Fundação Cidade das Artes

Notícias » CRÍTICA: “Contos Negreiros” é espetáculo obrigatório

Março de 2018

dia 13, Terça

CRÍTICA: “Contos Negreiros” é espetáculo obrigatório

Por  Dâmaris Grün  - 5 de Março de 2018 - site https://aplausobrasil.com.br
 

RIO DE JANEIRO: “Não sou escravo de nenhum senhor/ Meu Paraíso é meu bastião/ Meu Tuiuti, o quilombo da favela/ É sentinela na libertação” (samba enredo da escola Paraíso do Tuiuti). Começo esse texto sobre o espetáculo Contos Negreiros do Brasil exortando os versos do samba enredo da escola de São Cristóvão, que sagrou-se vice campeã do carnaval usando a escravidão como temática central. Traço esse paralelo porque são dois grandes espetáculos que tratam sobre o povo negro e sua condição no Brasil.

A escola de São Cristóvão abriu seu desfile com uma encenação realista de como eram tratados os negros escravizados no Brasil. Açoites, correntes, tortura, dor. O realismo das fantasias, da atuação dos atores/foliões, da coreografia dessa comissão de frente nos emocionou e nos fez dizer “sim, é isso”. Essa é a mesma sensação que temos quando começa Contos Negreiros do Brasil. Idealizado pelo sociólogo e filósofo Rodrigo França (que também está em cena), pelos atores Aline Borges, Milton Filho e pelo diretor Fernando Philbert, o espetáculo remete logo de cara ao recente desfile da Tuiuti. O sociólogo se dirige à plateia: “O Brasil é um país racista”. É possível ouvirmos também aqui “sim, é isso”. São dois prólogos impactantes, belos e que contém um discurso de urgência.

Em seguida, Rodrigo França faz um depoimento pessoal. Fala da sua origem, sua família, sua trajetória, sua condição de negro num país racista. A partir daí ele começa a apresentar estatísticas alarmantes. Essa aula é intercalada pela encenação dos 12 contos de Marcelino Freire em Contos Negreiros.

Os contos do autor pernambucano possuem uma estrutura narrativa com forte carga de oralidade, funcionando como monólogos de vozes que narram o sofrimento da condição do negro na sociedade. Essa carga dramática contida no texto proporciona uma relação direta entre o ator e o espectador, sendo esse último um interlocutor ativo dessa dor narrada, como se estivesse nele o sujeito confidente mas também agente da dor do personagem marginalizado. Esses monólogos fazem um jogo bastante dinâmico com o realismo dos dados, já que funcionam como uma espécie de ficcionalização dos mesmos. A composição dos personagens é mimética, muito bem delineada pelos atores, que materializam os corpos e gestos dos sujeitos contidos nos contos de Freire -como uma mulher negra marginalizada, o trabalhador braçal, a anciã, o homossexual – com bastante carga dramática.

O espetáculo segue essa lógica de aula, exposição didática, exposição documental em cena através de projeções de fotos dos artistas, de familiares, de ativistas da luta negra, de documentos pessoais caros aos artistas ali envolvidos.

No final, cada ator se dirige ao público e faz seu depoimento pessoal a partir de sua condição. Esse documento pessoal reitera e reverbera os dados de forma muito mais contundente, emocionante e real do que os próprios contos encenados. Nesse momento, o espetáculo ganha mais sentido porque a experiência dos atores repartida com o público possui uma dimensão afetiva e empírica que só os documentos vivos, os atores e suas histórias, podem nos dar. Não há nesse momento composição de personagens. Há atores sociais falando diretamente através de suas experiências.  Aqueles contos, aqueles dados, agora, no documento vivo dessas falas diretas, dos atores-sujeitos da ação ganham um tom trágico que coloca o espetáculo na urgência referida no título.

Não há muito o que escrever sobre esse espetáculo urgente e obrigatório. É preciso vê-lo, senti-lo, pensá-lo, digeri-lo, indicá-lo a todos. É política em cena. É resistência. É nossa obrigação falar sobre o tema.

“Hein seu branco safado
Ninguém aqui é escravo de ninguém”

(Canto primeiro, TRABALHADORES DO BRASIL, Contos Negreiros, de Marcelino Freire)

+ Informações: Acesse nossa programação

 

Demais notícias

Junho de 2018

dia 20
Quarta

Funcionamento da Cidade das Artes na Copa do Mundo em jogos do Brasil

A Cidade das Artes estará com funcionamento alterado nos dias dos jogos da Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo na Rússia, seguindo o decreto que determinou ponto facultativo total no dia 22 (sexta-feira) e parcial no dia 27 (quarta-feira). Desta forma, no dia 22 não haverá expediente administrativo na Cidade das Artes, incluindo o funcionamento da Sala de Leitura.

[+] leia mais

Junho de 2018

dia 08
Sexta

Cidade das Artes realiza sorteio especial no Dia dos Namorados

A Cidade das Artes preparou uma promoção para celebrar o Dias dos Namorados. A casa vai sortear ingressos duplos para a apresentação do Quarteto Brasiliana, que acontece dia 16, no Teatro de Câmara; um voucher de R$ 150,00 para jantar no Restaurante Abraccio; além de uma hospedagem gratuita, com direito a café da manhã, no Hotel Best Western Premier.

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 30
Quarta

RIOH2K: Funcionamento da Sala de Leitura, Exposição Permanente da Maquete de LEGO® do Rio de Janeiro e Bilheteria

Informamos que a Sala de Leitura não abrirá de 31 de maio (quinta-feira) a 04 de junho (segunda-feira) devido ao evento RIOH2K, voltando a funcionar normalmente na terça-feira, dia 05 de junho. A exposição de LEGO estará fechada para visitação no período de 31 de maio (quinta-feira) a 05 de junho (terça-feira), retornando na quarta-feira dia 06 de junho.

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 26
Sábado

Rio H2K 2018 confirma apresentação do Cão Sem Plumas | Cia Deborah Colker

A produção do evento RIOH2K CONFIRMA a realização dos espetáculos do Cão Sem Plumas da Cia Deborah Colker HOJE, sábado, 26 de maio, às 18h e 21h.   Esperamos por você! .

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 26
Sábado

Com instalações renovadas, teatros públicos se reinventam

Cidade das Artes - Marcos de Paula / Agência O Globo Três casas de espetáculos da rede municipal do Rio se destacam positivamente em meio a cenário desolador POR PAULA AUTRAN 26/05/2018 4:30 O GLOBO - Teatro e Dança   RIO - Nem só de dramas vivem os 19 teatros públicos da cidade do Rio de Janeiro. Em meio a um cenário muitas vezes desolador — por conta da escassez de recursos públicos e de casos como o do Villa Lobos, incendiado em 2011 e até hoje não reconstruído —, pelo menos três casas de espetáculos se destacam positivamente: Cidade das Artes (que, além da grande sala, tem um teatro de câmara e a sala eletroacústica), na Barra; o teatro do Centro Cultural João Nogueira (antigo Imperator), no Méier; e a Sala Municipal Baden Powell, em Copacabana, têm administrações diferenciadas, instalações renovadas e programação que vem conquistando público fiel.

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 23
Quarta

Rio H2K traz companhias de dança brasileiras e coreógrafos internacionais para workshops no Rio

Oitava edição do festival internacional de dança acontece entre os dias 25 de maio e 3 de junho na Cidade das Artes. Evento também terá espetáculos, 'batalhas' e apresentação de documentários.

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 18
Sexta

Empresários discutem potencialidades de Portugal no Rio

Por Igor Lopes Mundo Lusíada ( https://www. mundolusiada.

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 15
Terça

Festival Portugal 360: Alteração do horário de funcionamento da Sala de Leitura

Informamos que a Sala de Leitura, na semana de 17 a 20 de maio, será o espaço de alguns Workshops que fazem parte do Festival Portugal 360. O acesso a mesma só será permitido aos inscritos nas atividades do Festival.

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 13
Domingo

Cidade das Artes procura se livrar da fama de elefante branco

André Marini, gestor da Cidade das Artes, e Bel Kutner, diretora artística - Analice Paron / Agência O Globo Espaço tem agenda lotada de eventos; expectativa, agora, é aumentar receita própria Globo-Bairros por Lilian Fernandes 13/05/2018 4:30 / Atualizado 13/05/2018 22:48   RIO — Na noite do último sábado de abril, a Cidade das Artes estava lotada. Gente de diferentes áreas da cidade, com preferências culturais diversas e carteiras mais ou menos recheadas, dividia alegre e civilizadamente o espaço, onde aconteciam simultaneamente o Festival Cervejeiro Carioca, apresentações das peças “O rei da vela”, “O tratado da Senhora Clap” e “40 Kbças — Uma comédia improvisada” e um concerto da orquestra Sapucaia Ensemble com a soprano Loren Vandal.

[+] leia mais

Maio de 2018

dia 11
Sexta

Cidade das Artes recebe show gratuito da dupla Dinamarquesa Wenzell & Bugge

A Cidade das Artes recebe, dia 11, às 15h, a dupla de músicos dinamarqueses Wenzzel & Bugge, formada pelo violinista Kristian Bugge e pelo percussionista Ronni Kot Wenzell. O duo, que se conheceu no conservatório de música da Dinamarca, tem obtido reconhecimento internacional misturando o folk tradicional com percussão clássica.

[+] leia mais