Fundação Cidade das Artes

Notícias » Crítica: Cena pulsa com a mesma força viva de sua origem

Abril de 2018

dia 16, Segunda

Crítica: Cena pulsa com a mesma força viva de sua origem

Zé Celso em cena em 'O Rei da Vela', na Cidade das Artes - Foto: Fátima Sá

É desafiante para a atual audiência, dispersiva e impaciente, penetrar no texto longo.

Jornal O GLOBO
POR MACKSEN LUIZ 16/04/2018 4:30

RIO — Na estreia de “O Rei da Vela”, há 50 anos, no Teatro Oficina, o texto de Oswald de Andrade, escrito 34 anos antes, surpreendia e criava impacto político-estético no teatro de um tempo de repressão e censura. Os fundamentos antropofágicos e as liberdades modernistas que Oswald exibia em sua farsa em três atos sobre as consequências do crack de 1929 da Bolsa de Nova York na burguesia cafeeira de São Paulo eram expostos com desabrido rompimento de padrões cênicos então circulantes.

O Oficina, que vinha de repertório realista, dá uma virada que anunciava o que aconteceria depois na linha brechtiana de seus próximos espetáculos, e na linguagem dionisíaca de sua fase atual. O Brasil da década de 1960 está triturado por encenação que recorre ao Brasil da década de 1930 para demolir a hipocrisia de classe, parodiar a injustiça econômica e caricaturar comportamentos.

O diretor José Celso Martinez Corrêa tinha a certeza de que propunha algo inovador, insolente, que repercutiria de forma demolidora. A crítica se confessava perplexa, a intelectualidade, instigada, artistas, inspirados, e o público, confuso, mas mantendo a montagem por mais de uma década. A publicidade procurava orientar plateias, sintetizando a complexidade que perturbava os espectadores: “Três estilos num só espetáculo (realismo, revista, ópera e ainda missa negra) — vida, paixão e morte de um burguês brasileiro”.


Integridade criativa intacta

Hoje, ao rever “O Rei da Vela”, o impacto não será o mesmo para um Brasil mais ou menos diferente. Não será, também, tão afrontoso quanto parecia aos que acusavam o golpe por estar na mira. O que pode ser visto na Cidade das Artes é a reprodução, cenário a cenário, música a música, do que Zé Celso criou e Hélio Eichbauer desenhou. A integridade criativa está intacta, sem que se reduza ao registro histórico ou à reprodução memorialística.

A cena pulsa com a mesma força viva de origem e renasce pelo rigor e técnica da dinâmica de sua invenção. É desafiante para a atual audiência teatral, dispersiva e impaciente, penetrar em texto, longo e discursivo, e se deixar levar por sucessão de quadros com códigos ainda não completamente digeridos. Mas os batimentos estrondosos que estão no coração de um corpo cênico vigoroso espalham imagens sanguíneas que abrem os vasos comunicantes.

A abertura do segundo ato, com “Yes, nós temos bananas” cantado por coro de um teatro de revista mambembe e na exuberância tropicalista da cenografia, é encerrada pela citação de Bilac de que “não há país como este”. O terceiro ato tem direção primorosa, que conquista a atenção silenciosa dos que o assistem.

O elenco impecavelmente reconstitui com efeito fotográfico a excelência do passado. Destaque para a disponibilidade de Marcelo Drummond no “tour de force” na interpretação de Abelardo.

“O Rei da Vela” de 2018 comprova a permanência de uma arte em que o efêmero se confunde com palco. Como lembrou Zé Celso anteontem, sua encenação é uma obra de arte, como seria uma pintura ou qualquer outra manifestação mais “duradoura”. Talvez agora “O Rei da Vela” se confirme como valor “definitivo”. E pareça um tanto menos ruidosa ao apelar no final que o público, “esse imenso cadáver gangrenado”, não aplauda o que acabou de ver, sugerindo chamar bombeiros e polícia para salvar tradições e moral.

Cotação: ótimo

 

Demais notícias

Maio de 2019

dia 08
Quarta

Dia das Mães com Duo Santoro e no Bistrô da Cidade das Artes

Quer fazer um programa especial com sua família no Dia das Mães? Então aproveite para proporcionar um dia inesquecível e convide a sua mãe para apreciar o lindo concerto "Duo Santoro para mães e filhos” e logo depois saborear um delicioso almoço no novo Bistrô Café das Artes.   O restaurante terá um cardápio especial e vai oferecer um desconto de 50% nos ingressos para o espetáculo.

[+] leia mais

Abril de 2019

dia 29
Segunda

Rio2C termina neste domingo e movimenta R$ 250 milhões em negócios

Por Matheus Rodrigues, G1 Rio 28/04/2019  Rafael Lazarini, CEO e criador da conferência, disse ao G1 que foram 7,5 terabytes de informação compartilhada nos seis dias de evento na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca. No último dia da Rio2C neste domingo (28), a organização do maior evento de criatividade e inovação da América Latina divulgou que o volume de negócios fechados nos seis dias da conferência chegou a R$ 250 milhões.

[+] leia mais

Abril de 2019

dia 15
Segunda

Cidade das Artes modifica funcionamento durante o Rio2C

A Cidade das Artes vai receber, de 23 a 28 de abril de 2019, o Rio2C - Rio Creative Conference, maior encontro de criatividade e  inovação da América do Sul. Por conta da grandiosidade de um evento importantíssimo para a cidade, levando-se em conta a complexidade de montagem e desmontagem de tamanha engrenagem, alguns de nossos espaços estão fechados.

[+] leia mais

Abril de 2019

dia 05
Sexta

Cinema de Lars Von Trier é tema de debate e reflexão

CIDADE DAS ARTES PROMOVE DEBATE SOBRE OBRA DE LARS VON TRIER A Cidade das Artes promoverá, no dia 06/04, a partir das 18h30, uma atividade de reflexão sobre o filme Dogville, do cineasta dinamarquês Lars von Trier. O objetivo é realizar uma leitura psicanalítica acerca da identidade de suas densas e controversas personagens, bem como de um enredo repleto de ricas metáforas, abordando a incompatibilidade insustentável, entre natureza humana e a face impostora do processo civilizatório.

[+] leia mais

Abril de 2019

dia 02
Terça

Sala de Leitura terá workshop de Teatro para Autistas

Dentro da série de ações tendo como mote o Dia Mundial de Conscientização do Autismo, comemorado no dia 2 de abril, a Cidade das Artes realiza um workshop de Teatro para Autistas e seus Cuidadores. A atividade acontecerá dia 06/04, entre 15h e 17h.

[+] leia mais

Fevereiro de 2019

dia 25
Segunda

A Cidade das Artes entra em manutenção preventiva no Carnaval.

Informamos que no período de 01/03/2019 a 06/03/2019 a Cidade das Artes estará fechada para manutenção preventiva, com exceção do dia 02/03/2019 que acontecerá um evento na área externa. A Sala de Leitura, Bilheteria e a Exposição Lego estarão fechadas durante este período e retornarão suas atividades a partir do dia 07/03/2019.

[+] leia mais

Fevereiro de 2019

dia 04
Segunda

Aviso para Projetos de Eficiência Energética - LIGHT

AVISO DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2019   Processo: 12/800. 032/2019 Objeto: Edital de Chamada Pública para SELEÇÃO de empresas especializadas em eficiência energética para desenvolver projetos para o Complexo Cidade das Artes, localizado na Av.

[+] leia mais

Janeiro de 2019

dia 17
Quinta

Cidade das Artes fecha para evento dia 24/01

  Informamos que na quinta-feira, dia 24/01/19, a Cidade das Artes estará fechada ao público devido ao evento da CONMEBOL – Sorteio da Copa América Brasil – 2019.   Espaços como Sala de Leitura, bilheteria, exposições e até o estacionamento estarão fechados durante todo o dia e retornarão as atividades no dia seguinte.

[+] leia mais

Janeiro de 2019

dia 09
Quarta

Brazilian Music Experience - Tour sobre a Cidade das Artes e Música Brasileira

  Brazilian Music Experience na Cidade das Artes Organizado pela Escola de Música da Associação dos Amigos da Cidade das Artes    A Brazilian Music Experience é uma oportunidade divertida de conhecer a Cidade das Artes e de aprender de forma interativa o melhor da música Brasileira.  Com duração de aproximadamente 3h, o "tour" conta com uma aula guiada sobre a Cidade das Artes, um Happy Coffee Break e uma workshop de música Brasileira.

[+] leia mais

Janeiro de 2019

dia 08
Terça

Roda de Samba com Oficina de Percussão DURIO

  O Carnaval do Rio de Janeiro é uma das maiores festividades do planeta e, ao longo dos últimos 10 anos, vem se reinventando de uma forma tipicamente carioca: na rua. Junto com esse fenômeno veio a valorização e a multiplicação das rodas de samba pela cidade.

[+] leia mais