Fundação Cidade das Artes

Notícias » Crítica: Cena pulsa com a mesma força viva de sua origem

Abril de 2018

dia 16, Segunda

Crítica: Cena pulsa com a mesma força viva de sua origem

Zé Celso em cena em 'O Rei da Vela', na Cidade das Artes - Foto: Fátima Sá

É desafiante para a atual audiência, dispersiva e impaciente, penetrar no texto longo.

Jornal O GLOBO
POR MACKSEN LUIZ 16/04/2018 4:30

RIO — Na estreia de “O Rei da Vela”, há 50 anos, no Teatro Oficina, o texto de Oswald de Andrade, escrito 34 anos antes, surpreendia e criava impacto político-estético no teatro de um tempo de repressão e censura. Os fundamentos antropofágicos e as liberdades modernistas que Oswald exibia em sua farsa em três atos sobre as consequências do crack de 1929 da Bolsa de Nova York na burguesia cafeeira de São Paulo eram expostos com desabrido rompimento de padrões cênicos então circulantes.

O Oficina, que vinha de repertório realista, dá uma virada que anunciava o que aconteceria depois na linha brechtiana de seus próximos espetáculos, e na linguagem dionisíaca de sua fase atual. O Brasil da década de 1960 está triturado por encenação que recorre ao Brasil da década de 1930 para demolir a hipocrisia de classe, parodiar a injustiça econômica e caricaturar comportamentos.

O diretor José Celso Martinez Corrêa tinha a certeza de que propunha algo inovador, insolente, que repercutiria de forma demolidora. A crítica se confessava perplexa, a intelectualidade, instigada, artistas, inspirados, e o público, confuso, mas mantendo a montagem por mais de uma década. A publicidade procurava orientar plateias, sintetizando a complexidade que perturbava os espectadores: “Três estilos num só espetáculo (realismo, revista, ópera e ainda missa negra) — vida, paixão e morte de um burguês brasileiro”.


Integridade criativa intacta

Hoje, ao rever “O Rei da Vela”, o impacto não será o mesmo para um Brasil mais ou menos diferente. Não será, também, tão afrontoso quanto parecia aos que acusavam o golpe por estar na mira. O que pode ser visto na Cidade das Artes é a reprodução, cenário a cenário, música a música, do que Zé Celso criou e Hélio Eichbauer desenhou. A integridade criativa está intacta, sem que se reduza ao registro histórico ou à reprodução memorialística.

A cena pulsa com a mesma força viva de origem e renasce pelo rigor e técnica da dinâmica de sua invenção. É desafiante para a atual audiência teatral, dispersiva e impaciente, penetrar em texto, longo e discursivo, e se deixar levar por sucessão de quadros com códigos ainda não completamente digeridos. Mas os batimentos estrondosos que estão no coração de um corpo cênico vigoroso espalham imagens sanguíneas que abrem os vasos comunicantes.

A abertura do segundo ato, com “Yes, nós temos bananas” cantado por coro de um teatro de revista mambembe e na exuberância tropicalista da cenografia, é encerrada pela citação de Bilac de que “não há país como este”. O terceiro ato tem direção primorosa, que conquista a atenção silenciosa dos que o assistem.

O elenco impecavelmente reconstitui com efeito fotográfico a excelência do passado. Destaque para a disponibilidade de Marcelo Drummond no “tour de force” na interpretação de Abelardo.

“O Rei da Vela” de 2018 comprova a permanência de uma arte em que o efêmero se confunde com palco. Como lembrou Zé Celso anteontem, sua encenação é uma obra de arte, como seria uma pintura ou qualquer outra manifestação mais “duradoura”. Talvez agora “O Rei da Vela” se confirme como valor “definitivo”. E pareça um tanto menos ruidosa ao apelar no final que o público, “esse imenso cadáver gangrenado”, não aplauda o que acabou de ver, sugerindo chamar bombeiros e polícia para salvar tradições e moral.

Cotação: ótimo

 

Demais notícias

Julho de 2018

dia 19
Quinta

Cidade das Artes recebe o restaurante Tasca do Filho d'Mãe

Do dia 19 de julho ao dia 09 de setembro, a Tasca vai oferecer alguns de seus pratos tradicionais na pop up store que está montada na Cidade das Artes durante a temporada do espetáculo musical "A Noviça Rebelde". Para começar o jantar, entradas como os tradicionais pastel (R$14) e bolinho bacalhau (R$26 - 6 unidades; R$40 - 12 unidades), além do bolinho de bacalhau com queijo Serra da Estrela (R$14).

[+] leia mais

Julho de 2018

dia 02
Segunda

Funcionamento da Cidade das Artes na Copa do Mundo em jogos do Brasil

A Cidade das Artes está com funcionamento alterado nos dias dos jogos da Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo na Rússia, seguindo o decreto da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Desta forma, no dia 02 de julho não haverá expediente administrativo na Cidade das Artes.

[+] leia mais

Junho de 2018

dia 28
Quinta

Aviso de Seleção F-ARTES - Nº 02/2018

AVISO DE SELEÇÃO para escolha da melhor proposta de preço para utilização, na modalidade PERMISSÃO  DE  USO, da área destinada à Cafeteria da Grande Sala, localizado na Av. das Américas,  nº 5300 – Barra da Tijuca/RJ.

[+] leia mais

Junho de 2018

dia 20
Quarta

Funcionamento da Cidade das Artes na Copa do Mundo em jogos do Brasil

A Cidade das Artes estará com funcionamento alterado nos dias dos jogos da Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo na Rússia, seguindo o decreto que determinou ponto facultativo total no dia 22 (sexta-feira) e parcial no dia 27 (quarta-feira). Desta forma, no dia 22 não haverá expediente administrativo na Cidade das Artes, incluindo o funcionamento da Sala de Leitura.

[+] leia mais

Junho de 2018

dia 08
Sexta

Cidade das Artes realiza sorteio especial no Dia dos Namorados

A Cidade das Artes preparou uma promoção para celebrar o Dias dos Namorados. A casa vai sortear ingressos duplos para a apresentação do Quarteto Brasiliana, que acontece dia 16, no Teatro de Câmara; um voucher de R$ 150,00 para jantar no Restaurante Abraccio; além de uma hospedagem gratuita, com direito a café da manhã, no Hotel Best Western Premier.

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 30
Quarta

RIOH2K: Funcionamento da Sala de Leitura, Exposição Permanente da Maquete de LEGO® do Rio de Janeiro e Bilheteria

Informamos que a Sala de Leitura não abrirá de 31 de maio (quinta-feira) a 04 de junho (segunda-feira) devido ao evento RIOH2K, voltando a funcionar normalmente na terça-feira, dia 05 de junho. A exposição de LEGO estará fechada para visitação no período de 31 de maio (quinta-feira) a 05 de junho (terça-feira), retornando na quarta-feira dia 06 de junho.

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 26
Sábado

Rio H2K 2018 confirma apresentação do Cão Sem Plumas | Cia Deborah Colker

A produção do evento RIOH2K CONFIRMA a realização dos espetáculos do Cão Sem Plumas da Cia Deborah Colker HOJE, sábado, 26 de maio, às 18h e 21h.   Esperamos por você! .

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 26
Sábado

Com instalações renovadas, teatros públicos se reinventam

Cidade das Artes - Marcos de Paula / Agência O Globo Três casas de espetáculos da rede municipal do Rio se destacam positivamente em meio a cenário desolador POR PAULA AUTRAN 26/05/2018 4:30 O GLOBO - Teatro e Dança   RIO - Nem só de dramas vivem os 19 teatros públicos da cidade do Rio de Janeiro. Em meio a um cenário muitas vezes desolador — por conta da escassez de recursos públicos e de casos como o do Villa Lobos, incendiado em 2011 e até hoje não reconstruído —, pelo menos três casas de espetáculos se destacam positivamente: Cidade das Artes (que, além da grande sala, tem um teatro de câmara e a sala eletroacústica), na Barra; o teatro do Centro Cultural João Nogueira (antigo Imperator), no Méier; e a Sala Municipal Baden Powell, em Copacabana, têm administrações diferenciadas, instalações renovadas e programação que vem conquistando público fiel.

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 23
Quarta

Rio H2K traz companhias de dança brasileiras e coreógrafos internacionais para workshops no Rio

Oitava edição do festival internacional de dança acontece entre os dias 25 de maio e 3 de junho na Cidade das Artes. Evento também terá espetáculos, 'batalhas' e apresentação de documentários.

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 18
Sexta

Empresários discutem potencialidades de Portugal no Rio

Por Igor Lopes Mundo Lusíada ( https://www. mundolusiada.

[+] leia mais