Fundação Cidade das Artes

Notícias » Crítica: Cena pulsa com a mesma força viva de sua origem

Abril de 2018

dia 16, Segunda

Crítica: Cena pulsa com a mesma força viva de sua origem

Zé Celso em cena em 'O Rei da Vela', na Cidade das Artes - Foto: Fátima Sá

É desafiante para a atual audiência, dispersiva e impaciente, penetrar no texto longo.

Jornal O GLOBO
POR MACKSEN LUIZ 16/04/2018 4:30

RIO — Na estreia de “O Rei da Vela”, há 50 anos, no Teatro Oficina, o texto de Oswald de Andrade, escrito 34 anos antes, surpreendia e criava impacto político-estético no teatro de um tempo de repressão e censura. Os fundamentos antropofágicos e as liberdades modernistas que Oswald exibia em sua farsa em três atos sobre as consequências do crack de 1929 da Bolsa de Nova York na burguesia cafeeira de São Paulo eram expostos com desabrido rompimento de padrões cênicos então circulantes.

O Oficina, que vinha de repertório realista, dá uma virada que anunciava o que aconteceria depois na linha brechtiana de seus próximos espetáculos, e na linguagem dionisíaca de sua fase atual. O Brasil da década de 1960 está triturado por encenação que recorre ao Brasil da década de 1930 para demolir a hipocrisia de classe, parodiar a injustiça econômica e caricaturar comportamentos.

O diretor José Celso Martinez Corrêa tinha a certeza de que propunha algo inovador, insolente, que repercutiria de forma demolidora. A crítica se confessava perplexa, a intelectualidade, instigada, artistas, inspirados, e o público, confuso, mas mantendo a montagem por mais de uma década. A publicidade procurava orientar plateias, sintetizando a complexidade que perturbava os espectadores: “Três estilos num só espetáculo (realismo, revista, ópera e ainda missa negra) — vida, paixão e morte de um burguês brasileiro”.


Integridade criativa intacta

Hoje, ao rever “O Rei da Vela”, o impacto não será o mesmo para um Brasil mais ou menos diferente. Não será, também, tão afrontoso quanto parecia aos que acusavam o golpe por estar na mira. O que pode ser visto na Cidade das Artes é a reprodução, cenário a cenário, música a música, do que Zé Celso criou e Hélio Eichbauer desenhou. A integridade criativa está intacta, sem que se reduza ao registro histórico ou à reprodução memorialística.

A cena pulsa com a mesma força viva de origem e renasce pelo rigor e técnica da dinâmica de sua invenção. É desafiante para a atual audiência teatral, dispersiva e impaciente, penetrar em texto, longo e discursivo, e se deixar levar por sucessão de quadros com códigos ainda não completamente digeridos. Mas os batimentos estrondosos que estão no coração de um corpo cênico vigoroso espalham imagens sanguíneas que abrem os vasos comunicantes.

A abertura do segundo ato, com “Yes, nós temos bananas” cantado por coro de um teatro de revista mambembe e na exuberância tropicalista da cenografia, é encerrada pela citação de Bilac de que “não há país como este”. O terceiro ato tem direção primorosa, que conquista a atenção silenciosa dos que o assistem.

O elenco impecavelmente reconstitui com efeito fotográfico a excelência do passado. Destaque para a disponibilidade de Marcelo Drummond no “tour de force” na interpretação de Abelardo.

“O Rei da Vela” de 2018 comprova a permanência de uma arte em que o efêmero se confunde com palco. Como lembrou Zé Celso anteontem, sua encenação é uma obra de arte, como seria uma pintura ou qualquer outra manifestação mais “duradoura”. Talvez agora “O Rei da Vela” se confirme como valor “definitivo”. E pareça um tanto menos ruidosa ao apelar no final que o público, “esse imenso cadáver gangrenado”, não aplauda o que acabou de ver, sugerindo chamar bombeiros e polícia para salvar tradições e moral.

Cotação: ótimo

 

Demais notícias

Abril de 2018

dia 15
Domingo

'O Rei da Vela' volta ao Rio, 50 anos depois, em noite histórica

José Celso Martinez Corrêa em cena de 'O Rei da Vela', na Cidade das Artes: financiamento via crowdfunding - Foto: Divulgação Publicado no SEGUNDO CADERNO POR FÁTIMA SÁ 15/04/2018 19:07 / atualizado 16/04/2018 13:28 RIO — “A cultura teatral brasileira está no fundo de um precipício", desabafou Fernanda Montenegro, emocionada, ao fim da estreia carioca de “O Rei da Vela”, na noite de sábado. “Há muito tempo os nossos palcos não apresentam nada igual.

[+] leia mais

Março de 2018

dia 26
Segunda

Bel Kutner anuncia a vinda de ‘O Rei da Vela’ ao Rio, fala sobre o papel na novela e o autismo do filho

Publicado no Jornal O Globo I Blog da Marina Caruso POR FERNANDA PONTES 26/03/2018 07:45 Ela perdeu a mãe, a atriz Dina Sfat, aos 18 anos. Há 30, acompanha o pai, o ator Paulo José, na luta contra o Parkinson.

[+] leia mais

Março de 2018

dia 19
Segunda

Cidade das Artes modifica funcionamento durante o Rio Creative Conference

A Cidade das Artes vai receber, de 3 a 8 de abril, o Rio Creative Conference (Rio2C), maior encontro de criatividade e inovação da América do Sul. Por conta da grandiosidade de um evento importantíssimo para a cidade, levando-se em conta a complexidade de montagem e desmontagem de tamanha engrenagem, estaremos fechados a partir do dia 26/3 ao dia 10/4.

[+] leia mais

Março de 2018

dia 13
Terça

CRÍTICA: “Contos Negreiros” é espetáculo obrigatório

Por  Dâmaris Grün  - 5 de Março de 2018 - site https://aplausobrasil. com.

[+] leia mais

Março de 2018

dia 12
Segunda

Cidade das Artes homenageia mulheres com arte e jiu-jitsu

A Cidade das Artes homenageará, no dia 24 de março, as mulheres com o evento "Mulheres das Artes – Edição Copa Kyra". O evento contará com uma grande variedade de atividades voltadas ao público feminino, como oficinas, workshops, shows, entretenimento e muita diversão.

[+] leia mais

Março de 2018

dia 08
Quinta

Aula de Pizza Artesanal Italiana na Cidade das Artes

A Cidade das Artes, em parceria com  a rede de restaurantes Abbraccio Cuccina Italiana, oferecerá, no dia 13, a partir das 16h, um curso de pizza artesanal. Os interessados poderão aprender como fazer a Pizza Carbonara, sabor recentemente lançado pela Abbraccio em suas diversas filiais espalhadas pelo país.

[+] leia mais

Março de 2018

dia 07
Quarta

Aviso de Licitação - Concurso Nº 01/2018

AVISO DE LICITAÇÃO - CONCURSO Nº 01/2018 Objeto: Seleção do melhor Projeto para elaboração de um Plano de Negócios visando à sustentabilidade financeira e artística de longo prazo da Fundação Cidade das Artes associado a contratação da empresa vencedora para prestação de serviços de consultoria e assessoria e a captação de recursos em âmbito nacional e internacional. EDITAL Nº 01/2018 .

[+] leia mais

Março de 2018

dia 02
Sexta

Cidade das Artes promove cursos em parceria com o Festival RioWeb

O Comida, Diversão e Arte, projeto realizado na Cidade das Artes com cursos, atividades e palestras gratuitos, terá o mês de março quase inteiramente dedicado ao ambiente web, com aulas gratuitas englobando três grandes áreas do segmento: mídias sociais, funcionamento da internet e feitura de webséries. A iniciativa acontece em parceria com o Festival RioWeb e reúne três profissionais de ponta que vão esclarecer os meandros de uma ferramenta tão presente quanto desconhecida por grande parte dos usuários.

[+] leia mais

Fevereiro de 2018

dia 26
Segunda

Espetáculo na Cidade das Artes investiga a trajetória de crimes notórios

Publicado no Jornal O Globo - Bairros POR RODRIGO BERTHONE 26/02/2018 4:30 O que leva uma pessoa a chegar ao ponto de praticar um crime? Como era a vida de um indivíduo antes de tornar-se um criminoso?  Esta e outras questões sobre a natureza humana, tendo a violência como fio condutor fazem parte de uma nova montagem teatral em cartaz na Cidade das Artes. Intitulada “Iter kriminis”, em alusão à expressão latina iter criminis, ou “caminho do crime”, a peça — que também pode ser considerada uma instalação de arte — se inspira na literatura de grandes autores, assim como em crimes reais que se tornaram icônicos, para fazer o espectador penetrar na mente destes personagens momentos antes de eles praticarem assassinatos.

[+] leia mais

Fevereiro de 2018

dia 21
Quarta

Cidade das Artes recebe Contos Negreiros do Brasil

A Cidade das Artes recebe, entre os dias 3 e 23 de março, o espetáculo Contos Negreiros do Brasil, que trata da condição real e atual dos negros no Brasil. A peça, baseada no livro homônimo de Marcelo Freire, toca abrange questões como a do jovem estudante, o gay negro, a negra hipersexualizada pela sociedade, o menor infrator, a prostituta e a idosa.

[+] leia mais