (26 e 27/10).     O espaço volta à sua programação normal na próxima terça-feira (29/10), de 10h às 18h.

[+] leia mais